YoutubeFacebookTwitterInstagram
Politica & Mulher
Author fbd5d65740160840
Tanuza Oliveira

Jornalista desde 2010, com formação pela Unit e atuação em veículos impressos e em assessorias de comunicação em Sergipe. É repórter Especial do JLPolítica desde 2017.

Euza Missano e seu trabalho à frente do Centro de Apoio dos Direitos da Mulher
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
8432bf07534cb5d8

Promotora Euza Missano leva trabalho à frente do Caop a sério

À frente do Centro de Apoio Operacional dos Direitos da Mulher desde março de 2019, a promotora Euza Missano tem realizado um trabalho intenso para fazer cumprir a Lei Maria da Penha e os direitos femininos. "Foi um honroso convite do procurador-Geral do Ministério Público", diz Euza Missano.

Segundo ela, o Centro possui a função específica de garantir apoio institucional às Promotorias dos Direitos da Mulher na capital e nas cidades do interior, apresentando projetos de interesse da Mulher em situação de vulnerabilidade social e violência. E tem realiado diversas ações nesse sentido.

"O Caop tem desenvolvido ações específicas de empoderamento da Mulher, esclarecendo seus direitos para que seja garantida uma vida digna, em equidade de gênero", ressalta a promotora. Para isso, de acordo com ela, o Centro trabalha em todos os eixos da Lei Maria da Penha.

"Desde projetos voltados para prevenção, como implementação de noções da lei Maria da Penha nas escolas municipais, tratando das questões de equidade de gênero, ao fomento da formalização de Termos de Cooperacão para garantia de cursos profissionalizantes e geradores de renda para as mulheres, fazendo com que possam "quebrar" ciclo de violência", explica.

Isso porque, segundo pesquisas, mais 50% das mulheres em situação de violência dependem, economicamente de seus parceiros. A última dessas ações ocorreu na semana passada, quando a Prefeitura de Aracaju, através da Fundação Municipal de Formação para o Trabalho - Fundat -, anunciou mais de 3.200 vagas para capacitação.

"O Caop também trabalha como fomentador da integração das redes municipais e estaduais de proteção à mulher, para assistência necessária e acolhimento devido", reitera. Atualmente, o Centro tem realizado atividades em Aracaju, mas já iniciou o seu serviço de interiorização, pela cidade de Nossa Senhora do Socorro, em parceria com as Promotorias locais.

"Foi realizado, no mês de agosto, o evento "Penha: o caminho para a não violência", em parceria com o município de Aracaju, envolvendo Secretarias municipais e a Patrulha Maria da Penha, com diálogo com a rede de assistência de Aracaju e demais cidades do interior do Estado", revela Euza Missano.

No evento, foi discutida a reativação do Projeto "Salve Mulher" para notificacao dos casos de violência doméstica, através das Unidades Básicas de Saúde, hospitais e maternidades", diz a promotora, que reforça: “o Ministério Público de Sergipe atua assegurando os direitos das mulheres, garantindo segurança das ações e acolhimento”.

Por isso, para ela, como mulher, tem sido enriquecedor desenvolver propostas para esse público. “Tem desenvolvido em mim o sentimento maior de alteridade, acrescentando vivências diferenciadas e motivadoras. A minha Instituição faz isso com seus membros, possibilita tocarmos a vida das pessoas, com esforços de liberdade para superação das dificuldades. É o verdadeiro Ministério de servir ao público”, define Euza Missano.