YoutubeFacebookTwitterInstagram
Politica & Mulher
Author fbd5d65740160840
Tanuza Oliveira

Jornalista desde 2010, com formação pela Unit e atuação em veículos impressos e em assessorias de comunicação em Sergipe. É repórter Especial do JLPolítica desde 2017.

Ivoni Andrade: “Itabaiana tem tradição política machista”
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
Ffc4106d76019c6c

Professora Ivoni: "No primeiro mandato, encontrava bastante resistência, foi terrível”

Os 13 homens e uma mulher que ocupam os postos de vereadores do município de Itabaiana ilustram bem o que pensa a única parlamentar e presidente da Casa, Ivoni Lima de Andrade: “Itabaiana tem tradição política machista”.

Conhecida como Professora Ivoni, ela é filiada ao MDB, está em seu terceiro mandato de vereadora e carrega o título de a primeira mulher a presidir o Poder Legislativo Municipal nesses 130 anos de emancipação política da cidade.

“Aqui não há espaço para a mulher. É muito difícil. Apesar de ser um interior com muito gosto pela política, também é muito machista nesse aspecto”, afirma Ivoni. A família dela não é tradicionalmente política, embora tenha tido um irmão vereador por Aracaju, já falecido memória, e o pai que fora candidato a deputado estadual.

Por isso, Ivoni atribui os três mandatos a outras questões. “Eu sempre realizei um trabalho social aqui. Sou professora e nunca deixei de exercer a profissão, sempre continuando em sala de aula. Ou seja, é importante mostrar que a mulher sabe atuar, faz a diferença, conquista o seu espaço”, justifica.

“A maioria dos homens abraça a vereança como se fosse uma profissão, não tem outros afazeres. Já nós mulheres somos donas de casa, profissionais. Verdadeiras polivalentes. E mesmo assim, nunca deixei de usar a tribuna. Sou uma parlamentar atuante”, completa Ivoni.

A primeira eleição dela foi em 2008, quando teve 2.278 votos, ou 4,51% dos válidos na cidade; depois, em 2012, teve 2.713 votos, ou 5,76%. E, em 2017, teve 1.931 votos, ou 3,59%. Atualmente, ela está no bloco de Luciano Bispo, que faz oposição ao prefeito, Valmir de Francisquinho, PR.

“Mas eu faço na Câmara uma gestão democrática, colocando os interesses do povo acima de qualquer coisa. A sigla partidária fica só no palanque. Quando desço, tenho que lutar para que aquele que o povo escolheu faça um trabalho digno”, ressalta.

Essa postura, segundo Ivoni, fez com que os colegas de parlamento passassem a respeitá-la mais. “No primeiro mandato, encontrava bastante resistência. Foi terrível. Mas hoje eles reconheceram a minha capacidade tanto de colega parlamentar quanto de administradora. Sinto que estão mais próximos”, comemora.

Nos últimos dias, Ivoni se viu no centro de uma discussão intensa em torno de um projeto que, como presidente, ela desengavetou. O projeto prevê a retomada do número de vereadores que a cidade já teve antes: 17. “Muita gente não entende, acha que estou criando isso, mas quando assumi eram 17 vereadores. Depois, o número baixou para 10”, revela.

“Mas a Constituição diz que todo município com mais de 80 mil e até 120 mil habitantes tem direito a 17 vereadores. Todos os municípios com essas características voltaram a esse número, menos Itabaiana. Hoje, temos 67 mil eleitores, então a representatividade está prejudicada”, acrescenta a Professora Ivoni.

Ivoni diz que o projeto, ao contrário do que dizem, não vai onerar os cofres públicos, já que o duodécimo repassado à Câmara pela Prefeitura vai permanecer com o mesmo percentual do orçamento. “Apresentei vários projetos, como o da criação do Dia do Autista, o que determina que toda pessoa com deficiência tenha direito a ser matriculada na escola mais próxima de casa, o do plano de cargos, carreira e salários da Casa, além de indicações", ressalta.

A Professora Ivoni diz que pretende disputar o quarto mandato nas próximas eleições, mas não descarta outros rumos políticos. “Meu nome está aberto para o grupo político. Se entenderem que devo ir para a majoritária, estou à disposição também. Quero continuar com meu projeto de representar o povo e de manter uma mulher na Câmara, pois como falo sempre, todas nós devemos correr atrás dos nossos espaços, como está garantido na Constituição”.