Politica & Mulher
Prefeitura de Aracaju prepara equipes para implementar debate sobre Maria da Penha nas escolas
3bf2ffc72afd013b

Reunião ocorreu na última semana e mostra comprometimento com a lei

As equipes da Prefeitura de Aracaju e do Ministério Público Estadual se reuniram na última semana para tratar da implementação da Lei Municipal 5.195/2019, sancionada pelo prefeito Edvaldo Nogueira em maio deste ano e que determina que as escolas da rede municipal de educação de Aracaju passem a ter em seus currículos o ensino de noções básicas sobre a Lei Maria da Penha. 

No encontro, a secretária Municipal da Educação de Aracaju, Maria Cecília Leite, apresentou propostas para concretizar a implementação da Lei nas unidades. “Esboçamos para o Ministério Público nosso plano de ação e de formação, assim como os próximos passos para a concretude desta legislação, inclusive a proposta da portaria de regulamentação e formação dos professores. Queremos que esta ação alcance efetivamente todos os nossos professores e alunos, para que sejam multiplicadores e que a Lei chegue aos Planos Políticos Pedagógicos das nossas escolas”, afirma Cecília.

Diversos parceiros da gestão municipal estiveram presentes na reunião, como o Conselho Municipal de Educação - Conmea -, os representantes da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB - e outras instituições da sociedade civil ligadas ao tema da luta pelos direitos das mulheres e da criança e do adolescente. 

“O MP se sente extremamente gratificado pela manifestação do município de Aracaju, através da Semed e seus parceiros, nessa atuação. A Secretaria nos apresentou todo um projeto de implementação numa iniciativa própria. Este é um momento muito feliz, um passo fundamental que o município de Aracaju está dando para que possa se discutir com as crianças e adolescentes a questão da equidade de gênero nas escolas”, ressalta Euza Missano. 

A Semed, por meio do Centro de Aperfeiçoamento e Formação Continuada - Ceafe -, será responsável pela formação das equipes diretivas das escolas, professores e representantes dos Conselhos Escolares, a qual se dará a partir de um ciclo formativo de webconferências, na modalidade semipresencial.

“Vamos capacitar nossos professores porque trataremos do assunto com alunos de idades diferentes e precisamos discutir metodologicamente como fazer essa imersão em cada faixa etária”, reforça Cecília Leite.