YoutubeFacebookTwitterInstagram
Aparte
Author bc92de88786c313d
Jozailto Lima

É jornalista há 36 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

NOVA ALESE 11 - Georgeo, um Passos que briga, cobra, legisla, fiscaliza e propõe
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
99f730f17819ce79

Parlamentar participativo, Georgeo foi eleito para seu segundo mandato, obtendo 23.355 votos, o 13º mais votado

Vindo de uma família tradicionalmente política, Georgeo Antônio Céspedes Passos, 37 anos, o Georgeo Passos, Rede, entrou na Assembleia Legislativa de Sergipe - Alese -, em 2015, com certeza, levando consigo uma imagem que poderia ser de “mais um” integrante dos Passos a ocupar uma cadeira na Casa e com as mesmas características do pai, Antônio Passos - ex-deputado estadual por cinco mandatos, ex-presidente da Casa e prefeito de Ribeirópolis por três. Mas ledo engano.

“Meu pai sempre foi uma pessoa muito calada na Assembleia Legislativa, fazendo aquilo ali que ele achava importante. Já o deputado Georgeo tem um perfil bem diferente. É mais falador. É mais briguento, vai para a tribuna, cobra, fala, mas sempre com bastante responsabilidade”, afirma Georgeo. Sem dúvidas, um parlamentar participativo, atuante - e que chamou a atenção da opinião pública.

Georgeo Passos mostrou a todos que não “caiu” na Alese à toa, tão somente graças ao sobrenome da família e que, principalmente, não está ali a passeio. “Fazemos o papel de um parlamentar: legislo, fiscalizo e proponho”, enfatiza.

BASE FAMILIAR EM RIBEIRÓPOLIS

O papel de parlamentar, ao que parece, foi tão bem feito que Georgeo Passos foi eleito para um segundo mandato neste último pleito eleitoral, com 23.355 votos, o 13º mais votado entre os 24 deputados estaduais - e com melhor desempenho do que em 2014, quando obteve 20.233 e foi o 23º. Ele, o pai e o avô Chico Passos somam 15 mandatos na Alese.

Antes da Alese, claro, Georgeo teve toda uma trajetória de uma vida que começa no dia 23 de setembro de 1981, em Aracaju. Mesmo nascendo na capital, seus primeiros anos foram em Ribeirópolis - a cidade base familiar e política dos Passos em Sergipe. 

“Nasci em Aracaju, mas até os oito anos morava em Ribeirópolis. Lá onde nossa família tem a base, onde meu avó Chico Passos e minha avó moraram e, lógico, meu pai também morou”, reforça Georgeo.

2cb11a4dd72b8787Georgeo com os pais, Antonio e Regina, a esposa Danyara e a filha Giovanna

PRIMOGÊNITO DA CASA

O deputado relata mais as suas origens e como seus pais se conheceram. “Meu pai, como todos sabem, é Antonio Passos e minha mãe é Regina Passos. Ela não é sergipana. É de Aparecida do Taboado, em Mato Grosso do Sul”, relata.

“Mas minha mãe conheceu meu pai em Sergipe, depois que uma irmã dela veio morar aqui. O esposo dela foi transferido, como funcionário da Caixa Econômica. É aquela história: uma irmã puxa a outra... Veio a minha mãe, depois outras tias, que hoje residem no Estado também”, informa Georgeo.   

Primeiro filho do casal, Georgeo tem dois irmãos - Ângelo e Gabriela - e desde 2007 é casado com Danyara Passos, com quem tem duas filhas, Giovanna, 6 anos, e Luísa de oito meses.

ESTUDOS E TRABALHO SEM REGALIAS

Como bem disse, aos oito anos Georgeo se mudou para a Aracaju em busca de melhores estudos. Na capital, estudou todo ensino fundamental e médio e se formou em Direito pela Universidade Tiradentes.

“Sempre estudei. Mas lógico: meu pai era comerciante lá em Ribeirópolis, tinha um supermercado, então, a gente sempre ia lá, fazia atividade que ele determinava. Mas depois vim para a capital, fiquei mais focado mesmo nos estudos. Entrei no Direito, tendo em vista que meu pai é advogado, o que facilitou eu escolher o mesmo caminho”, relata Georgeo.

Antes da formatura, evidentemente, o deputado passou por estágio, experiências estudantis, inclusive num grande órgão público. Tudo fruto do seu esforço. “Fui estagiário do Ministério Público Federal, na época de estudante de Direito, depois de uma prova de seleção. Gosto de frisar isso porque as pessoas acham que como sou filho de político as portas se abrem mais facilmente. Mas graças a Deus sempre tivemos essa visão de estar estudando, se aprofundando e se qualificando”, afirma.

380a1b5e71c10a75Georgeo com a esposa Danyara e as filhas Giovanna, 6 anos, e Luísa de oito meses

CONCURSADO DO TJSE

Uma vez formado, Georgeo se submeteu à prova da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB - com objetivo de obter a tão sonhada carteira de advogado. Foi aprovado. Contudo, a vida de concurseiro não deixou obtê-la. “Em virtude daquele momento ter sido convocado num concurso da Polícia Civil, não pude fazer o registro. Quem é policial civil não pode”, explica.

Georgeo passou de três a quatro anos na Polícia Civil, exercendo a função de agente de polícia. “Foi minha primeira experiência profissional”, ressalta o deputado estadual. Depois de lá, ele ainda foi assessor de procurador de Justiça no Ministério Público Estadual - MPE.

Após a estada no MPE, Georgeo passou no concurso do Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe - TJSE. “Fui aprovado para técnico judiciário. Sou servidor há quase 10 anos. Mas, lógico, estou licenciado em virtude do mandato como deputado”, informa. “Foi devido ao TJ também que até hoje não pude fazer a minha inscrição na OAB, visto que é incompatível”, explica.

ENTRADA NA POLÍTICA

A entrada de Georgeo na política se deu de forma natural, ao suceder o pai que desistiu de concorrer em 2014 a um mandato na Assembleia Legislativa - após ser derrotado em 2010, mas continua na área como atual prefeito de Ribeirópolis.

“Eu nasci nisso. Sou de uma família tradicional da política de Sergipe. Tudo começou com um tio-avô (Josué Modesto dos Passos). Foi ele que começou tudo lá em Ribeirópolis. Ele foi deputado estadual e prefeito de Ribeirópolis. Depois, em virtude das questões políticas, foi assassinado e meu avô (Francisco Modesto dos Passos, o Chico Passos) assumiu o grupo político”, relata Georgeo.

“Meu avô exerceu oito mandatos na Assembleia Legislativa e foi duas vezes prefeito de Ribeirópolis. E meu pai foi cinco vezes deputado e três vezes prefeito de lá, assim como minha mãe foi duas vezes prefeita da cidade”, informa o deputado.

105e80eedc924a43Georgeo com sua filha primogênita, Giovanna

EXEMPLO DOS PAIS

Dos pais políticos, Georgeo leva consigo vários exemplos. “Eu acho que trago deles essa questão da palavra dada, palavra cumprida. Meus pais foram pessoas que sempre cumpriram com suas obrigações. É uma característica da família Passos. Mas é uma coisa que, infelizmente, na política a gente percebe cada dia mais em desuso. Deveria ser ao contrário”, afirma.

Georgeo sempre participava da política feita pela família Passos, organizando e coordenando campanhas. “Aí chegou a minha oportunidade quando meu pai perdeu a última eleição dele para deputado estadual. Ele entendeu que era a hora da renovação”, explica.

Georgeo sempre foi dos bastidores, mas nunca da linha de frente. A primeira experiência dele como candidato foi numa eleição municipal. “Foi uma candidatura de vice-prefeito em Ribeirópolis, junto com minha mãe que era candidata a prefeita. Nós perdemos. Mas foi a primeira. Aí, lógico, continuamos os estudos, essa parte profissional, mas nunca nos desligamos da política”, informa.

POLÍTICO PELO COLETIVO

“Sempre participei das campanhas e as coordenei no interior. Ajudava meu pai nas campanhas dele para estadual, tanto que muita liderança dele já me conhecia quando ele me colocou (candidato). Isso facilitou”, ressalta.

Naquele momento de 2014, quando se candidatou para uma vaga na Alese, o deputado afirma que não tinha noção da grandiosidade que é exercer um mandato estadual. Mas, aos poucos, ele foi compreendendo tudo.

“É na política que podemos fazer algo pelo coletivo. A gente tenta isso ao máximo no despenho do nosso mandato: fazer com que as pessoas ainda acreditem na atividade política, mesmo diante desse desgaste, realizando um mandato propositivo, fiscalizador”, assegura.

Fbb4db1124e84a27Georgeo com a esposa Danyara. Eles dois são casados há 11 anos

1º MANDATO PARTICIPATIVO

Georgeo entrou na Alese num momento em que o agrupamento liderado por Antonio Passos estava desmotivado. “Eu sabia do desafio, porque o grupo já estava desacreditado no Estado, mesmo diante de toda nossa história. A derrota faz com que algumas pessoas se afastem”, afirma.

Contudo, mesmo com as descrenças de alguns, Georgeo se saiu vitorioso e, uma vez na Alese, buscou ao longo dos últimos quatro anos colocar a sua marca. “Fizemos um mandato bastante ativo. Fizemos vários pronunciamentos. Fizemos apresentação de mais de 40 projetos de leis, mais de quatro propostas de emenda à constituição. Estivemos em quase todas as discussões dentro do plenário, dentro das comissões. Isso demonstra todo o compromisso e responsabilidade com o cargo que a gente exerce”, informa.

Georgeo elenca alguns de seus projetos, na visão dele, interessantes. “A PEC que queria acabar com a aposentadoria de ex-governadores. A gente sempre destaca esse. A PEC da ficha suja, que vem impedir que pessoas condenadas exerçam cargos de comissão no Estado. Brigamos e conseguimos aprovar o primeiro Código de Proteção aos Animais. A regulamentação da profissão de bombeiros civis foi uma luta nossa também”, diz.

GEORGEO DE 2015/GEORGEO DE 2019

Em seu primeiro mandato, o parlamentar também se sobressaiu no cenário nacional. “Atuamos através da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais – a Unale. É a nossa entidade que congrega os deputados do Brasil todo. Lá conseguimos posição de destaque, sendo presidente da Secretaria da Juventude. Hoje já estamos fazendo parte da Diretoria e acho que é fruto disso: do nosso trabalho e dedicação”, informa.

Ao comparar o Georgeo Passos de 2015, deputado estadual estreante, sem experiência em uma casa legislativa ou no executivo, e o Georgeo de 2019, parlamentar já com experiência, ele não tem dúvida da lição.

“Esse primeiro mandato me ensinou muita coisa. A Assembleia propicia uma experiência muito positiva. Você vai estar ali dialogando com mais 23 colegas, cada um com sua forma de pensar, cada um com sua origem, instrução. Não é uma casa fácil. Você tem que ter um jogo de cintura muito grande e acredito que eu aprendi isso”, diz.

“Sempre digo: a gente vai para as divididas, mas agora escolhemos a divididas que queremos ir. A gente só vai para aquelas divididas que sabemos que são importantes. No primeiro ano do nosso mandato, éramos muito acelerados. Querendo fazer tudo de uma vez só e querendo resolver os problemas do Estado. E a gente sabe que não é assim que funciona”, afirma Georgeo.

88cbc1552082b72cPara Georgeo: “É na política que podemos fazer algo pelo coletivo”

COMBATE À CORRUPÇÃO E REGALIAS

“Nesse segundo mandato, temos essa condição de saber o que é uma pauta de interesse estadual e o que não é. O que é uma reinvindicação pertinente. Conseguimos ter esse filtro”, destaca o parlamentar.

Georgeo faz questão de repassar para os pares estreantes esta certa experiência adquirida no primeiro mandato. “Conseguimos passar esses conhecimentos para esses colegas que estão chegando, tanto que temos proximidade muito grande com o Samuel Carvalho, Kitty Lima e Rodrigo Valadares. E estamos conversando muito com o Talysson, a Janier Mota, entre outros, mostrando como atuamos”, afirma. “Mas, claro, cada um tem sua independência”, pondera.

Neste segundo mandato, Georgeo continuará com suas bandeiras de combate à corrupção e às regalias no Estado. “A gente brigou muito na Assembleia com o Poder Judiciário, Ministério Público, Tribunal de Contas pelas regalias que esses poderes também têm”, explica.

“Lógico: continuaremos na parte de fiscalização. Esse segundo mandato, com amadurecimento, espero contribuir mais com o desenvolvimento do nosso Estado”, compromete-se.

E1dee8a79260cdf0No primeiro mandato, Georgeo apresentou mais de 40 projetos de leis e mais de quatro propostas de emenda à constituição