YoutubeFacebookTwitterInstagram
Politica & Negócios
Author f2775e4c231e1ff7
Maria Tereza Andrade

Maria Tereza Andrade é jornalista, graduada pela Unit em 1995, com experiência em veículos de comunicação em Sergipe e no Brasil. No JLPolítica é gestora de Relacionamento. 

Feirinha da Gambiarra mostra que negócios sociais dão certo, e muito!
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
F0e42b34d8e45bd2

Feirinha da Gambiarra: transformação social com desenvolvimento sustentável

Negócio social é um nicho de mercado que ganha cada vez mais espaço no país, criando possibilidades, inclusive, em momentos de retração da economia. Partindo do tripé criatividade, transformação social e desenvolvimento sustentável, esse tipo de negócio tem na Feirinha da Gambiarra, aqui em Sergipe, um exitoso exemplo de eficácia, eficiência e sustentabilidade.

Criada em 2012, a Feirinha da Gambiarra iniciou com a participação de 12 expositores que criavam suas próprias peças - camisetas, ilustrações e acessórios. Segundo Isabele Ribeiro, idealizadora e diretora do projeto, algumas marcas pediram pra vender suas peças no brechó que ela tinha à época, no bairro São José, em Aracaju.

"Em determinado momento, não cabia mais. Então, surgiu a ideia de ir para a rua”, relembra Isabele Ribeiro, uma jovem arquiteta e urbanista, pós-graduanda em Gestão Pública e consultora do setor de Economia Criativa e Projetos da Fundação Cultural da Prefeitura de Aracaju - Funcaju.

“De forma natural, o aracajuano adotou a Gambiarra. O evento está crescendo na quantidade de pessoas que frequentam, na qualidade dos produtos e no número de expositores”, destaca Isabele Ribeiro.

896c1298d3363174Intervenções culturais fazem parte da programação da Feirinha de Gambiarra

Uma linha de crescimento contínua e substancial, de fato. A Ferinha da Gambiarra chegou, na primeira quinzena de dezembro, a sua 18ª edição. Dos 12 expositores iniciais, reúne hoje, em média, 90 participantes a cada edição. Gera em cada uma delas cerca de R$ 220 mil.

Na Feirinha da Gambiarra, o público encontra uma variedade de produtos criativos; área de gastronomia com barracas, food trucks e carrinhos; flash tattoo; atividades lúdicas para a criançada; música; intervenções artísticas e participação de Organizações Não Governamentais - ONGs -, que compartilham as iniciativas sociais. 

Há ainda a Prosa Gambiarra, um espaço onde rolam bate-papos sobre o universo da criatividade, dos negócios e do empoderamento. “É uma troca contínua”, define Isabele Ribeiro, que destaca também a ampliação do campo de atuação inicial da proposta.

“Além da feira, o projeto engloba, hoje, uma loja colaborativa no Shopping Riomar e um estúdio criativo. É um processo muito bonito ver a cena da economia criativa crescendo. Fico muito feliz e orgulhosa do nosso trabalho”, pontua Isabele Ribeiro.

0e2cc255b3c0b600Isabele Ribeiro: “Bonito ver a cena da economia criativa crescendo”

A Feirinha não tem data pré-definida para ocorre - neste ano teve uma periodicidade bimestral -, nem local fixo a ser realizada - a proposta de ser itinerante busca fortalecer a sensação de pertencimento do aracajuano com a cidade. Já passou pela Biblioteca Pública Epifânio Dórea, pelos bairros São José e Inácio Barbosa e pelo Parque da Sementeira, onde ocorreram as últimas edições.

Ainda este ano, a Feirinha da Gambiarra levará uma pequena mostra da produção à Praça General Valadão, neste sábado, 21, das 16 às 22h, dentro da programação do Festival Quinta Instrumental. E, em 2020, voltará em 9 de fevereiro com novidades desse universo criativo, transformador e sustentável.  Até lá!

Fotos: @estudiogambiarra