YoutubeFacebookTwitterInstagram
Politica & Negócios
Author f2775e4c231e1ff7
Maria Tereza Andrade

Maria Tereza Andrade é jornalista, graduada pela Unit em 1995, com experiência em veículos de comunicação em Sergipe e no Brasil. No JLPolítica é gestora de Relacionamento. 

Gilson Andrade: com força e tradição, São João de Estância movimenta a economia sergipana 
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
4985a1f288f12bc4

Gilson Andrade: “Quem vem uma vez, nunca mais deixa de vir”

Para além da tradição, o São João é uma festa que movimenta a economia nordestina - e sergipana. Pelo aspecto multissetorial, os festejos juninos envolvem vários segmentos produtivos do Estado - turismo, cultura, entretenimento, agricultura, microempreendedorismo - e aquece os negócios, uma muito boa notícia em tempos de crise. 

Nesse movimento está incluindo ainda o setor governamental – nas esferas federal, estadual e municipal -, que merece uma análise diferenciada. Porque, a depender da sensibilidade e da visão empreendedora dos seus gestores, o São João incorporado como política pública pode trazer um saldo positivo - muito positivo - para a economia.  

O município de Estância é um bom exemplo de como o setor público pode abraçar - com carinho e afeto - as manifestações culturais do seu povo, transformando-as também em oportunidades de negócios para o seu povo.  

No município, este ano, serão 31 dias de São João - com programação todos os dias. “Essa é uma tradição secular. Estância é berço da cultura sergipana, das tradições juninas. Não poderia ser diferente, pois Sergipe é o País do Forró, assim, a capital desse país da alegria e da festa só poderia mesmo ser Estância”, garante o prefeito Gilson Andrade (sem partido). 

A abertura da festa será nessa sexta-feira, 31, com uma Salva Junina. Depois, tem programação para todos os gostos. Quadrilha, batucada, barco de fogo, espadas, buscapé, forró. Uma infinidade de opções que revela a grandiosidade desse festejo popular.
  
Para falar um pouco mais sobre o que está preparado para o São João de Estância deste ano, já no clima de arrasta-pé, a Coluna Política & Negócios ouviu o prefeito Gilson Andrade. Buscou-se um olhar voltado à tradição, aos festejos, mas também às oportunidades de negócios. Uma entrevista bacana de se ler. 

Política & Negócios - Prefeito, por que 31 de maio é o Dia Oficial da Abertura dos Festejos Juninos em Sergipe começando por Estância?
Gilson Andrade -
Essa é uma tradição secular. Estância é berço da cultura sergipana, das tradições juninas. Não poderia ser diferente, pois Sergipe é o País do Forró, assim, a capital desse país da alegria e da festa só poderia mesmo ser Estância. É bom frisar que Estância é uma cidade para ser visitada o ano inteiro, com suas paisagens fantásticas, com seu povo hospitaleiro e atencioso, como bem disse Jorge Amado. Mas o nosso São João é diferenciado. 

Política & Negócios - Será um mês inteiro de festa. 
GA -
Sim, tem uma vasta programação cultural, com um mês inteiro de festa e de participação popular. Não tenho nenhum receio de dizer que o São João de Estância, que começa com nossa Salva Junina nesta sexta, 31 de maio, é abertura oficial do São João sergipano e o pontapé inicial do São João em todo o Nordeste. E digo isso porque Estância, mesmo com a gente adaptando algumas coisas para que a juventude se sinta representada, é das poucas cidades em que tradições como a quadrilha, a batucada, os fogos, coisas de um São João mais raiz, continuam acontecendo e tendo todo o apoio não só do poder público, mas como também de toda a população.

Política & Negócios - Para além da importância cultural, o que de economicamente positivo o São João de Estância deixa para comunidade?
GA –
Deixa um fluxo muito intenso de turistas durante todos os 30 dias de nossa programação, pousadas e hotéis com lotação esgotada, restaurantes e bares cheios. Todo o segmento turístico funciona, com receptivos ocupados durante todo o mês. Além disso, há oportunidade de os artistas da cidade se apresentarem, recebendo cachês corretos, dignos, o que contribui para a circulação de renda dentro do próprio município. 

Política & Negócios - Há uma preocupação com fazer alguns ramos de tradições da festa mais vivos, como os fogueteiros, por exemplo? 
GA –
Sim, especificamente essa atividade no Estado como um todo tem perdido força, diferentemente de como é em Estância. Procuramos incentivar os fogueteiros, que desenvolvem uma atividade também secular. Estabelecemos parcerias com as associações locais que congregam os fogueteiros para garantir, por exemplo, que o barco de fogo, nosso maior símbolo, possa representar também a oportunidade de ganhos para a população, circulando renda no município.

Política & Negócios - Quanto custará a festa este ano, e com que tipo de parceria extra o município contou?
GA -
Como ainda não fechamos todos os preparativos, esse número só será mais preciso na semana que vem. Mas, para dar um exemplo real, no ano de 2018 a nossa festa custou em torno de R$ 2 milhões, sendo que, naquela oportunidade, R$ 400 mil vieram do Governo Federal. Este ano, com mudança de governo e contingenciamentos, nós não contaremos com essa ajuda. Por isso, pedi a todos os nossos secretários e colaboradores que utilizassem do máximo de criatividade para que a festa mantivesse a qualidade, mesmo sem esses recursos. E pelo nível da programação e como a cidade está linda - o Forródromo simplesmente maravilhoso -, tenho certeza de que a festa será ainda melhor nesse 2019, mesmo com nossa equipe economizando e gerando um custo menor do que no ano passado.

Política & Negócios - Como é que é está o município de Estância no aspecto de leito de hospedagem? Há o suficiente ou não? 
GA -
A cada ano temos um acréscimo no investimento em leitos nas nossas pousadas e hotéis. Claro que nosso sonho é atrair grande empresas de hotelaria para se instalarem em nossa cidade. Mas, de maneira geral, Estância consegue atender bem aos visitantes, sem problemas.

Política & Negócios - O São João de Estância move que tipo de cadeia produtiva sergipana?
GA -
Interessante essa pergunta, porque, além dos segmentos que já falamos, turismo, cultura, fogos, que são cadeias produtivas de imensa importância, nossa gestão atenta sempre para o segmento da agricultura. Assim, em março, nas proximidades da celebração de São José, já tínhamos três mil horas de trator disponibilizadas aos nossos agricultores e sementes de milho de qualidade distribuídas. Assim, quem vier a Estância nesses 30 dias, poderá saborear o melhor da culinária nordestina e junina, pois, graças a Deus, nosso trabalho surtiu efeito na agricultura familiar e a colheita de milho está movimentando bastante nossa economia.

Política & Negócios - Este ano a Prefeitura conseguirá disciplinar melhor a tradição da queima de fogos, via buscapés e espadas?
GA -
Nós conseguimos disciplinar todos os anos. A questão é que não podemos também impedir que pessoas se sintam incomodadas com os fogos, bem como não podemos proibir que uma manifestação tão antiga, histórica deixe de ser realizada. E é bom ficar claro que a nossa data para a batalha de buscapés é no dia 13 de junho. E nossas apresentações de espada e de barco de fogo são absolutamente seguras, seja no arraial na praça Barão do Rio Branco, que este ano levará o nome do saudoso sanfoneiro estanciano Raimundo Jacó, bem como no Forródromo. 

Política & Negócios – Há toda uma logística que presa a segurança dos brincantes e turistas? 
GA –
É sempre bom esclarecer: os fogos não são soltos no meio da rua, de repente. Eles têm datas, horários e locais definidos. Quem não respeita isso é devidamente punido, pois disciplinamos essa atividade cultural. Mas, para que as pessoas possam entender esse universo e comprovar que brincar o São João em Estância é, além de muito prazeroso, muito seguro também, eu convido Sergipe e o Brasil para conhecerem a nossa festa. Só garanto uma coisa: quem vem uma vez, nunca mais deixa de vir – e será bem recebido todas as vezes que vier a Estância.