YoutubeFacebookTwitterInstagram
Politica & Negócios
Author f2775e4c231e1ff7
Maria Tereza Andrade

Maria Tereza Andrade é jornalista, graduada pela Unit em 1995, com experiência em veículos de comunicação em Sergipe e no Brasil. No JLPolítica é gestora de Relacionamento. 

Grupo Maratá amplia fronteiras de seus negócios no Maranhão
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
Fc288b156cda741b

Agropecuária Maratá assina termo de compromisso com o Governo do Maranhão: olhar no desenvolvimento

A Agropecuária Maratá, uma das empresas do Grupo Maratá, assinou esta semana um termo de compromisso com o Governo do Estado do Maranhão para investimentos nos municípios de Santa Luzia e de Caxias.

Em Santa Luzia, o Grupo Maratá aportou R$ 50 milhões em uma unidade de beneficiamento de milho, que deve gerar mais de 300 empregos diretos e indiretos. As obras já estão finalizadas.

A unidade tem capacidade de processar um fluxo de 300 toneladas/hora de recebimento de grão, uma capacidade instalada de 150 toneladas/hora de secagem. O armazenamento é de cerca 60 mil toneladas. 

A estrutura inclui refeitório, escritório, almoxarifado, oficina e posto de abastecimento de veículos. A área total é de 23 mil hectares, dos quais 11 mil hectares serão para plantio. 

Em Caxias, o projeto da Agropecuária Maratá também é voltado à implantação de uma unidade de beneficiamento de milho. Com uma área de plantio de 50 mil hectares, prevê-se, inicialmente, capacidade para armazenar 60 mil toneladas do produto.

O investimento é de R$ 50 milhões. A área onde será instalado o empreendimento já se encontra terraplanada e parte dos equipamentos já chegou ao local. A expectativa a de que sejam gerados cerca de 300 empregos diretos e 500 indiretos.

O projeto em Caxias se diferencia do primeiro por prever a implantação de uma fábrica de ração animal com capacidade para três mil toneladas/mês para atender a região. Também será implantada a fábrica de derivados de milho.

“O grão tem um valor agregado, volume, faturamento, receita e tem uma cadeia - prestadores de serviços, transporte de grãos, a parte de beneficiamento, equipamentos, colheita, plantio, investimentos e tecnologia. Você não só gera emprego, como gera uma cadeia de negócios”, avalia Frank Vieira, diretor-executivo do Grupo Maratá.

Para Ricardo Vieira, diretor da Agropecuária Maratá, o empreendimento contribuirá para o desenvolvimento regional. “O projeto vai ajudar a alavancar a produção de grãos na região”, avalia.

Segundo Simplício Araújo, secretário de Indústria, Comércio e Energia do Estado do Maranhão, o funcionamento do empreendimento vai estimular o crescimento econômico.

“Santa Luzia tem vocação natural para o agronegócio e uma indústria desse porte estimula o setor de grãos e toda de uma cadeia produtiva. Nossos esforços se concentram em atrair mais empreendimentos como esse, capaz de diversificar o desenvolvimento estadual”, frisa. (Conheça mais sobre os investimentos da Agropecuária Maratá no Maranhão lendo a Entrevista que Frank Vieira concedeu ao Portal JLPolítica).

Fonte e foto: Ascom