Politica & Negócios
Diná Almeida: “Vamos buscar melhores condições de atuação para as mulheres empreendedoras”
8981229f2793b088

Diná Almeida: para combater desigualdades, ações exclusivas para mulheres empreendedoras

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE-, de 2018, Sergipe tem 95,8 mil mulheres proprietárias de um negócio. E dos quase 49 mil microempreendedores sergipanos, 48% são do sexo feminino.

As informações constam na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - PNAD Contínua, de 2018, e servem de base  para  atuação da deputada estadual Diná Almeida, que presidente da Comissão de Economia, Finanças, Orçamento e Tributação da Assembleia Legislativa.

Segundo a parlamentar, é preciso analisar esses dados de duas maneiras. A primeira, o crescimento em virtude da alta do desemprego. Sem carteira assinada, muitas mulheres podem estar procurando o mercado formal e abrindo empresas, sejam elas microempreendedoras – MEIs - ou empresárias de pequeno porte. Nem sempre essa alternativa pode ser sinônimo de retorno e sucesso financeiro. 

Por outro lado, o empreendedorismo, quando bem incentivado, observando os nichos de mercado, as oportunidades, pode se transformar em um ambiente saudável de produção de renda, inclusive gerando novos empregos. “Esse é o lado bom de se tornar uma empreendedora, quando se está à frente de um negócio que atende a uma necessidade do mercado. Esse é o caso onde as instituições públicas devem garantir todo o apoio”, avalia a deputada.

DIFERENÇAS

No entanto, o quadro atual mostra que até no empreendedorismo, as mulheres continuam ganhando 22% menos que os homens, de acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae. Em 2018, os donos de negócio tiveram um rendimento mensal médio de R$ 2.344, enquanto as empresárias ficaram com R$ 1.831.

“Acredito que com incentivos, maior facilidade a créditos e qualificação, ações voltadas, exclusivamente para as mulheres, podemos combater essas diferenças, tornando o empreendedorismo um setor com condições de igualdade. Vamos buscar, aqui na Assembleia, mecanismos que garantam melhores condições de atuação para as mulheres empreendedoras”, avisa Diná Almeida.

Fonte: Ascom