Interviewer e7db9f0f739c1f77

Entrevista

Jozailto Lima

Compartilhar
Cover image d1c6194371345653

Alessandro Vieira: “A política profissional levou Sergipe e o Brasil a essa situação lastimável”

Publicado em 17 de  fevereiro de  2018, 20:00h

“Arrastar multidões, falando mentiras e fazendo falsas promessas, é fácil”

Alessandro Vieira: anotem aí. Esse nome vai dar o que falar na eleição de Sergipe deste ano. Ele tem 42 anos, é um bacharel em Direito e delegado da Polícia Civil em Sergipe há 16 anos, com atuação em áreas como proteção a minorias, combate à corrupção e à lavagem de dinheiro e homicídios.

Além dessa esfera, é um militante orgânico do Rede, partido liderado nacionalmente por Marina Silva e sergipanamente pelo médico Émerson Ferreira, e quer disputar o Senado. Trabalha para isso. Alessandro Vieira não tem, de público, uma cara muito afável. Se for para ser lido apressadamente, dir-se-á que é um sujeito escasso em carisma.

Mas pode haver um erro aí. Um engano grave nessa leitura. Aliás, erro e engano facilmente dissipados pela clareza, transparência, acerto, convicção e coerência dos seus pontos de vista facilmente esboçados em falas.

Além do mais, ele tem uma explicação antológica para o modo Alexandre de ser. “A minha imagem pública foi moldada na atividade policial, sempre tratando de assuntos graves, como homicídio, tráfico ou corrupção. Não dá para falar sobre isso com leveza e sorrisos. Seria um desrespeito com as vítimas e com o cidadão que pagam meu salário. Fora da atividade profissional, o trato é diferente, mais afetuoso e aberto”, diz.

Descontado o populismo do petista ido, em alguns momentos o pensamento, as ideias, as defesas e as convicções de Alessandro Vieira lembram as de Marcelo Déda no que havia de bom e íntegro em Marcelo Déda. Faltam-lhe o rompante e a emoção daquele ex-governador. Mas certamente a sua oratória dirá algo fundo a muita gente.

E é a partir dessas convicções e desse perfil que Alessandro Vieira está construindo a pré-candidatura de senador por Sergipe para este ano. A base do discurso dele será a da desconstrução de uma linha de políticos profissionais e tradicionais - não meramente pelo profissionalismo deles.

Mas por entender que a ação profissional desses políticos tornou-se ineficaz à vida das pessoas, das cidades e do Estado. Desgastou-se no tempo. Tornou-se ineficiente para resolver os problemas sociais do Brasil e de Sergipe, e passou a ser ela mesma, a ação deles, a geradora das maiores problemáticas coletivas. 

“Os políticos profissionais têm como maior preocupação a sua manutenção e a de seus apaniguados nos cargos eletivos ou comissionados. Neles, não existe preocupação real com a gestão ou com o interesse público, mas sim com as sucessivas eleições”, diz Alessandro.

“Operações como a Lava Jato deixaram claro como o envolvimento de grandes empresários, políticos profissionais e funcionários públicos comumente gera um sistema criminoso de ocupação do Estado. É preciso reconhecer com clareza que foi a política profissional que levou Sergipe e o Brasil à situação lastimável em que nos encontramos”, completa ele.

A visão que ele tem de Sergipe é identicamente dura, e sem concessões. “Sergipe sofre com uma absoluta carência de novas lideranças, ao mesmo tempo em que é evidente que essas pessoas que fazem política profissionalmente no Estado há mais de quatro décadas não apresentam capacidade técnica e vontade política de fazer as mudanças urgentes e necessárias para os sergipanos”, diz.

“Neste sentido, como a Rede vai apresentar alternativas concretas para essa renovação, acredito que a chance de sucesso no processo eleitoral é grande”, afirma. Aliás, Alessandro defende mudanças profundas, mas sem dar de braços com populismos. 

OBJETIVO DATADO DOS PROFISSIONAIS
“Os políticos profissionais têm como maior preocupação a sua manutenção e de seus apaniguados nos cargos eletivos ou comissionados”

338714457d085f52
É um bacharel em Direito e delegado da Polícia Civil em Sergipe há 16 anos
Internal image a92a57be09095c05
Ele tem 42 anos

JLPolítica - Qual é a real chance de o novo ter vez no processo sucessório de Sergipe em 2018?
AV -
Sergipe sofre com uma absoluta carência de novas lideranças, ao mesmo tempo em que é evidente que essas pessoas que fazem política profissionalmente no Estado há mais de quatro décadas não apresentam capacidade técnica e vontade política de fazer as mudanças urgentes e necessárias para os sergipanos. Neste sentido, como a Rede vai apresentar alternativas concretas para essa renovação, acredito que a chance de sucesso no processo eleitoral é grande.

JLPolítica – Mas no que a tradição, ou os chamados políticos profissionais, falharam?
AV -
Os políticos profissionais, como a própria denominação indica, têm como maior preocupação a sua manutenção e de seus apaniguados nos cargos eletivos ou comissionados. Neles, não existe preocupação real com a gestão ou com o interesse público, mas sim com as sucessivas eleições. Outra questão grave está no financiamento de campanha, onde os compromissos gerados, sempre de valores muito elevados, comprometem a tomada de decisão durante a gestão, com escolhas que nem sempre levam em consideração o interesse público. Operações como a Lava Jato deixaram claro como o envolvimento de grandes empresários, políticos profissionais e funcionários públicos comumente gera um sistema criminoso de ocupação do Estado. É preciso reconhecer com clareza que foi a política profissional que levou Sergipe e o Brasil à situação lastimável em que nos encontramos.

JLPolítica - A continuidade da política nas mãos dos profissionais traz embutidos que perigos ao avanço social?
AV -
A política profissional tem como interesse central a manutenção de cargos e esferas de poder. Não existe interesse real em avanços sociais, gestão qualificada da coisa pública e muito menos combate à corrupção.

SISTEMA CRIMINOSO DE OCUPAÇÃO DO ESTADO
“Operações como a Lava Jato deixaram claro como o envolvimento de grandes empresários, políticos profissionais e funcionários públicos comumente gera um sistema criminoso de ocupação do Estado”

D098b1d25e17a511
Diz não guardar mágoas do modo como foi retirado do posto de delegado geral da Polícia Civil

JLPolítica - Mas se constrói a perspectiva do novo apenas num processo eletivo? Não falta mais ação coletiva duradoura e do dia a dia?
AV -
Entendo que estamos construindo no Brasil um processo de tomada de consciência da gravidade da situação em que nos encontramos e dos motivos que nos levaram ao estado atual de degradação. Evidentemente que isso precisa ser reforçado com educação de qualidade e com o envolvimento de pessoas que tenham qualificação e independência para apresentar soluções efetivas e alternativas para os eleitores. É um processo relativamente longo, mas o processo eleitoral deste ano é um momento de inflexão. Uma oportunidade de ouro de mandar incompetentes notórios para casa e tirar o foro privilegiado de políticos profissionais que respondem a múltiplos processos criminais.

JLPolítica - O senhor identifica no seio da comunidade um traço real e suficiente no desejo de mudar, ou este desejo está apenas em pequenos grupos que buscam esta mudança, como o dos senhores do Rede?
AV -
O desejo de mudança é real e está espalhado em todas as classes sociais. O cidadão brasileiro médio tem hoje a consciência de que a falta de dinheiro para saúde, educação e segurança é consequência direta da incompetência e da corrupção que contaminam grande parte da classe política dominante. As pesquisas apontam que 80% ou mais dos eleitores não desejam votar nessas mesmas figuras que estão aí.

JLPolítica - O discurso dos governistas é o de que a situação ruim de Sergipe é uma consequência da situação trágica nacional, e que logo a culpa não pode recair sobre Jackson Barreto. O que pensam os integrantes do Rede?
AV -
É um discurso inconsistente, para dizer o mínimo. Temos diversos Estados, inclusive os vizinhos Alagoas e Bahia, que apresentam indicadores muito melhores que os sergipanos. A realidade dos fatos, que nenhum marketing milionário vai conseguir esconder, é que este grupo político atualmente liderado por Jackson Barreto, e que governa Sergipe há mais de um década, não demonstrou capacidade técnica ou vontade política para enfrentar os desafios da gestão. A única preocupação, como é notório para este tipo de político, é disputar e ganhar a próxima eleição, numa ciranda interminável. Enquanto isso, a população desamparada é que sofre as consequências.

OPORTUNIDADE DE OURO CONTRA INCOMPETENTES
“O processo eleitoral deste ano é uma oportunidade de ouro de mandar incompetentes notórios para casa e tirar o foro privilegiado de políticos profissionais que respondem a múltiplos processos”

F2ce761b3cd4991d
Ele é casado e tem 3 filhos

JLPolítica - Não lhe parece que, por algumas posturas, o Rede veio ao mundo político para ser só e somente um alternativo, sem chegar lá? Um desdobramento de PSOL, PSTU e afins?
AV -
Não. A Rede apresenta uma proposta nova, de uma política desvinculada do emaranhado de interesses da política profissional. Como é um partido novo, com mais de 85% de filiados que nunca tiveram militância partidária, é natural que essa proposta leve algum tempo para ser corretamente comunicada e compreendida. Acredito que no momento em que for vencida esta etapa da comunicação, vai ficar claro que o projeto da Rede é sólido e o único confiável para atravessar este momento tão difícil do Brasil.

JLPolítica - Mas o senhor acha que o Rede, especificamente o de Sergipe, tem um discurso que convence e arrasta multidões, ou só fala pra dentro e a “iluminados”?
AV -
O ingresso contínuo de novos quadros, com as mais diversas formações, contribui para qualificar e amplificar o discurso. Arrastar multidões, falando mentiras e fazendo falsas promessas, é fácil. Já vimos acontecer pelo Brasil afora, inclusive aqui em Sergipe. As consequências são graves e estamos sentindo na pele. A missão da Rede é apresentar um discurso coerente, verdadeiro e que aponte soluções para os problemas de Sergipe, oferecendo uma alternativa real para a mesmice que se reveza no comando do Estado. Tenho certeza de que esta missão será cumprida.

JLPolítica - Está confirmada a pré-candidatura do médico Émerson Ferreira ao Governo de Sergipe?
AV -
Sim. O partido indicou por unanimidade o Dr. Émerson como pré-candidato ao Governo. É um homem sério, de trajetória pessoal e profissional ilibada e que reúne as condições necessárias para comandar um projeto de renovação da política sergipana.

SALDO DA INCOMPETÊNCIA E DA CORRUPÇÃO
“Desejo de mudança é real e está espalhado em todas as classes. O cidadão médio tem a consciência de que a falta de dinheiro para saúde, educação e segurança é consequência da incompetência e da corrupção”

40e804b54154cf18
No rádio, respondeu as acusações de Mendonça de Prado, de uso político do cargo de delegado geral da Polícia Civil

JLPolítica - O senhor se dá por plenamente contente com a linguagem dele na busca por convencer o eleitor?
AV -
Entendo que a coisa mais importante para um homem público é ser verdadeiro e saber sobre o que está falando. E o Dr. Émerson reúne essas qualidades. Os ajustes para a dinâmica acelerada de comunicação em meio digital e no tempo reduzido da propaganda eleitoral podem ser feitos, mas sem mudar a essência do pré-candidato. A Rede vai trabalhar com verdade e realidade.

JLPolítica - O partido intenciona ter quantos candidatos proporcionais este ano?
AV -
Ainda é muito prematuro definir esse quantitativo. A etapa atual é de identificar possíveis pré-candidatos e ajudar na sua definição de estratégia política, levando em consideração ainda as possibilidades de alianças programáticas.

JLPolítica - O que lhe move a deixar de lado a disputa por um mandato de deputado estadual e enfrentar uma de senador?
AV -
Não ingressei na política partidária por vaidade ou por um projeto pessoal. Estou nesta luta buscando estimular a renovação do cenário político sergipano e brasileiro, e para isto estou à disposição do partido para colaborar da forma mais eficiente possível. Existe uma percepção clara de que as prováveis candidaturas para o Senado, conforme se indica no noticiário político local, estão muito longe de uma renovação política. Pelo contrário, trazem figuras notórias da política profissional sergipana, alguns envolvidos com processos criminais graves e outros marcados por gestões profundamente ineficientes. Sergipe merece uma oportunidade de renovação e vamos trabalhar para viabilizar isto da melhor forma.

O PAPEL DO PARTIDO REDE
“A missão da Rede é apresentar um discurso coerente e que aponte soluções para os problemas de Sergipe, oferecendo alternativa real à mesmice que se reveza no comando do Estado”

D326e517c63a5252
“Sergipe sofre com uma absoluta carência de novas lideranças", avalia

JLPolítica - O senhor não acha que, pelo Senado, dificultam as chances de sucesso eleitoral?
AV -
O grande objetivo é estimular uma grande onda de renovação política em Sergipe. Isso é urgente e indispensável para devolver aos sergipanos a sensação de respeito e dignidade. O sucesso eleitoral do projeto depende da nossa capacidade de comunicar bem essa mensagem e motivar a grande massa que está indignada com tantos escândalos a reagir e a dar a resposta nas urnas.

JLPolítica - O senhor não se acha carismaticamente muito fechado?
AV -
A minha imagem pública foi moldada na atividade policial, sempre tratando de assuntos graves, como homicídio, tráfico ou corrupção. Não dá para falar sobre isso com leveza e sorrisos. Seria um desrespeito com as vítimas e com o cidadão que pagam meu salário. Fora da atividade profissional, o trato é diferente, mais afetuoso e aberto. Tenho orgulho de manter amigos desde a infância nos colégios Arqui e Visão, e de ter uma família muito unida e feliz.

JLPolítica - Qual é o objetivo do RenovaBR e onde ele nasce no país?
AV -
O RenovaBR surge após a constatação da urgente necessidade de renovação política e do grau crescente de dificuldade para que ela ocorra, em razão das regras eleitorais que privilegiam a manutenção dos atuais ocupantes do poder. Um grupo de empresários, educadores e profissionais liberais de diversas áreas se reuniu em São Paulo para viabilizar um projeto que ajude a mudar este cenário. O grande objetivo é acelerar a qualificação de pessoas que tenham interesse em participar da política partidária, fazendo um processo robusto de avaliação de currículo e características pessoais para selecionar um grupo e oferecendo aulas de matérias essenciais para quem pretende colaborar efetivamente para a melhora da situação nacional. Tivemos acesso a profissionais renomados de áreas como economia, previdência, gestão pública, marketing e estratégia política, bem como interagimos com pessoas extraordinárias de todo o país. Está sendo um processo muito enriquecedor para minha trajetória pessoal e para uma eventual ocupação de mandato eletivo.

CANDIDATURAS SEM RENOVAÇÃO
“Existe uma percepção clara de que as prováveis candidaturas para o Senado estão muito longe de uma renovação política. Pelo contrário, trazem figuras notórias da política profissional”

756747a940c31f58
Como delegado, tem atuação marcante em áreas como proteção a minorias, combate à corrupção, lavagem de dinheiro e homicídios

JLPolítica - Quais foram os critérios para a escolha do seu nome e os demais três sergipanos para compor este movimento?
AV -
Mais de quatro mil pessoas de todo o Brasil se inscreveram e passaram por várias etapas de avaliação. A última delas, uma banca avaliadora presencial em São Paulo. De Sergipe foram aprovados, além do meu nome, os do Coronel Rocha, Milton Andrade e Saulo Vieira. A capacitação individual e o grau de independência certamente foram fatores importantes na seleção. Convido quem tiver interesse a acessar o site renovabr.org, para conhecer melhor o projeto e a qualidade das pessoas envolvidas. É muito interessante e será uma fonte de renovação verdadeira na política brasileira. Dos 100 participantes, temos cerca de 40 sem filiação e outros espalhados por vários partidos, com grande diversidade ideológica, que serão submetidos a uma carga horária similiar à de uma pós-graduação. Os únicos compromissos que os bolsistas assumem são os de ter uma conduta ética, cumprir a carga horária e apresentar nota mínima de 80% nas avaliações.

JLPolítica - O senhor guarda mágoas do modo como foi retirado do posto de delegado Geral da PC de Sergipe?
AV -
Não. Em uma democracia existe uma esfera de decisão que é reservada aos ocupantes de mandato eletivo, isto é natural. Aquela situação, do modo como ocorreu, apenas reforçou a minha convicção de que precisamos urgentemente de representantes eleitos mais qualificados e comprometidos exclusivamente com o interesse público. Estou trabalhando para que isto ocorra em Sergipe.

JLPolítica - Sua queda teria sido mesmo objeto de censura ao trabalho que o senhor vinha fazendo na Operação Babel?
AV -
Desde o momento da exoneração tenho recebido este tipo de questionamento. Continuo dizendo que quem pode responder com precisão é o governador Jackson Barreto. A decisão foi dele, em desacordo com a opinião técnica do então secretário João Batista. O que posso afirmar é que a independência da nossa atuação e a definição do combate à corrupção como um dos eixos prioritários da ação da Polícia Civil incomodou não só Jackson Barreto, mas a todo um agrupamento de políticos profissionais que se achava acima da atuação da Polícia ou do Ministério Público. Tenho como um princípio inegociável tratar o cidadão que comete crime da mesma forma, com o mesmo rigor, independente da sua condição financeira ou política. Polícia que é dura com o pobre da periferia e suave com o político rico é polícia covarde e injusta. Só vamos passar a limpo o Brasil e o nosso Estado quando os órgãos de controle trabalharem com independência e rigor em todos os casos.

IMAGEM PESSOAL E LEVEZA
A minha imagem pública foi moldada na atividade policial, sempre tratando de assuntos graves, como homicídio, tráfico ou corrupção. Não dá para falar sobre isso com leveza e sorrisos. Seria um desrespeito”

1c3905cdc249b437
"Fora da atividade profissional, o trato é diferente, mais afetuoso e aberto”, diz

JLPolítica - Como homem de segurança pública, como é que o senhor encara o crescimento do deputado federal e militar Jair Bolsonaro na disputa pela Presidência da República?
AV -
Até o momento, não conheço nenhuma proposta consistente do deputado Bolsonaro para a área da Segurança Pública. Ele está ocupando um espaço junto ao eleitorado que não aceita mais os políticos tradicionais e merece respeito, mas aguardo um maior detalhamento daquilo que ele pensa sobre os principais temas nacionais, inclusive o da segurança.

O PODER DO RENOVABR
“O RenovaBR surge após a constatação da urgente necessidade de renovação política e do grau crescente de dificuldade para que ela ocorra, em razão das regras eleitorais que privilegiam a manutenção dos ocupantes do poder”

6eaccac04473972a
É gaúcho de Passo Fundo, mas criado em Sergipe desde 1984