Interviewer 9c963a73b5519178

Entrevista

Jozailto Lima

Compartilhar
Cover image d40fce18b7d77437

Manoel Carneiro: “Quatro anos é muito pouco para quem deseja trabalhar pelo povo e realizar todos os objetivos que traçou”

“Nosso grupo refundou Várzea do Poço administrativamente, e quem faz isso não gera fadiga nas pessoas”
17 de março - 8h00

Vereador por dois mandatos - de 2009 a 2016 - e prefeito com direito à reeleição agora em 2020, o técnico em Contabilidade e em Magistério Manoel Carneiro, 48 anos, garante que está disposto a pedir permissão ao povo de Várzea do Poço, município na Chapada Diamantina Norte, na Bahia, para permanecer por mais quatro anos no mandato.

Mais do que disposto a pedir essa permissão, Manoel Carneiro está seguro e convencido - sem vaidades e nem arrogâncias - de que é um político credor de mais essa chance. Mas por que esta segurança? “Eu diria que nosso grupo refundou Várzea do Poço administrativamente”, responde Carneiro.

Carneiro é de uma linhagem política que comanda o município de Várzea do Poço há exatos 20 anos, numa ação iniciada pela eleição de Cezar Augusto Nunes de Oliveira, em 2000, um gestor que marcou a história do lugar com dois mandatos, seguido de mais dois outros de Paulo José Ferreira e de um do próprio Carneiro obtido em 2016 e iniciado em 2017, que já passa dos três anos.

Será que seis mandatos - como ele buscará agora em 2020 - de um mesmo grupo não gera fadiga no eleitorado do lugar? Carneiro acha que não. Ao contrário, ele insiste na tese de que essas gestões todas juntas, de fato, refundaram a cidade administrativamente. “E quem faz isso não gera fadiga nas pessoas”, sustenta Carneiro.

“De modo que vale salientar que, embora sejamos o mesmo grupo político, houve uma rotatividade de nomes na gestão - Cezar Nunes e Paulo José, cada um com oito anos, e eu estou no meu quarto ano. Ou seja, é sim, um mesmo grupo político, mas com uma diversidade de colaboradores e de gestores nos diversos setores e secretarias municipais. E posso garantir: isso tem feito bem a Várzea do Poço”, reforça o prefeito.

Nesta Entrevista que concede ao Portal JLPolítica, Manoel Carneiro faz um balanço muito positivo do que realizou por Várzea do Poço nestes quase 40 meses de gestão e diz porque estaria disposto a pedir a prorrogação do seu tempo de gestão. “Quatro anos é muito pouco para quem deseja trabalhar pelo povo e realizar todos os objetivos que traçou e que a cidade merece”, afirma ele.

“Por essa razão, e amparado na permissão legal e na manifestação do desejo popular que nos é favorável, com a permissão de Deus, estarei firme, mais experiente e bem preparado para cumprir um segundo mandato, se assim o povo consentir”, afirma, sempre ressaltando que é apenas um pré-candidato e que não está em campanha, por assim não permitir ainda a Justiça Eleitoral.

Se for reeleito, Manoel Carneiro será o 14º prefeito da Várzea, simbolizando apenas nove figuras públicas que administraram o lugar - isso porque nas 13 gestões houve a repetição de cinco nomes comandando duas vezes, como Juvenal Cerqueira Sampaio, Antonio Carneiro, Terêncio de Carvalho Lopes - estes voltaram em mandatos alternados - e Cezar Nunes e Paulo José Ferreira, que já se beneficiaram do instituto da reeleição inaugurada no Brasil em 1998 pelo presidente da República Fernando Henrique Cardoso.

Pela ordem dos anos das posses, e não pelos das eleições - só se tem eleição no Brasil em anos pares -, os prefeitos de Várzea do Poço foram Antonio Lopes Filho, 1963; Juvenal Cerqueira Sampaio, 1967; José Andrade, 1971; Ednaldo Lima, 1973; Juvenal Cerqueira Sampaio, 1977; Antonio Carneiro, 1983; Terêncio de Carvalho Lopes, 1989; Antonio Carneiro, 1993; Terêncio de Carvalho Lopes, 1997; Cezar Nunes, 2001 e 2005; Paulo José, 2009 e 2013, e Manoel Carneiro, de 2017 até hoje.

Manoel Carneiro Filho nasceu na própria Várzea do Poço no dia 4 de julho 1971. Como o próprio nome sinaliza, é filho de Manoel Carneiro Oliveira - embora não levasse o Oliveira consigo -, e de Argemira Lobo de Oliveira. Tem ensino médio completo e é casado com Emiliana Mendes de Almeida Carneiro, com quem tem três filhos - Álex Christian de Almeida Carneiro, 24 anos; David de Almeida Carneiro, de 18, e Yasmin de Almeida Carneiro, 17.

30e289f951441af0
Em entrevista durante a tradicional folia momesca
Internal image 478ac24863d9c5b5
Manoel Carneiro Filho nasceu na própria Varzea do Poço no dia 4 de julho de 1971

DAS OBRAS MAIS NECESSÁRIAS PARA A VÁRZEA
“Existem várias obras necessárias em nossa cidade. Porém, entendo que hoje duas são primordiais. A primeira: a obra de esgotamento sanitário. A segunda: a construção de um complexo educacional onde será implantado o novo Instituto Educacional São Francisco de Assis, mas para a execução dessa o município já dispõe do recurso em conta e terreno adquirido”

JLPolítica - O senhor faz que balanço dos três primeiros anos da sua gestão?
Manoel Carneiro -
Faço um bom balanço. Durante esses três anos, continuamos a política de valorização do funcionalismo público, pagando rigorosamente em dia, promovendo capacitações em diversas áreas. Mantivemos todas as ações desenvolvidas pelas Secretarias Municipais, continuamos o trabalho de estruturação do município com a realização de obras de pavimentação em diversas ruas, como as do Bairro Canto dos Pássaros. Implantamos o gramado sintético do Estádio Plácido Paulo de Oliveira, concluímos a Praça da Academia da Saúde e a pavimentação da Avenida Paulo Carneiro. Foi concluída a quadra poliesportiva coberta do Bairro do Alto Alegre, concluímos e entregamos aos usuários o mercado da feira livre e construímos aguadas de grande porte nas comunidades rurais, aumentando de forma significativa a nossa capacidade de armazenamento de recursos hídricos.

JLPolítica - Várzea do Poço conseguiu livrar-se, finalmente, da água salobra do Jacuípe no provimento às residências?
MC -
Sim. Conseguimos, junto ao Governo do Estado, a obra da Embasa, que trouxe água doce de Pedras Altas para o nosso município, o que gerou um grande impacto positivo na rotina das pessoas. Aumentamos a nossa frota de veículos de forma significativa, com a aquisição vários carros para melhor atendermos à população e ainda promovemos vários cursos profissionalizantes visando preparar a juventude para o mercado de trabalho.

JLPolítica - É possível fazer gestão pública sem se atentar para a necessidade de se apoiar bem os esportes?
MC -
Não é possível e, exatamente atendendo as expectativas dos nossos desportistas, desenvolvemos várias atividades nessa área, como a realização anual do Campeonato Municipal de Futebol e do Campeonato Rural de Futebol, valorizando as diversas comunidades rurais. Em parceria com os governos estadual e federal, implantamos o Programa de Esporte e Lazer da Cidade - PELC -, visando a promoção da prática de diversas modalidades esportivas envolvendo crianças, jovens e adultos.

4da80e4f2e0ba63e
Da esquerda para a direita, deputado estadual Bobô, Manoel, federal Daniel Almeida, Marivaldo Oliveira, gerente do escritório da Embasa da Várzea do Poço, Jackson Sampaio, vereador; Sodeval, vice-prefeito e Aleandro , com base em Lagoa da Roça

DO QUE FOI POSSÍVEL FAZER NESTES TRÊS ANOS
“Durante esses três anos, continuamos a política de valorização do funcionalismo público, pagando rigorosamente em dia, promovendo capacitações em diversas áreas. Mantivemos todas as ações desenvolvidas pelas Secretarias Municipais, continuamos o trabalho de estruturação do município”

JLPolítica - A sua gestão deu algum passo significativo na esfera da saúde pública?
MC -
Sim. Passamos a fazer parte do Consórcio Intermunicipal da Saúde, para acessarmos os benefícios da Policlínica Regional da Saúde do Governo do Estado, localizada em Jacobina, trazendo uma série de benefícios aos nossos munícipes. Mas não só na saúde. Na segurança pública, nosso governo tem ocupado lugar de destaque, com a atuação da Guarda Municipal e das Polícias Militar e Civil nas ruas, sendo que somos classificados como um dos municípios mais pacíficos e tranquilos para se morar a nível de território e Estado, quando em nosso entorno tem problemas gravíssimos em determinadas cidades. A nossa patrulha mecânica não para, promovendo a manutenção e o encascalhamento dos pontos críticos das nossas estradas e logradouros municipais. Por tudo isso, afirmo que, para um município que tem um Fundo de Participação Municipal na escala de 0.6, e possui uma das menores arrecadações do país - não chega a R$ 900 mil mensais -, a nossa gestão é por demais exitosa.

JLPolítica - Certamente o senhor considera a obra de melhoramento do Estádio Municipal Plácido Paulo de Oliveira a mais importante da sua gestão com o apoio do Governo do Estado. Mas por que não foram realizadas outras da mesma dimensão em outros setores?
MC -
Com certeza, a obra do melhoramento do Estádio Municipal Plácido Paulo de Oliveira é uma das que mais me enchem os olhos, pois sou um desportista nato e sei que pouquíssimas cidades do porte da nossa possuem um Estádio tão bem estruturado e qualificado como esse. Mas ressalto que outras obras foram realizadas, sim, e que também são de grande importância. E mais do que isso: informo que o município dispõe hoje de recursos em conta e com terreno comprado e projeto elaborado para a construção de um grande complexo educacional, o que significa a construção em outro espaço da cidade de um novo Instituto Educacional São Francisco de Assis - Iesfa -, que é uma escola histórica da cidade.

JLPolítica - Que configurações teria esse novo Iesfa?
MC -
Ah, ele será dotado de amplas salas de aula, pátio coberto, refeitórios, biblioteca, auditório, laboratórios, espaço para o lazer, jardins, quadra poliesportiva coberta, campo de futebol society, gramado e espaço para o alunado desenvolver a prática do cultivo de hortaliças. Aliás, gostaríamos de ter executado muitas outras obras, porém, devido à escassez de recursos financeiros, fizemos o que foi possível.

E56d2e2839a6897b
Carnaval de Várzea do Poço: uma tradição que vem desde os tempos de Campo Alegre e que faz bem à autoestima do povo e à economia do lugar

VÁRZEA, DOS MUNICÍPIOS MAIS PACÍFICOS E TRANQUILOS PARA SE MORAR
“Na segurança pública, nosso governo tem ocupado lugar de destaque, com a atuação da Guarda Municipal e das Polícias Militar e Civil nas ruas, sendo que somos classificados como um dos municípios mais pacíficos e tranquilos para se morar no Estado, quando em nosso entorno tem problemas gravíssimos em determinadas cidades”

JLPolítica - Com que tipo de ajuda institucional, em forma de emenda ao orçamento da União, por exemplo, a sua gestão contou até agora da parte do deputado federal Daniel Almeida, a quem o senhor apoia?
MC -
É óbvio que com a ascensão do atual gestor da esfera do Governo Federal, o nosso deputado federal Daniel Almeida, por ser de oposição, perdeu forças junto aos diversos Ministérios e organizações federais. Porém, mesmo com essas restrições, ele tem aportado recursos oriundos de suas emendas parlamentares para pavimentação de ruas, aquisição de ambulâncias - agora mesmo saiu uma ambulância -, veículo de médio porte para o TFD, recursos para o custeio da saúde e para a aquisição de aparelhos para as Unidades Básicas de Saúde e hospitalar.

JLPolítica - O senhor não teme um suposto cansaço dos eleitores da Várzea pelo fato de estar buscando um sexto mandato por um mesmo grupo político, depois de duas gestões de Cezar Nunes, duas de Paulo José e uma sua?
MC -
De forma nenhuma eu temeria isso. Mesmo porque o povo varzeapocense sabe muito bem a situação em que se encontrava o município até o ano de 2000, quando o nosso grupo político elegeu Cezar Nunes pela primeira vez.

JLPolítica - E como se encontrava a gestão da cidade ali?
MC -
O município encontrava-se num desmonte total, desestruturado e numa situação muito complicada de gestão. O funcionalismo público municipal com atrasos dos seus vencimentos de até oito meses. Várzea do Poço estava num descrédito total, interna e regionalmente falando. Um desastre. A partir do começo da sua primeira gestão, que acontece em 1º de janeiro de 2001, Cezar deu início ao resgate da moralidade e da autoestima do nosso povo em geral, pagando os salários dos funcionários rigorosamente em dia, respeitando os direitos constitucionais de todos, estruturando as Secretarias Municipais para descentralizar as ações da administração, dando uma nova cara à gestão e contemplando o município como um todo, levando obras de pavimentação a várias ruas e avenidas da sede da cidade e aos povoados.

Af6367db6b60d4a5
Estádio Municipal Plácido Paulo de Oliveira, todo reformado e com gramado sintético: obra que dá vazão à natural vocação de Várzea para o futebol

DA PARCERIA COM O DEPUTADO DANIEL ALMEIDA
“Daniel Almeida tem aportado recursos oriundos de suas emendas parlamentares para pavimentação de ruas, aquisição de ambulâncias - agora mesmo saiu uma -, veículo de médio porte para o TFD, recursos para o custeio da saúde e para a aquisição de aparelhos para as Unidades Básicas de Saúde e hospitalar”

JLPolítica - É verdade que antes da gestão de Cezar Nunes a cidade não dispunha de uma Secretaria de Educação?
MC -
Sim, é verdade. Cezar estruturou a Secretaria Municipal de Educação - veja que absurdo: não existia até então, adequando as escolas (estavam deterioradas e totalmente desaparelhadas para o devido funcionamento), e o transporte escolar era feito em carros a botijão, em carrocerias abertas. Foi formado e capacitado a partir dali o quadro de professores - em todo o corpo municipal existiam dois ou três com formação em nível superior e um grande número de leigos, mas hoje 100% têm formação em nível superior, fazendo cumprir o ano letivo de forma correta. Enfim, tornou a nossa educação uma das mais conceituadas da região e do Estado da Bahia. Aquela gestão implantou obras estruturantes, como a primeira creche infantil atendendo aos requisitos do MEC à época, a primeira quadra poliesportiva coberta, habitações populares, reabertura do hospital municipal e, como se viu, revolucionou a educação municipal. Eu diria que nosso grupo refundou Várzea do Poço administrativamente, e quem faz isso não gera fadiga nas pessoas.

JLPolítica - Mas esse modelo de gestão prevaleceu até hoje?
MC -
Sem dúvida. De lá para cá foi dada a continuidade a tudo isso, inclusive comigo, com o aperfeiçoamento de gestões participativas, envolvendo a sociedade varzeapocense na elaboração das peças orçamentárias através da realização de audiências públicas, como também na criação e composição dos diversos conselhos municipais. Na área da saúde, tivemos grandes avanços, como a estruturação da Secretaria Municipal, a implantação do Posto de Saúde do povoado de Barra Nova, a ampliação do Posto de Saúde de Itapoan - o Gato -, a construção de uma Unidade Básica de Saúde no povoado de Nova Esperança – Lagoa da Roça -, construção de duas unidades básicas na sede do município, a implantação de três equipes de saúde básica da família, a participação do nosso município no Consórcio da Saúde, como já me referi antes, para a manutenção da Policlínica Regional, a disponibilização do transporte de qualidade e Casa de Apoio na capital do Estado para as pessoas que necessitam de tratamento de saúde.

JLPolítica – Numa cidade em que grande parte da economia é de origem rural, dá para se fazer gestão sem se pensar em políticas públicas que incluam o produtor?
MC -
Não, não dá. E veja que a valorização do homem do campo iniciou-se ainda no primeiro governo de Cezar Nunes, com a criação da Casa do Agricultor, depois com a criação da Secretaria de Agricultura na primeira gestão de Paulo José, quando foram realizadas as construções de grandes aguadas, feitas limpezas constantes nas existentes, com a inclusão dos trabalhadores rurais no Seguro Safra, realização de vários cursos para melhor preparar os trabalhadores rurais. Em todas as áreas, são notórias as ações que beneficiam nossos cidadãos nos últimos 19 anos que cobrem o período da sua pergunta sobre um suposto cansaço político. De modo que vale salientar que, embora sejamos o mesmo grupo político, houve uma rotatividade de nomes na gestão - Cezar Nunes e Paulo José, cada um com oito anos, e eu estou no meu quarto ano. Ou seja, é sim, um mesmo grupo político, mas com uma diversidade de colaboradores e de gestores nos diversos setores e secretarias municipais. E posso garantir: isso tem feito bem a Várzea do Poço.

24d4284413f6fb9a
Tríplice aliança: ex-prefeitos Cezar Nunes e Paulo José, que detêm força e poder junto à comunidade, apoiam a pré-candidatura de Manoel Carneiro

SEM TEMOR DO CANSAÇO DO ELEITORADO
“De forma nenhuma eu temeria isso. Mesmo porque o povo varzeapocense sabe muito bem a situação em que se encontrava o município até 2000, quando o nosso grupo político elegeu Cezar Nunes pela primeira vez. O município encontrava-se num desmonte total”

JLPolítica - Que papéis o senhor espera que cumpram Cezar Nunes e Paulo José no processo sucessório municipal deste ano?
MC -
Conforme abordei na sua última pergunta, Cezar e Paulo são ex-gestores que deixaram um grande legado nas suas administrações, tanto no que diz respeito a obras estruturantes, grandes realizações e todas as atividades que deixaram a autoestima do nosso povo elevada. E como cidadãos, ambos ainda gozam de grande admiração e respeito da nossa população.

JLPolítica - Algum dos dois tem pretensões eleitorais para 2020?
MC -
Os dois afirmam que, por opção pessoal, não desejam mais disputar nenhum cargo eletivo - o Cezar chega a se irritar quando insistem nisso em relação a ele. Eu os compreendo. Mas tenho a certeza de que contarei com apoio e total empenho de ambos quando for autorizado momento certo de se fazer campanha. Hoje, em respeito à justiça eleitoral, ainda não falamos disso.

JLPolítica - Se o senhor for à reeleição, poderá manter a mesma chapa com Sodeval Ribeiro da Cunha como candidato a vice?
MC -
Olha, o futuro a Deus pertence. Mas deixo claro que sou um pré-candidato esperando em Deus e no povo da minha terra para lograr êxito nas próximas eleições. O que posso garantir é que Sodeval tem sido grande parceiro dessa nossa gestão. Ele é sempre atento a tudo e muito disposto a contribuir. O Sodeval é um cidadão de valor, que fez parte do principal grupo político que nos opõe no município e mudou nas eleições passadas, sendo abraçado e aprovado pelo nosso grupo político. Por tudo isso, não vejo razões para, na hora apropriada, pensarmos em outro nome para compor uma eventual futura chapa nossa. Mas necessito que se preste a atenção nessa “na hora apropriada”: não podemos fazer campanha fora de hora.

2d16b86b87d1c2d9
Açude do Barrada, poluído pelo esgoto da cidade. Carneiro busca recursos federais para rede de esgoto de Várzea que o livre da poluição

DO MESMO GRUPO, SIM, MAS COM RENOVAÇÃO INTERNA
“Embora sejamos o mesmo grupo político, houve uma rotatividade de nomes na gestão - Cezar Nunes e Paulo José, cada um com oito anos, e eu estou no meu terceiro ano. É sim, um mesmo grupo político, mas com uma diversidade de colaboradores e de gestores nos diversos setores e secretarias municipais. E posso garantir: isso tem feito bem a Várzea do Poço”

JLPolítica - Quais seriam os nomes que o senhor estima que viriam como pré-candidatos em sua oposição?
MC -
Infelizmente, não tenho como dar essa informação com precisão, até porque são cogitados diversos deles, porém não disponho de nenhum informe oficial acerca dos propósitos do lado de lá. Ademais, isso é economia interna lá deles, que a mim pouco interessa.

JLPolítica - E o que acha, politicamente, dos que são cogitados?
MC -
Acho que qualquer cidadão é digno de participar de uma eleição como candidato, desde que esteja filiado a uma agremiação partidária e cumpra todos os requisitos que a lei brasileira lhe exige.

JLPolítica - Separados, Marquinhos e Analiete Souza obtiveram 476 votos a mais do que o senhor em 2016 - foram 2.886 deles e 2.310 seus. Há temor de que eles se unam numa chapa única agora em 2020?
MC -
Não há temor algum de unidade nenhuma, porque sei que cada eleição é uma realidade diferente. Inclusive, entendo que num município com um número pequeno de eleitores, como é o nosso, em que os laços afetivos falam mais alto nesses momentos, as divisões e subdivisões proporcionando um número maior de candidatos é prejudicial a uma nossa chapa já que, como disse, por essas relações afetivas, corremos o risco de perder eleitores para outros candidatos. Mas afirmo que quem está disposto a disputar uma eleição não pode ficar se preocupando com o número de candidatos que serão os seus oponentes. E nem com quem serão eles.

 

68f30b44bf6fa759
Presença municipal na infraestrutura das estradas vicinais: terraplanagem constante

SEM PREOCUPAÇÃO COM OS CANDIDATOS DA OPOSIÇÃO
“Não tenho como dar essa informação com precisão, até porque são cogitados diversos deles, porém não disponho de nenhum informe oficial acerca dos propósitos do lado de lá. Ademais, isso é economia interna lá deles, que a mim pouco interessa”

JLPolítica - Como um município na escala do 0,6 no repasse do FPM, Várzea do Poço tem uma receita mensal de quanto?
MC -
A nossa receita mensal de FPM gira em torno de R$ 830 mil. É muito aquém das reais necessidades do município.

JLPolítica - O município está endividado?
MC -
Como a maioria esmagadora dos municípios brasileiros de pequeno e médio porte, a nossa realidade não é diferente. Temos muitas dificuldades para manter todos os serviços funcionando devidamente. Porém, temos mantido o pagamento do nosso funcionalismo em dia e empenhado grande esforço para cumprir os nossos compromissos com nossos demais credores.

JLPolítica - Quantos servidores o município tem, de quanto é a folha de pagamento mensal e a sua gestão consegue mantê-la em dia?
MC -
O nosso município possui, entre efetivos e cargos comissionados, 340 funcionários, incluindo aí o prefeito e o vice-prefeito, o que gera uma folha mensal de R$ 695 mil.

68300ba1c3e6ac4e
Unidade Básica de Saúde do povoado Nova Esperança-Lagoa da Roça: serviço bom à comunidade

DAS RECEITAS E DA FOLHA DE PAGAMENTO
“A nossa receita mensal de FPM gira em torno de R$ 830 mil. É muito aquém das reais necessidades do município. O nosso município possui, entre efetivos e cargos comissionados, 340 funcionários, incluindo aí o prefeito e o vice, o que gera uma folha mensal de R$ 695 mil”

JLPolítica – Sem terceirizados?
MC -
Não. Por isso informo que para prestar todos os serviços necessários, contamos com um número variado de contratos temporários. Como já citei antes, até aqui graças a Deus temos conseguido, com muito esforço e compromisso, manter os salários dos nossos funcionários rigorosamente em dia.

JLPolítica - Qual seria a obra mais importante que Várzea do Poço necessita e que nenhuma das 12 gestões da cidade conseguiu realizar nos seus 57 anos - de 1963 até agora?
MC -
Existem várias obras necessárias em nossa cidade. Porém, entendo que hoje duas são primordiais. A primeira: a obra de esgotamento sanitário, que inclusive já dispomos de um projeto pronto para ser executado, que promoverá o tratamento e aproveitamento das águas dos nossos esgotos, como também recuperaríamos a água do nosso Açude do Barrado, já que os esgotos deixariam ser jogados naquela aguada. Mas para a execução de uma obra desse porte os recursos financeiros teriam que ser viabilizados pela União ou pelo Estado - e olhe que nem são recursos exorbitantes. Tudo está orçado em menos de R$ 13 milhões. A segunda: a construção de um complexo educacional onde será implantado o novo Instituto Educacional São Francisco de Assis, já abordado por mim aqui nesta Entrevista - mas para a execução dessa obra o município já dispõe do recurso em conta bancária e terreno adquirido, aguardando apenas aprovação orçamentária pelo Legislativo para a realização dela.

JLPolítica - Para o senhor, cultural e economicamente falando, o que significa o carnaval para a autoestima do povo de Várzea Poço, e como foi especificamente o deste ano de 2020?
MC -
Significa algo muito importante. O nosso carnaval acontece, segundo relatos históricos, desde antes da emancipação do município, que se dá lá em 1962, precisamente em 30 de julho. Portanto, é uma tradição e é um momento oportuno para o reencontro e a confraternização daqueles que são daqui e que por diversas razões moram fora e aproveitam dos festejos carnavalescos para visitar os seus parentes e amigos. É também um período em que recebemos visitantes e turistas que ocupam os nossos hotéis e pousadas, alugam casas residenciais para passar os festejos, gerando renda para as pessoas, o comércio local e elevando, sim, a autoestima do nosso povo. Neste ano de 2020, realizamos os três dias de festa e tivemos um público recorde que, com certeza, deixou bons resultados para os barraqueiros e para todo o comércio local.

94c62842dbac0c8d
Praça Edvaldo Valois, a principal da cidade e que leva o nome do deputado estadual que a emancipou em julho de 1962, quando era o povoado de Campo Alegre, pertencente à Miguel Calmon

JLPolítica - Finalmente, o que leva o senhor a achar que merece, na hora certa, ser reconduzido para um novo mandato de prefeito por mais quatro anos?
MC -
Acredito nisso porque tenho a certeza de que fizemos tudo ou quase tudo o que foi possível fazer por Várzea do Poço, embora ache que há muito mais ainda a ser feito. Quatro anos é muito pouco para quem deseja trabalhar pelo povo e realizar todos os objetivos que traçou e que a cidade merece. Por essa razão, e amparado na permissão legal e na manifestação do desejo popular que nos é favorável, com a permissão de Deus, estarei firme, mais experiente e bem preparado para cumprir um segundo mandato, se assim o povo consentir.

C56edc58d3f0aa37
Prefeito Manoel Carneiro e vice Sodeval Ribeiro da Cunha entre os deputados federal Daniel Almeida e estadual Bobô: uma ambulância a mais para as demandas da cidade