Interviewer 9c963a73b5519178

Entrevista

Jozailto Lima

Compartilhar
Cover image d0ff975cc387ebda

Paulo Nunes, Ademi: “Chegamos ao fundo do poço e não temos mais alternativas”

“Algumas empresas correm o risco de fechar em definitivo”

Esta Entrevista com o empresário Paulo Nunes, presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário de Sergipe - Ademi-SE - é a de número 180 que o Portal JLPolítica publica aos domingos e que ficou conhecida como Entrevista Domingueira.

Mas, infelizmente, ela é tomada de empréstimo a um outro veículo de comunicação do Estado. Trata-se do Jornal Correio de Sergipe que, cordialmente, através da autora da própria Entrevista e editora geral do diário, jornalista Cláudia Lemos, fez a concessão.

E a Entrevista com Paulo Nunes está aqui hoje em caráter de republicação, e de um outro veículo, por absoluta falta de responsabilidade e de zelo da figura convidada pelo JLPolítica para ser a entrevistada deste domingo.

Desde o dia 5 de fevereiro de 2017, quando o JLPolítica inicia a série de Entrevistas Domingueiras elas são feitas ao vivo, com o titular cara a cara com seus personagens, gravando perguntas e respostas.

Mas, por causa desta pandemia, desde o começo de março tem feito por e-mail e a convidada da Entrevista 180 aceitou respondê-la deste modo. Ela recebeu na quinta, dia 23, 20 perguntas e desde a primeira hora alegou desconforto diante do “enooorme” tamanho da entrevista que geralmente passa de 25 perguntas.

Contornado isso, no comecinho da noite de sexta, 24, ela disse que tinha perguntas de teor muito histórico – e é uma historiadora - e que, peremptoriamente, limaria algumas. Ok: pactuado isso, às 20h16 chega um e-mail dela dando a Entrevista por respondida.

Mas às 8h53 de sábado, a convidada recebeu uma mensagem de zap informando-lhe que tinha mandado ao Portal um e-mail somente com as perguntas que lhe foram formuladas. De boa-fé, o Portal até quer achar que a senhora confundiu-se e não anexou a Entrevista respondida, gerando prejuízo de parte a parte.

E, a partir de então, como se não tivesse qualquer tratativa com um meio de comunicação que estava com um processo de entrevista em curso com ela, não atendeu a mais nenhuma chamada telefônica e nem respondeu a qualquer mensagem de zap.

Ah: e também não enviara nenhuma das fotos solicitadas no processo de produção da Entrevista. Um desrespeito supremo e sumário. Com um agravante incomum: a medalhona senhora é de uma família cercada de respeitáveis comunicadores por todos os lados.

O Portal JLPolítica tem absoluta responsabilidade pelo que provê a seus leitores e não poderia deixar aberta a lacuna na Domingueira deste 26, posto que ela é conteúdo fixo. O empresário e construtor Paulo Nunes está, há alguns meses, na lista de uma dezena de sergipanos que o JLPolítica quer converter em personagem da Entrevista Domingueira. Pelo que ele simboliza como líder de classe.

No último domingo, 19, o empresário Juliano Cesar Faria Souto, do Grupo Fasouto, mandou por zap o link da entrevista com Paulo Nunes ao Correio e, acostada, uma ponderação, como ele sempre faz como leitor deste Portal: “Paulo Nunes é excelente nome para a Entrevista”. “Sim, Juliano Cesar, creio que valha”, respondeu o mantenedor deste Portal. (Um adendo à senhora que seria a entrevistada desta semana: Juliano Cesar foi o entrevistado da Domingueira de 28 de junho e respondeu a Entrevista de casa, com a esposa internada num hospital com a Covid-19 e ele e o resto da família testados positivos).

De modo que, até por estar na lista de entrevistáveis, acolher Paulo nesta urgência não foi um problema. Foi uma solução – o Portal entende as reclamações dele. Daqui em diante, é tudo de autoria do Correio de Sergipe, em lead e entrevista feita por sua editora Cláudia Lemos, a quem o JLPolítica agradece. Boa leitura.

“O Correio de Sergipe entrevistou na última quinta-feira, 16, o empresário Paulo Nunes, presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário de Sergipe - Ademi-SE.  

Ele aponta para o momento de grande dificuldade que o setor da construção civil está passando em Sergipe em decorrência da decisão da 3ª Vara do Trabalho de Aracaju-SE que, em 5 de maio último, determinou a paralisação das atividades do segmento, com exceção daquelas obras em serviço público consideradas essenciais e inadiáveis e com o respectivo afastamento dos trabalhadores.

A decisão atendeu a pedido formulado em ação civil pública movida pelos Ministérios Públicos do Trabalho, Federal e Estadual. Dr. Paulo diz que, nesses mais de 60 dias de paralisação, o capital das empresas se exauriu e muitas podem não retornar às atividades.

959f9648b8831491
Segundo Paulo Nunes, um canteiro de obras é um espaço mais que seguro na luta contra o coronavírus
Internal image 1d44eb3f569d7cd9
Paulo Nunes: crise é avassaladora

SERGIPE NÃO PODERIA SOFRER DESCRIMINAÇÃO
Queremos ter o mesmo tratamento do restante do país. Importante mencionar que o canteiro de uma obra pública em nada se diferencia de um canteiro de obra privada, não havendo, a nosso ver, justificativa para se tratar a construção civil de forma distinta.

Correio de Sergipe - Como a Ademi avalia o fato de Sergipe ser o único Estado do país onde a construção civil está parada?
Paulo Nunes
- Com grande preocupação! Já ultrapassamos mais de 70 dias de paralisação, o cenário compromete a continuidade das atividades das construtoras, principalmente aquelas de médio e pequeno porte, que representam a maioria deste segmento econômico.

CS - O que o setor tem feito para tentar reverter a decisão da Justiça do Trabalho que impede a retomada das atividades?
Paulo
- Estou falando pela Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário de Sergipe - Ademi-SE -, a qual eu presido. A ação civil pública foi movida contra o Sinduscon, que representa a categoria patronal em negociações coletivas. Como existia decreto do Estado autorizando o funcionamento da Construção Civil, certamente fomos surpreendidos pela liminar que determinou a cessação de nossas atividades. O Sinduscon, Ademi, Asseop e o Estado de Sergipe manejaram diversos tipos de recurso, mas não obtivemos êxito. Em seguida, foram iniciadas tratativas para se buscar o retorno das atividades através de negociação de um acordo que, até o momento, não se mostrou bem-sucedido, uma vez que as condições impostas contrariam os decretos estaduais, e não atendem aos interesses da Construção Civil de Sergipe que pretende funcionar sem distinção do que acontece nos demais estados.

CS – Mas o que é mesmo que os senhores querem?
Paulo
- Queremos ter o mesmo tratamento do restante do país. Importante mencionar que o canteiro de uma obra pública em nada se diferencia de um canteiro de obra privada, não havendo, a nosso ver, justificativa para se tratar a construção civil de forma distinta.

CS – O argumento apresentado na ação movida pelos Ministérios Públicos do Trabalho, Federal e Estadual, que pediu a suspensão das atividades, foi o risco de contaminação. Em outros Estados, as atividades seguem com a adoção das medidas estabelecidas para o enfrentamento ao coronavírus. Em Sergipe o setor chegou a se preparar para proteger seus trabalhadores. Seria realmente arriscado

Paulo - Quando os primeiros casos da doença surgiram no Brasil, as empresas começaram a se preparar para adotar todas as medidas preventivas, tanto que em março todo o setor já operava de acordo com as condutas recomendadas pelas autoridades sanitárias. O procedimento adotado em Sergipe é o mesmo empregado pelas construtoras de todo o país. Estudos demonstram que o canteiro de obras possui um baixíssimo índice de contaminação (1,15%), e que dos infectados um índice ainda menor (0,02%) demanda dos serviços de saúde. 

CS - O trabalhador aí estaria protegido contra o coronavírus?
Paulo -
Considerando a baixa adesão da população ao isolamento social, situação prevista pela própria OMS em relação aos países em desenvolvimento, entendemos que o trabalhador estará mais protegido no canteiro de obras, além dos próprios benefícios sociais e psicológicos quando a pessoa se mantém produtiva. Na obra, ele está sendo controlado, e constantemente instruído sobre os cuidados necessários, além de receber todos os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) disponíveis, medição de temperatura, alimentação, distanciamento, sem falar que em qualquer anormalidade o operário é encaminhado ao serviço médico. 

76486dda68d0bb8e
Diretoria do biênio 2018/2019. Paulo era conselheiro

BOM PARA A ECONOMIA, BOM PARA O TRABALHADOR
“O ministro Paulo Guedes (Economia) colocou a atividade da construção civil como referência no combate à pandemia e na geração de emprego. Outra vantagem para o trabalhador é que o canteiro pode ser fiscalizado por diversos órgãos, além de ser mais fácil para o poder público fiscalizar 100 canteiros, do que 10.000 trabalhadores”

 CS - O Governo Federal tem que visão da atividade que o senhor representa?
Paulo -
O ministro Paulo Guedes (Economia) colocou a atividade da construção civil como referência no combate à pandemia e na geração de emprego. Cito ainda que uma pesquisa da Abrainc apontou que em todo o país são mais de 60 mil operários trabalhando nesse momento de pandemia, tendo sido registrado oito óbitos pela Covid (na data da realização da pesquisa), correspondente a 0,01%, um índice baixo comparado ao índice de mortalidade pela doença no país. Outra vantagem para o trabalhador é que o canteiro pode ser fiscalizado por diversos órgãos, além de ser mais fácil para o poder público fiscalizar 100 canteiros, do que 10.000 trabalhadores.

CS - Como acontece em outros segmentos, a paralisação trouxe um impacto grande para a construção civil. Exatamente de qual impacto estamos falando?
Paulo -
Bom, no Estado o setor emprega cerca de 10 mil pessoas (diretos) que hoje estão sem poder trabalhar. Sem falar na cadeia em volta disso tudo, tais como fornecedores de alimentação, caçambeiros, fornecedores de matéria prima… O fato é que as empresas não sabem mais o que fazer. Chegamos ao fundo do posso e não temos mais alternativas. 

CS - Como o senhor vê a pandemia a esta altura?
Paulo -
Entendemos que já estamos em outro momento da pandemia, sobretudo no que se refere à estrutura de assistência montada pela Secretaria de Saúde do Estado de Sergipe, e necessitamos retornar às atividades. Nosso capital foi exaurido ao longo desta paralisação, que já ultrapassa 60 dias. Algumas empresas correm o risco de fechar em definitivo. Há ainda o impacto social sobre aquelas pessoas que subsistem do ciclo de obras e foram alcançadas pela pandemia em um momento em que esperavam ser contratadas para uma próxima obra. São milhares nessa situação. Recebemos informação de que trabalhadores estão procurando o sindicato deles para relatar abalos psicológicos. Reconhecemos que o Ministério Público e a Justiça cumpriram seu papel com inegável zelo à saúde das pessoas, mas acreditamos que agora precisamos cuidar do outro lado do problema.

CS - O senhor avalia que as perdas serão recuperadas em breve espaço de tempo ou os reflexos ainda serão sentidos por um longo período?
Paulo
- Tudo vai depender de quando vamos retornar. Quanto antes retornarmos, mais cedo voltamos a produzir e a gerar empregos.

CS - Quantos postos de trabalho já foram perdidos no setor nesses quatro meses de paralisação das atividades?
Paulo
- O setor está tentando fazer o possível e o impossível para não demitir. Inicialmente foi preciso realizar dispensas e suspensão de contratos de trabalho. O fato é que cada empresa tem suas particularidades. Digo que hoje a capacidade esgotou. Não entendemos porque Sergipe tem que ser diferente do restante do Brasil. A grande maioria das empresas somente poderá se beneficiar dos acordos de suspensão e redução de jornada por no máximo mais 30 dias. Nesta segunda-feira, a MP 927 caduca e o setor empresarial ficará com menos recursos ainda para se defender desta crise. Realmente, muitas empresas ficarão sem saída, sobretudo aquelas que primeiros sentiram os impactos da pandemia.

8fb5993f6828bee4
Feirão Imobiliário de 2017: esforço de vendas de um setor que já não vivia os melhores dias

SETOR SÓ QUER PRODUZIR E PROTEGER
“A grande verdade é que não tem milagre. Estamos na expectativa de começar a produzir. Cada dia que passa, as empresas se descapitalizam mais. Todo esse procedimento de proteção ao trabalhador já vinha sendo feito pelo setor: distanciamento, medição de temperatura, diminuição da equipe para evitar aglomeração, intervalos em horários diferentes”

CS - O setor está preparado para a retomada das atividades a qualquer momento?
Paulo -
No momento da paralisação, já estávamos cumprindo todas as medidas determinadas pelas autoridades sanitárias. Quando retornamos, os cuidados serão mantidos ou aprimorados de acordo com as determinações do Estado. T odo esse procedimento de proteção ao trabalhador já vinha sendo feito pelo setor: distanciamento, medição de temperatura, diminuição da equipe para evitar aglomeração, intervalos em horários diferentes… Os próprios trabalhadores pedem para voltar, mas não podemos fazer nada.

CS - O que a indústria da construção tem feito para sobreviver nesse período?
Paulo -
A grande verdade é que não tem milagre. Estamos na expectativa de começar a produzir. Cada dia que passa, as empresas se descapitalizam mais.

CS - O segmento já teve algum tipo de ajuda do governo
Paulo -
Existem os programas do Governo Federal, como o que protegeu o trabalhador com a suspensão remunerada, que já está em sua reta final. Já o Governo do Estado ajuda na medida que reconhece a importância da atividade e permite o retorno por meio de decreto. 

 CS - Qual a mensagem o senhor quer passar?
Paulo -
Que entendemos e concordamos com as preocupações que motivaram o ajuizamento da ação, mas que já estamos em outro momento, o Sistema de Saúde foi fortalecido e, diante da grave dificuldade enfrentada por empresas e trabalhadores, e por saber hoje do baixo índice de contaminação observado na construção civil, precisamos voltar a seguir o decreto que autoriza o funcionamento permanente do setor. Nosso Sergipe precisa estar na mesma condição do resto do Brasil”.

8920d0a9efdb4315
Obras públicas: a Celi tocou em frente as atividades em Aracaju e fez bem à cidade