SESSÃO

Alese debate seca e Canal de Xingó

Deputados receberam o presidente da Associação de Engenheiros Agrônomos de Sergipe, Fernando Andrade

Por Assessoria Parlamentar
30 mar 2017, 13h10

Na manhã desta quinta-feira, 30, os parlamentares da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese) receberam no Grande Expediente da Sessão Parlamentar o presidente da Associação de Engenheiros Agrônomos de Sergipe, o engenheiro agrônomo, Fernando  Andrade. Na ocasião, presidente externou preocupação  sobre a gravidade da Seca  que assola o Estado de Sergipe, e ainda, sobre a Implantação do Canal Xingó. O convite para realização da exposição feita pelo presidente da Aease, partiu do deputado e vice-presidente da Assembleia Legislativa, Garibalde Mendonça, PMDB.

Exposição

Durante sua palestra, o engenheiro agrônomo fez uma explanação sobre origem, consequências e medidas mitigatórias sobre a a Seca. Também, sugeriu ações pontuais do Governo do Estado e listou algumas medidas preventivas.  Ressalta que a Seca é um fenômeno natural cíclico, ocorre de forma lenta e gradual, diferentemente das enchentes que são agressivas, mas os prazos são curtos. Um fenômeno que citou foi o da Desertificação, que é a passagem do solo com cobertura de vegetação em áreas áridas e semi-áridas. “Com a ausência das chuvas, a desertificação avança. 30 municípios do Estado estão sofrendo com os efeitos da Seca, que nem mesmo a palma e o umbuzeiro estão subsistindo aos agressões da seca”, ressalta Andrade.

Ações reativas e ações proativas

Segundo asseverou presidente da Aease, “Eu não vim aqui para apontar culpados. Vim para ressaltar verdades sobre ocorrências trazidas pela seca. Pois é necessário ações reativas e ações proativas para não ocorrer o que aconteceu há décadas, à época, quando há registro de morte de mais de 800 nordestinos por conta da falta de medidas mitigadoras sobre os efeitos da Seca. Não podemos voltar a essa situação”, salientou  Fernando Andrade.

Como consequência do exposto, o presidente citou algumas sugestões proativas para reação aos efeitos da Seca, a exemplo de Construção de Barragens; Perenização dos Rios, “para que se possam fazer ações sobre eles”; Produção de Forragens “liberação de áreas para atender aos produtores”; o Fortalecimento do Quadro Técnico da Emdagro e Cohidro e Entidades Ambientais “Concurso público, para atender as ações efetivas dessas entidades”; entre outras sugestões,  Perfurações de Poços: “Para melhor aproveitamento das águas subterrâneas”, pontua o presidente da Aease.

Canal Xingó

Conta que a AEASE está acompanhando e apoiando processo para a implantação do Canal Xingó. “Projeto dessa magnitude tem 20 anos e deveria estar na ordem do dia. Por isso estamos brigando para que projeto se materialize e sonho se realize. Amanhã teremos a formação do Fórum Permanente do Canal Xingó, na sede da Aease, a qual fórum tem o objetivo  de discutir as grandes questões da seca e as dificuldades do semi-árido”, frisou.

Apartes

“O senhor disse que não  apontaria culpados. Mas eu lhe afirmo que tem culpados sim, e que eles têm nomes e endereços. São os senadores de Brasília. Recursos federais são enviados pra Codevasf, 100 milhões, e esse órgão não tem ações diretas sobre a seca do nordeste. Conab Federal não liberou sequer licitações para envio de milho para o Nordeste. Falta força de vontade política,  estou cansado de tantas audiências e nada se resolve, a sensação é de impotência”, desabafou Jairo de Glória.

Foto: Jadilson Simões