Professores fazem ato em frente à casa do governador

Nesta segunda, os profissionais do Magistério do Estado anteciparam a mobilização prevista a quarta-feira, dia 15, em âmbito nacional

Por Jozailto Lima
13 mar 2017, 11h42

Os professores da rede estadual de Sergipe decidiram antecipar as reivindicações que desencadearam uma greve geral que se iniciará na próxima quarta-feira, dia 15 de março, em todo o País. Isso porque, nesta segunda, 13, eles realizaram um ato em frente à casa do governador do Estado, Jackson Barreto.

Segundo informações da Assessoria do Sintese, o sindicato da categoria, o protesto se deu em virtude do atraso no pagamento dos proventos e do não reajuste do piso salarial dos professores. Já a greve abrangerá temais mais complexos.

Segundo o Sintese, são eles: “a reforma da previdência orquestrada pelo governo de Michel Temer; a desestruturação da carreira do magistério promovida pelo governo Jackson Barreto; o desmonte da educação pública da rede estadual de ensino forçada pelo secretário de estado educação, Jorge Carvalho, e contra prefeitos e prefeitas que insistem em desrespeitar as leis e retirar direitos”.

Em âmbito nacional, a pauta que congrega a luta dos professores pede o fim ao golpe de Estado, a não aprovação da reforma previdenciária, o cumprimento da lei do piso salarial nacional e investimentos necessários e previstos no Plano Nacional de Educação – PNE.

Além da Greve Geral Nacional da Educação, os cenários em relação ao cumprimento do reajuste do piso salarial nacional do magistério nas redes municipais e estadual de ensino de Sergipe também foram pauta durante a assembleia dos professores.