Descaso com Saúde e Educação revoltam vereadores

Outra preocupação dos parlamentares diz respeito ao fato de secretários adjuntos estarem em cargos que não foram aprovados pelo Legislativo

Por Ascom da Câmara de Vereadores
05 maio 2017, 08h51
Durante sessão na Câmara Municipal de General Maynard nesta semana, os vereadores aprovaram por unanimidade (8 votos) um requerimento de autoria do parlamentar Givaldo Lídio dos Santos (PMDB), solicitando que o poder Executivo encaminhe à Casa Legislativa a lista de funcionários em função de adjuntos de secretários e também a folha dos servidores públicos.
É que correu pela cidade a informação de que tem secretários adjuntos cujos cargos não foram aprovados pelo Legislativo. Numa cidade pequena como General, os parlamentares entendem que é desnecessária a existência a contração de tais cargos, além de serem ilegais, já que não passaram pelo crivo da Câmara.
Outra preocupação dos vereadores é referente ao descaso da Administração com a Educação e com a Saúde. Na educação, até o diário escolar para acompanhamento da frequência dos alunos está em falta. Como também materiais de limpeza, deixando o ambiente escolar sujo e com mau cheiro.
Nesta quarta-feira, 3, uma moradora denunciou, através de uma rede social, que um paciente precisou tomar três injeções de 10ml de determinada medicação simplesmente porque o Posto de Saúde local não tinha seringa de 30ml conforme receitado pelo medido. Ainda na sessão, o vereador Manassés Goes (PC do B) registrou que o convênio com o hospital de Rosário do Catete precisa ser retomado o quanto antes.
“Hoje a população carente quando tem um problema de saúde precisa ir a Aracaju. Crianças estão tendo que ir ao Hospital João Alves, na capital, arriscando a vida nas estradas”, lamenta Manassés, que também fez essa reivindicação em entrevista concedida ao radialista Jota Pereira, na rádio FAN FM de Carmópolis. Quando questionado sobre o motivo desse convênio ter sido cortado, o vereador explicou que, segundo algumas informações, a atual Administração não está querendo contribuir financeiramente com a entidade.
Os vereadores Gilmar Francelino (Tó) e Givaldo Lídio lamentaram que além das dificuldades que a população tem enfrentado ao se deslocarem até a capital por questões de saúde, faltam remédios na Farmácia Básica. “Agravando a situação, a Educação também está sofrendo com esse descaso. A atual gestão limpou a cidade ao assumir o mandato, mas falta até mesmo merenda para os estudantes nas escolas. Já se passaram mais de 100 dias, tempo suficiente para o Executivo Municipal se organizar. Todas essas cobranças foram feitas diretamente ao vereador Carlos Alberto (Cora), líder da Situação, que tem acesso direto ao prefeito. Estamos aguardando um retorno positivo, pois o povo de General não pode esperar”, frisou Givaldo Lídio.
Segundo os parlamentares, até mesmo no povoado Pinga Fogo, onde reside o líder do prefeito, falta uma simples manutenção da iluminação pública, deixando moradores às escuras e à mercê dos marginais.