MUDANÇAS

Kaká pode deixar administração de Ednaldo da Farmácia

Ele pode renunciar ao posto de secretário-geral da Prefeitura

Por Adeval Marques - Propriá News
24 mar 2017, 11h03

O Secretário-Geral do Município de Canindé de São Francisco, Antônio Carlos Porto de Andrade (PSD), Kaká Andrade, pode deixar o governo de Ednaldo Vieira Barros (PP). 

Os crédulos dizem que a questão poderá ser de dias. Os céticos dizem quem não e que ele continuará até o final no projeto de gestão que ajudou a construir no ano de 2005 quando se deu a primeira vitória política do grupo composto pela família Andrade no Município de Canindé de São Francisco.

Visto como um homem competente, responsável e centrado, Kaká Andrade é uma espécie de volante de meio de campo. Com a sua chegada na gestão do então Prefeito Orlando Porto de Andrade, seu irmão Orlandinho, a Prefeitura Municipal passou por reformas administrativas que a colocaram no patamar de uma das prefeituras mais organizadas do Estado de Sergipe. Foi a administração mais organizada e que fez fluir todos os serviços prestados à municipalidade. Kaká Andrade adotou para a Prefeitura uma espécie de filosofia de empresa pública, ou seja, organizada e com regras a serem seguidas. Graças ao seu modo sério de trabalho não ganhou muito a simpatia pública, porém, agilizou para que o cidadão fosse o principal contemplado na gestão de Orlandinho concretizando assim prestação de serviços e trabalhando a imagem política do Prefeito por oito anos como Secretário Geral daquela gestão.

Com o falecimento de Orlandinho, Kaká Andrade é pego visivelmente abatido e sem ânimo. Quase não atende telefone. Não é visto em Canindé e nem na Prefeitura executando suas funções. Virou uma espécie “Wanted Kaká”. Passa por um momento de reflexão só seu imerso em lembranças. Há três anos perdeu a mãe e irmã. Agora se foi Orlandinho, irmão e melhor amigo que tinha. Conta agora com seu pai e mais três irmãos. Entretanto, centrado como é, sabe que as emoções precisam dar continuidade e a vida é uma “imensa estrada onde mão e contramão sempre se encontrarão na passagem.”. Além de sentimentos Kaká analisa situações atuais.

No que diz respeito à grande possibilidade de Kaká Andrade deixar o Governo estaria o fato dele não ter a liberdade total de execução na atual administração de Ednaldo. Ao contrário de Orlandinho o empresário Ednaldo tem se dedicado a entender o funcionamento da coisa pública e as questões complexas que é administrar uma Prefeitura. Para tanto, necessitaria ter conhecimento de todas as situações que foram deixadas no decorrer da passagem de Orlandinho e traçar o que virá, de acordo e agora com suas convicções e de modo próprio. Kaká continuaria, porém, sendo apenas o Secretário que receberia ordens e administraria sua pasta fazendo com que os serviços fluíssem. Não é o perfil de Kaká […].

O fato é que, a saída de Kaká Andrade já é esperada. O Estado seria a sua próxima morada em um órgão onde ele pudesse ter poder de articulação para seus projetos. Com Kaká Andrade “devem” também desembarcar mais quatro pessoas de cargos chaves nomeados na chegada de Orlandinho em janeiro de 2017. Caso sua saída não se concretize, deve-se aos “entendimentos” que por fim foram acordados entre as partes, Ednaldo Prefeito e Kaká Andrade, o Secretário.

Do ponto de vista de análise pelo site RSNews a saída de Kaká Andrade é uma grande perda. Não só Ednaldo como toda administração perderia um homem com grande experiência pública que já foi colocada a prova e provou competência e com ótimos resultados e que poderia revê erros nas gestões de Orlandinho que agora teriam a chance de serem corrigidos, além de que, Kaká Andrade transita em todas as esferas do Estado e conhece Brasília.

Deixando Canindé agora Kaká Andrade não será parte de um “possível” naufrágil, salvo se ficar. Se deixar a gestão poderá voltar bem melhor que agora. Se Ednaldo for inteligente como Prefeito, como é no campo de sua empresa, irá segurar Kaká e impedir um desastre em sua administração que precisa de sorte e capacidade em uma Canindé de São Francisco que é movida há 30 anos por esperança e mergulhada em solidão há bem mais tempo.

Nessa situação há de se perguntar: “Quem seria o substituto no mesmo quilate de Kaká Andrade?”.

 Foto: Divulgação