E AI?

Delação tem que ter provas. E se elas vierem?

O empresário não é santo, mas o que diz tem muita força

Por PODER 360
17 jun 2017, 19h20

empresário Joesley Batista, dono da JBS, posa de anjo na entrevista publicada pela revista Época: coloca-se como 1 coitado pressionado pela “organização criminosa” que diz ter como chefe o presidente da República.

A quadrilha a que se refere é a alta cúpula do governo, o chamado núcleo duro do Planalto: os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral), os ex-ministros Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e Henrique Eduardo Alves (Turismo) e o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha.

Geddel e Henrique Alves saíram após serem acusados de irregularidades. O ex-ministro do Turismo e Eduardo Cunha já estão presos. Moreira e Padilha continuam poderosos ao lado de Temer no Palácio do Planalto.

TURMA PERIGOSA

Na entrevista, Joesley tenta explicar-se:

“Essa turma é muito perigosa. Não pode brigar com eles. Nunca tive coragem de brigar com eles.” (…) “Para não armarem alguma coisa contra mim.” (…) “Virei refém de dois presidiários. Quando já estava claro que eles seriam presos, no ano passado. O Eduardo me pediu R$ 5 milhões. Disse que eu devia a ele. Não devia, mas como ia brigar com ele?”.

Quem circula pela política em Brasília sabe que o Congresso e a Esplanada dos Ministérios não são 1 paraíso repleto de santos e anjos. E que o chamado “núcleo duro” é duro mesmo!

JOGO COM DINHEIRO PÚBLICO

Mas também não são anjos os empresários e lobistas que circulam em torno dos políticos para pedir favores. Muitos, como o próprio Joesley, são corruptores ativos, num jogo de ganha-ganha com os políticos em que ora pressionam, ora são pressionados. Tudo à custa do dinheiro público.

A JBS, por exemplo, doou a políticos o equivalente a 18,5% do dinheiro que tomou emprestado do BNDES de 2005 a 2014, segundo reportagem do UOL(28.jan.2015). E não foram só para o PSDB de Aécio Neves e o PT de Lula e Dilma Rousseff. Apenas em 2014 –segundo o jornal Gazeta do Povo (18.mai.2017)– foram R$ 351,9 milhões em doações oficiais e registradas no TSE para 1.960 candidatos em todo o país.

Noves fora, agora o que importa é a entrevista e a delação premiada do empresário. O próprio repórter deixa claro que a conversa foi precedida de “semanas de intensa negociação”. Ou seja, o entrevistado apresentou suas condições.

ACUSAÇÕES FORTES

Apesar das ressalvas possíveis, o que veio à tona é importantíssimo para a opinião pública. São acusações pesadas contra o núcleo central do governo federal. E é isto que está deixando os políticos e Brasília em suspensão.

Ou Joesley terá que ter sua penas triplicada por contar tantas lorotas em delação premiada, ou tem provas capazes de derrubar o presidente da República e seus principais auxiliares. Aliás é este o princípio da delação premiada: tem que se comprovar.

Estamos às vésperas do pedido de abertura de processo contra Michel Temer pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O STF remeterá o pedido à Câmara e tudo segue, a partir daí, 1 rito semelhante ao do impeachment.

O Planalto diz ter votos para barrar a autorização pela Câmara. Mas e se aparecerem as provas? O PSDB vota com o governo? Quantos hoje governistas abandonarão o barco? Brasília já assistiu a outros governistas pularem fora durante os impedimentos de Dilma Rousseff e Fernando Collor de Mello.

O QUE DISSE JOESLEY

Além daquele encontro que gravou com o presidente da República no Palácio do Jaburu, Joesley cita várias outras irregularidades na entrevista. Agora é esperar as provas. Eis o que disse o empresário à revista (será que disse e provou mais na delação formal?):

  • ele tinha acesso direto a Temer desde quando era vice de Dilma, em 2010. Com visitas aos escritórios do peemedebista em São Paulo, além de encontros nas casas de ambos, incluindo o Palácio do Jaburu;
  • o político o “via como um empresário que poderia financiar as campanhas –e fazer esquemas que renderiam propina. (…) sempre que me chamava, eu sabia que ele ia me pedir alguma coisa ou ele queria alguma informação”;
  • “a pessoa a qual o Eduardo [Cunha] se referia como seu superior hierárquico sempre foi o Temer. Sempre falando em nome do Temer. Tudo que o Eduardo conseguia resolver sozinho, ele resolvia. Quando ficava difícil, levava para o Temer”;
  • “quando eu ia falar de esquema mais estrutural com Michel, ele sempre pedia para falar com o Eduardo. ‘Presidente, o negócio do Ministério da Agricultura, o negócio dos acertos…’ Ele dizia: ‘Joesley, essa parte financeira toca com o Eduardo e se acerta com o Eduardo”;
  • o então ministro Geddel Vieira Lima, o procurava para saber se ele estava “cuidando”de Eduado Cunha e do doleiro Lúcio Funaro, já presos. “De 15 em 15 dias, era uma agonia terrível. Sempre querendo saber se estava tudo certo, se ia ter delação, se eu estava cuidando dos dois. O presidente estava preocupado. Quem estava incumbido de manter Eduardo e Lúcio calmos era eu”;
  • quando vice-presidente, “pediu os R$ 300 mil para fazer campanha na internet antes do impeachment, preocupado com a imagem dele. Quando o Wagner [então ministro da Agricultura] saiu [em 2011, por denúncias], Temer pediu um dinheiro para ele [o Wagner] se manter. Também pediu para um tal de Milton Ortolon, que está lá na nossa colaboração. Um sujeito que é ligado a ele. Pediu para fazermos um mensalinho. Fizemos”;
  • “Eu preciso viajar, você tem um avião, me empresta aí”, teria dito Michel Temer quando pediu o jatinho da JBS emprestado;
  • o então vice-presidente teria pedido pessoalmente contribuição para a campanha de Gabriel Chalita a prefeito de São Paulo,em 2012, e em 2014 para o tal grupo que comanda o PMDB nacional;
  • “o PT mandou dar um dinheiro para os senadores do PMDB. Acho que R$ 35 milhões. O Temer e o Eduardo descobriram e deu uma briga danada. Pediram R$ 15 milhões, o Temer reclamou conosco. Demos o dinheiro. Foi aí que Temer voltou à Presidência do PMDB, da qual ele havia se ausentado. O Eduardo também participou ativamente disso”.