YoutubeFacebookTwitterInstagram
Pioneirismo
Por Ascom | 02 de Out de 2018, 16h34
Comportamento do mercado imobiliário em Aracaju será tema de estudo do BID
Escolha é reflexo da metodologia de avaliação em massa adotada na capital
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
0a88693c5d971555

Prefeitura de Aracaju é representada na oficina sobre valorização derivada de intervenções públicas”

Aracaju será uma das cidades brasileiras a receber, de forma pioneira, dois importantes projetos que buscam soluções inovadoras para a tributação, ambos criados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O anúncio foi feito em Brasília, durante a oficina “Modelos de simulação da valorização derivada de intervenções públicas”, evento realizado pela instituição financeira em parceria com a Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais (Abrasf).

Os trabalhos foram acompanhados pelo secretário municipal da Fazenda, Jeferson Passos, que também é diretor técnico da entidade municipalista, e pelo auditor fiscal da Prefeitura, João Prado. A escolha pela capital sergipana, segundo eles, é reflexo do resultado positivo da metodologia de avaliação em massa adotada em Aracaju. “Uma técnica já consagrada que, inclusive, tem sido replicada em outras administrações. Além disso, possuímos um cadastro georefenciado e relativamente atualizado, que foram fatores determinantes”, esclareceu João Prado.

Os projetos que serão desenvolvidos têm o intuito de estudar o comportamento do mercado imobiliário. O secretário da Fazenda detalha o funcionamento deles. “No primeiro, será implementado um piloto de um observatório territorial do solo urbano das capitais, uma estrutura administrativa e tecnológica que monitora a cidade por meio de imagens e estudos amostrais”, detalhou o gestor. A segunda proposta, de acordo com ele, é que se analisem as relações entre o mercado e as intervenções públicas.

“Como as obras públicas realizadas pela administração influenciam na valorização dos imóveis? Esta questão será analisada a partir do desenvolvimento das ações”, complementou Jeferson Passos. Após a consolidação dos projetos, previstos para iniciar em março do próximo ano, as metodologias serão disseminadas para os demais municípios. “São iniciativas inovadoras, pioneiras, e que terão grande suporte da tecnologia. Um canal relevante para a defesa da tributação patrimonial”, enfatiza o secretário da Fazenda.

A oficina foi um desdobramento de outro evento, o seminário “Soluções Digitais para a administração tributária subnacional”, realizado em abril deste ano, onde o BID e a Abrasf formaram um termo de cooperação técnica, e aconteceu no escritório do Banco Interamericano em Brasília, contando com a participação de secretários de Finanças/Fazenda, técnicos de diversas regiões do país e representantes da Argentina, da Colômbia e do México.