YoutubeFacebookTwitterInstagram
Pontos críticos
Por Ascom | 30 de Jul de 2019, 17h09
Edvaldo Nogueira diz que lutará pelos recursos para obra em Jabotiana
Área foi a mais afetada pelas chuvas que atingiram Aracaju
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
55e64323b0dd3e49

Edvaldo Nogueira: fazer o necessário para a solução definitiva para os alagamentos

O prefeito Edvaldo Nogueira afirmou, na manhã desta terça-feira, 30, em entrevista à rádio Fan FM, que não poupará esforços para realização das obras que colocarão fim aos alagamentos no bairro Jabotiana, em Aracaju. A localidade foi a mais afetada pelas fortes chuvas que atingiram o município no início deste mês.

Estudo contratado pela Prefeitura identificou sete pontos críticos no bairro que precisam passar por obras de drenagem e alargamento de canais, além da dragagem do rio Poxim - esta a principal medida para impedir novos transtornos na área em períodos chuvosos.

“Antes mesmo das chuvas mais recentes, a Prefeitura já havia contratado um estudo para avaliar as causas dos alagamentos em algumas áreas da cidade e apontar soluções. Dos nove pontos críticos identificados, sete estão no bairro Jabotiana. Apresentamos estas informações aos moradores com os quais nos reunimos na segunda-feira. Houve uma concordância da parte deles por entenderem que os locais mostrados pelo estudo são os que realmente carecem de ação. A partir de agora, os estudos prosseguirão, inclusive com a participação de uma comissão de moradores, faremos os projetos e, em dois meses, teremos uma previsão do orçamento das obras, para que possamos buscar os recursos. Vou trabalhar e lutar para conseguir estes recursos e iniciar estas obras”, afirmou o prefeito.

Em entrevista ao jornalista Narcizo Machado, Edvaldo Nogueira ressaltou que, pela complexidade das obras e pelo custo delas, a Prefeitura de Aracaju não tem condições de realizá-las sozinha. Por isso, avisou o prefeito, ele buscará o governador Belivaldo Chagas e o presidente Jair Bolsonaro, para que levantar os recursos necessários.

“Vamos procurar o Governo do Estado, o Governo Federal, avaliar linhas de crédito, empréstimo junto aos bancos, faremos o que for necessário para dar início à solução definitiva para os alagamentos”, reiterou Edvaldo, ressalvando que “o ponto mais importante é a dragagem do rio Poxim”, ação esta que precisa ser realizada não só no trecho do rio que passa na capital, mas também na área que pertence a São Cristóvão.

Para o prefeito, o projeto só sairá do papel se tiver o apoio da população. Neste sentido, ele considerou a reunião com as associações de moradores e grupos de defesa do bairro Jabotiana, na tarde da última segunda-feira, 29, quando foi apresentado o projeto, bastante positiva. “Estamos muito satisfeitos com o resultado desta primeira reunião e vamos continuar o trabalho. Fiz questão da participação da comunidade, pois ela conhece os problemas de perto, por isso as associações indicarão cinco moradores para integrarem o grupo que está analisando o projeto. A população precisa participar. É fundamental”, declarou.

Questionado sobre um suposto impedimento da participação de algumas lideranças na reunião, o prefeito refutou a informação e lamentou quem tenta tirar proveito político-eleitoral com a situação. “Não impedimos ninguém de participar, tanto que foi a própria comunidade e suas associações que decidiram os participantes. Na reunião havia 10 moradores, pessoas que representaram os conjuntos Santa Lúcia, Sol Nascente, JK, Largo da Aparecida e outras localidades do bairro. Inclusive os cinco membros da comissão que acompanharão o projeto serão decididos pelas próprias associações", disse.

"Quem mora na comunidade é quem vive o problema, portanto é quem deve participar. Não tive, nem tenho, nem quero ter qualquer ingerência nisso. Não é questão política. Quem quer fazer campanha com isso vá para outro lugar. Estamos discutindo questões de interesse da comunidade, não é politicagem. É questão de responsabilidade, não é tema eleitoral. Quem estava na nossa reunião é da comunidade e é quem quer dar as mãos à Prefeitura para encontrarmos uma solução”, reforçou Edvaldo Nogueira.