YoutubeFacebookTwitterInstagram
INFORMAÇÃO E ORIENTAÇÃO COVID-19
Por PMA | 05 de Ago de 2020, 13h24
Prefeitura de Aracaju garante rigor em todo o processo de limpeza e desinfecção do HCamp
Campanha de informação e orientação à população sobre a Covid-19
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
Ff130dd14597c105

HCamp: cuidado para evitar transmissão ou infecção pelo vírus causador da doença

O Hospital de Campanha - HCamp - Cleovansóstenes Pereira Aguiar é uma unidade destinada exclusivamente para tratamento de pacientes com covid-19, por isso, todo o cuidado para evitar transmissão ou infecção pelo vírus causador da doença é indispensável. Neste sentido, a Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal da Saúde - SMS -, trata a questão com extremo cuidado e rigor, tanto para assegurar a proteção dos profissionais quanto dos pacientes, até mesmo porque a unidade provisória também recebe usuários que ainda não têm diagnóstico confirmado para a doença. 

Essa atenção em detalhes na higienização do local é de dentro para fora. Cada ala, cada setor, interno e externo, é observado com a cautela demandada em um hospital com alto risco de transmissão da doença, justamente por tratar somente de casos de covid. Assim, nada passa despercebido e, para isso, existe o trabalho realizado por um empresa terceirizada, que faz a limpeza do espaço em si, e também a feita por meio de profissionais do HCamp e da Unidade de Pronto Atendimento - UPA - Fernando Franco (zona Sul), que cuida da desinfecção dos equipamentos. 

Quanto à esterilização dos equipamentos, o referência técnica em Enfermagem do HCamp, Gabriel Simões, explica que o processo é divido em dois. 

“Temos os equipamentos que são fixos da unidade, os biomas, monitores e bombas de infusão, por exemplo. Estes materiais são desinfetados pelos técnicos de enfermagem que utilizam com os pacientes. Então, a cada uso, uma limpeza cuidadosa é feita. Já os materiais como máscaras de Hudson, cateter nasal, circuito de traquéia usado nos ventiladores, entre outros, são encaminhados para o Fernando Franco, que conta com máquina para esterilização desses materiais”, detalha Gabriel. 

De acordo com o RT, antes de ir para a UPA, o material passa por uma triagem e retirada do excesso de sujidade. “Contamos, dentro de unidade, com um técnico específico para esse trabalho. É um profissional que não está ligado à assistência, ele fica à disposição para esse serviço. Depois da pré-higienização, esse mesmo técnico leva os materiais para o Fernando Franco e, assim que estão prontos, ele busca e, no HCamp, distribui nos setores”, afirma Gabriel Simões.

Todo esse processo ocorre diariamente e seguindo a demanda. “Depende muito da quantidade de procedimentos que realizamos, mas o processo é diário e feito em turnos. Cobramos que esses materiais sejam entregues o mais rápido possível porque são essenciais. Com essa higienização, a segurança é mutua, não só para o paciente, mas também para os profissionais, já que são materiais que os profissionais manejam. Como, além dos confirmados tratamos os casos suspeitos, e esses equipamentos também são direcionados para a ala amarela – suspeitos -, então, é fundamental para a segurança dos pacientes e tratamos com total rigor, tanto que muitos desses casos suspeitos saem do hospital e não testam positivo”, salienta. 

LIMPEZA DO ESPAÇO

A limpeza adequada no ambiente hospitalar é essencial para evitar que o vírus se espalhe e acabe prejudicando a todos os que estiverem em contato com o local. Por isso, ela exige cuidados específicos, que são realizados por uma empresa especializada, contrata pela Prefeitura.

Essa limpeza, contudo, segue os parâmetros do Ministério da Saúde e da Associação Brasileira do Mercado Limpeza Profissional (Abralimp). Assim, os cuidados são redobrados e constantes, a exemplo da limpeza de superfícies, como maçanetas e macas. Dessa forma, os profissionais responsáveis fazem um mapeamento com base na quantidade de alas abertas e de funcionários que trabalham no HCamp. Cada ambiente e material é limpo de acordo com as suas necessidades específicas.

Atualmente, o HCamp recebe 32 profissionais para essas tarefas. São 28 agentes de limpeza e quatro encarregados, divididos em quatro turnos, dois diurnos e dois noturnos. A equipe de limpeza utiliza todos os equipamentos de Proteção Individual - EPIs - necessários para evitar o contato direto com os vírus.

Foto: André Moreira