YoutubeFacebookTwitterInstagram
COMPENSAÇÃO
Por Ascom PMA | 05 de Set de 2017, 12h03
Saúde busca acordo com sindicatos por dias parados
O encontro, realizado na manhã desta segunda-feira, 4, buscou a pactuação de um acordo para que os servidores que estavam em greve
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
527761823be2243e

A secretária deixou claro que a gestão está sensível a essa questão e não quer prejudicar os trabalhadores

A secretária municipal da Saúde, Waneska Barboza, reforçando o compromisso de manter aberto o canal de negociação com todas as categorias de profissionais, convocou mais uma reunião com dirigentes do Sindicato dos Enfermeiros do Estado de Sergipe (Seese), Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde e de Endemias (Sacema) e Sindicato dos Trabalhadores da Área da Saúde (Sintasa). O encontro, realizado na manhã desta segunda-feira, 4, buscou a pactuação de um acordo para que os servidores que estavam em greve até a semana passada recebam os salário do mês de agosto, uma vez que o corte do ponto, recomendado pela Procuradoria Geral do Município, ocasionou a suspensão do pagamento.

A secretária deixou claro que a gestão está sensível a essa questão e não quer prejudicar os trabalhadores, mas lembrou que a população também não pode ser penalizada. De forma direta e objetiva, Waneska Barboza, entregou aos presentes uma proposta com metas a serem cumpridas por cada categoria. "O que nós estamos propondo não é nada absurdo e nem difícil de ser executado. O que a gente quer é compensar a população pela desassistência provocada durante o período da greve dos profissionais, possibilitando que os usuários tenham acesso aos serviços que deixaram de ser ofertados por mais de 50 dias”.

A proposta prevê, por exemplo, que enfermeiros e técnicos de enfermagem realizem  quatro visitas domiciliares a mais por mês até dezembro para suprir a demanda na Rede de Atenção Primária. Já para os profissionais dessas duas categorias que trabalham na Rede de Urgência e Emergência, a sugestão é de um plantão adicional de seis horas/mês até o final do ano.  No caso dos agentes comunitários de saúde e de endemias  o número de visitas seria de 8 a mais por mês.  "É um acordo bastante flexível,  o que demonstra que a gestão não tem intenção de prejudicar nenhum servidor”, enfatizou a secretária.

O assessor jurídico da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), João Vítor Burgos, ressaltou que a gestão não quer de forma alguma um embate judicial. “O corte do ponto dos grevistas foi recomendado pela Procuradoria com base em um entendimento do Supremo Tribunal Federal. Estamos aqui buscando um acordo entre as partes para evitar que a questão seja judicializada”.

A proposta apresentada durante a reunião desta manhã vai ser levada pelos representantes dos sindicatos aos demais profissionais das categorias. Caso ela seja aprovada até a próxima quarta-feira, 6, a administração municipal assumiu o compromisso de realizar o pagamento dos salários de agosto até sexta-feira, 8, por meio de uma folha suplementar.