YoutubeFacebookTwitterInstagram
ARACAJU
Por Ascom | 17 de Nov de 2017, 19h28
Vereador pede CPI para apurar repasses a hospitais filantrópicos
“É uma questão de calamidade, e quem sofre é a população", justifica Isac
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
1f73b86edde881d5

Vereador Isac

Foi durante uma entrevista, ao radialista Márcio Andrei do Programa Aperipê News, que o vereador Isac Silveira (PCdoB) informou que pedirá à casa, na próxima terça-feira, que seja instalada uma CPI - Comissão Parlamentar de Inquérito, para apurar o repasse de verbas por parte do poder público municipal e estadual a hospitais filantrópicos da capital. 

Há mais de uma semana, meios de comunicação da capital, divulgaram, mais uma vez, que o Hospital de Cirurgia havia suspendido os atendimentos aos pacientes do SUS, por falta de repasse da prefeitura. Segundo a administração do hospital, a dívida ultrapassava milhões de reais, por falta de repasses do ano passado e deste ano. Por esta falta de repasse, servidores não estavam sendo pagos, e estavam paralisando as atividades. Outras duas unidades de saúde também alegaram tais dívidas, também de milhões de reais, e anunciaram que as portas também poderiam fechar caso faltasse insumo para realizar atendimento a população. 

“É uma questão de calamidade, e quem sofre é a população. Eu acredito que o MistérioPúbico também já deva estar apurando. Vidas podem ser perdidas, como já está acontecendo, com a briga entre a direção do Hospital de Cirurgia, Governo do Estado e a Prefeitura. Ninguém tá vendo que o número de óbitos aumentou?”, indagou Isac Silveira. 

Durante entrevistas às emissoras de comunicação do estado, o diretor administrativo e financeiro do Hospital de Cirurgia informou que o perfil dos pacientes que precisam do hospital é grave, e que necessitam de cirurgias de alta complexidade que não pode esperar. Segundo ele uma lista com mais de seiscentos pacientes internados, ou não, aguardam por um procedimento cirúrgico. E que um boletim de ocorrência assistencial foi feito na polícia. 

“Precisamos parar para avaliar esta situação do convênio entre o Cirurgia, a Prefeitura e a União. Porque a prefeitura alega que o cirurgia antes de executar o serviço já recebe a parcela da união? São tantos questionamentos, tantas dificuldades, que a gente vai ter que se debruçar no assunto, pedir assessoria para a Câmara, fazer auditoria nas contas, ver quais são as partes que não estão cumprindo. Por enquanto, o que sabemos é que as vidas clamam por saúde, e não podemos ficar de braços cruzados. Esse B.O que o diretor fez por si só já é elemento para abrir uma CPI”, relatou o parlamentar.