YoutubeFacebookTwitterInstagram
INVESTIGAÇÃO
Por Portal Infonet | 12 de Jun de 2018, 10h55
Depoimento do Cirurgia não satisfaz vereadores da CPI
Vereadores disseram que não foram apresentados dados concretos
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
24654a599706eda9

Audiência foi nesta segunda, dia 10

Os vereadores que compõem a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde ficaram insatisfeitos com as informações apresentadas pelos diretores do Hospital de Cirurgia, Milton Santana e Milton Eduardo, durante depoimento na tarde desta segunda-feira, 11, na Câmara Municipal de Aracaju.

“Os diretores não trouxeram nada de concreto para nos apresentar. Eles serão convocados outras vezes para que nos tragam dados e até planilhas. Queremos que mostrem no telão os valores recebidos e gastos. Fizemos essas perguntas, mas infelizmente, eles não têm dados nenhum. Literalmente falando, eles vieram encher linguiça, mas quem estava presente viu que eles não tiveram respostas pertinentes”, comenta o vereador Seu Marcos, presidente da CPI.

O vereador Anderson de Tuca criticou o fato de o antigo diretor do Hospital de Cirurgia, Gilberto Santos, fazer parte da nova gestão. “A gente quer fazer os questionamentos ao dr. Gilberto e saber qual a função que ele ainda ocupa no hospital. Já que existe outra gestão, não tem sentido que ele faça parte. Ele é perpétuo? É permanente? Tudo na vida tem um ciclo, com início e fim, mas não observei isso em relação à atuação de dr. Gilberto no Cirurgia”, destaca.

Outra informação que causou polêmica é o fato de o Cirurgia possuir contrato com uma empresa de propriedade da esposa de Milton Santana. “A família tem uma empresa terceirizada que tem contratação com o hospital. A esposa de dr. Milton é dona de uma empresa que trabalha com o Cirurgia e existe há 21 anos. Então, é como se Milton comprasse e pagasse a si mesmo”, revela o vereador Isac Silveira.

O diretor-presidente do Cirurgia se defendeu dos comentários dos vereadores e alegou que os dados já haviam sido enviados à CPI e que as informações fornecidas na reunião são reais e verdadeiras. “Os dados que eles se referem, em números, foram todos enviados à CPI por meio de documentos”, explica Milton Santana. 

Milton disse também que a empresa de sua esposa atua há 21 anos, prestando serviços ao Cirurgia como todas as outras. Seria até uma injustiça demitiu uma empresa que presta serviços há 21 anos só porque eu cheguei na direção”, opina.

Ainda de acordo com Milton, a atuação de Gilberto Santos está ligada ao Conselho do Hospital de Cirurgia. “Ele já é conselheiro há muito tempo e é tesoureiro da instituição, além disso, ele é médico do hospital”, explica.

A 5ª reunião ordinária marcou o início da segunda fase da CPI da Saúde, que foi prorrogada por mais 90 dias. Nos próximos dias, a CPI pretende convocar o ex-diretor do Cirurgia, Gilberto Santos, o ex-secretário municipal de Saúde, André Sotero, e a atual secretária municipal de Saúde, Waneska Barbosa.