YoutubeFacebookTwitterInstagram
ARACAJU
Por Ascom | 03 de Dez de 2017, 10h50
Guarda Municipal dá aulas de autodefesa gratuita para mulheres
projeto começou em junho deste ano
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
52963b2fe1e6152d

Já praticante de judô, a GM Abilene decidiu aprender também o jiu-jitsu

O jiu-jitsu é uma arte marcial japonesa criada há mais de três mil anos. Seu nome quer dizer "arte suave" e a modalidade usa o corpo como alavanca para derrubar ou neutralizar o oponente sem golpes traumáticos. E é através desta arte que mulheres de todas as idades estão aprendendo autodefesa. Trata-se de um projeto desenvolvido pela Guarda Municipal de Aracaju que dá aulas de jiu-jitsu gratuitamente na sede da Ronda da Capital (Rondac) no conjunto Médici. Através da iniciativa, várias mulheres estão sendo beneficiadas e aprendendo a se defender em possíveis momentos de perigo. 

O projeto começou em junho deste ano e atende homens e mulheres, porém, o foco é proporcionar a elas formas de se defender em situações de risco. As aulas acontecem quatro vezes por semana, de terça a sexta-feira, sempre a partir das 8h, e têm uma hora e meia de duração.

A psicóloga Lívia Santos, de 40 anos, é moradora do conjunto Leite Neto e frequenta as aulas desde o início do projeto. Ela conta que só obteve benefícios. "Toda mulher precisa de uma defesa, e como sou muito pequena, magrinha, sempre tem alguém que quer abusar disso. O jiu-jitsu vem desenvolvendo um equilíbrio. Uma força que vem de dentro de mim, me mostrando que eu consigo, independente do tamanho da pessoa, eu consigo reverter a situação", declara.

O GM Paulo Campos, faixa roxa no jiu-jistsu, é instrutor das aulas. Ele conta que existe uma resistência das mulheres em praticar o esporte, mas que vem sendo vencida com o tempo. "A arte marcial no contexto feminino é muito importante para desenvolver a autodefesa. Elas vêm aqui não para aprender um esporte violento e sim para se defender da violência. Muitas dizem que o jiu-jitsu é coisa pra homem, mas as mulheres conquistaram o espaço delas no esporte e hoje se destacam em várias modalidades", ressalta. 

Com kimonos e faixas de iniciantes, por dia, em média cinco alunas participam das aulas. Umas dessas aprendizes é Rosicleide Oliveira. A dona de casa de 38 anos é moradora do conjunto Médici e já praticava o jiu-jitsu no interior da Bahia, onde morava anteriormente. Ela ficou sabendo dos treinos através de carros de som que divulgavam no conjunto. 

"Fui até o supermercado e vi que eles estavam aqui treinando. Me aproximei e perguntei como era. Paulo me atendeu super bem. Conheci o projeto e gostei", conta. Ela já está treinando há mais de três meses e faz de tudo para não perder uma aula. "Eu amo o jiu-jitsu. Me sinto mais segura, além de ser uma atividade física. Ele realmente é pra defesa,  ninguém vá pensando que vai sair pra brigar e sim para saber se defender", conclui. 

Além de moradores da redondeza, o projeto também está aberto para os guardiões da Guarda Municipal de Aracaju que desejem aprender a modalidade. Foi isso que fez a GM Abilene Suylania dos Santos. Já praticante de judô, ela decidiu aprender também o jiu-jitsu por causa da autodefesa que a modalidade proporciona. "Hoje em dia a violência está muito grande e o jiu-jitsu é uma defesa pessoal. Além de você cuidar do seu corpo, pois está fazendo uma atividade física que vai lhe fazer bem e trazer saúde, também pode lhe ajudar em algum momento de sufoco que você possa passar na rua ou na sua casa, porque através das técnicas, você pode se sair daquele momento", destaca.

O que a ajudou na decisão de praticar o esporte foi o fato de mais mulheres estarem envolvidas. "Comecei a praticar judô no Centro de Treinamento da Guarda, mas não fazia jiu-jitsu porque era muito homem e eu ficava constrangida. Foi quando surgiu essa ideia do jiu-jitsu feminino. Sei que aqui não limita apenas para mulheres, mas o foco somos nós, então o treino é mulher com mulher", afirma Abilene.

O instrutor Paulo faz um convite às mulheres que ainda não conhecem o projeto e a modalidade esportiva. "Aqui é uma forma de esquecer um pouco do mundo lá fora, relaxar a mente, fazer novas amizades e aprender novos conhecimentos que você pode levar pra vida toda".

O projeto social GMA Jiu-Jitsu é coordenado pelo GM Anderson Clay da Hora e é aberto a qualquer pessoa acima dos 14 anos de idade. Os interessados devem ir até a sede da Rondac, que fica na rua Deputado Matos Teles, nº 337, conjunto Médici II, realizar um cadastro e será encaminhado para uma avaliação médica. Após ser liberado, o novo aluno poderá frequentar as aulas normalmente.