YoutubeFacebookTwitterInstagram
SOCIAL
Por Ascom | 13 de Novembro de 2017, 10h17
O outro lado da Guarda Municipal de Aracaju
Projetos sociais aproximam corporação da sociedade
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
32095840ea93e767

Karla Galvão ressalta a importância dos projeto

Todos os dias, homens e mulheres saem às ruas da cidade com o objetivo de proteger o patrimônio público, os direitos humanos fundamentais e o exercício da cidadania. Mas o que muita gente não sabe é que, por trás da farda e do armamento, a Guarda Municipal de Aracaju, ligada à Secretaria Municipal da Defesa Social e Cidadania (Semdec), desenvolve vários projetos sociais. Crianças, adolescentes e mulheres em situação de vulnerabilidade são apenas alguns dos públicos que são beneficiados com os programas que aproximam cada vez mais a corporação dos cidadãos aracajuanos.

Um desses projetos é o Programa Anjos Azuis. Criado em 2013, ele é a junção dos projetos Anjos Azuis e Guarda Cidadão e atua com crianças e adolescentes. A coordenadora do programa, Sabrina Smith, diz que a iniciativa veio a partir de uma sensibilidade dos agentes. "Nós vimos um pouco de carência de noções de cidadania entre as crianças e adolescentes da comunidade escolar, que muitas vezes não é passada pelos pais ou responsáveis e a escola não tem o tempo hábil no currículo para passar. A partir daí, decidimos criar este projeto".

O carro chefe do programa é o teatro de fantoches. A partir da dramatização lúdica, os guardas abordam temas como prevenção e uso de drogas, bullying, comportamento, trânsito, entre outros. No início, o projeto era realizando somente nas escolas de Aracaju, hoje, se expandiu e o Anjos Azuis leva sua mensagem também às escolas do interior e casas lares e abrigos. E o único critério para isso é apenas receberem o convite. O programa foi incluído no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), o que facilita a realização dos trabalhos nas instituições que acolhem crianças e adolescentes.

"Quando você olha o resultado, vê o sorriso das crianças, você vê que valeu a pena. Hoje quando chegamos à escola, as crianças já nos olham com carinho porque sabem que ali é um amigo que elas podem contar", afirma Sabrina.

Projeto Social GMA Jiu-Jitsu

A violência contra as mulheres ainda é um grave problema a ser enfrentado pela sociedade e, além de todas as políticas públicas criadas nos últimos anos com o objetivo de protegê-las, a autodefesa é uma alternativa a mais para trazer segurança e prevenção.

 Pensando dessa forma, a Guarda Municipal de Aracaju criou este ano o projeto social GMA Jiu-Jitsu. As aulas acontecem quatro vezes por semana, de terça a sexta-feira, a partir das 8h, organizada e realizada na sede da Ronda da Capital (Rondac) no conjunto Médici, e tem o foco na defesa pessoal para mulheres.

Por dia, em média, cinco alunas participam das aulas e, além de aprender uma modalidade esportiva e praticar uma atividade física, ainda aprendem a se defender. Tudo é gratuito. "É muito importante a arte marcial no contexto feminino por causa da autodefesa. Elas não vêm aqui aprender um esporte violento e sim aprender a se defender de qualquer situação de perigo que possam passar. É bastante produtivo", afirma Paulo Campos, instrutor do projeto.

A idade mínima para participar é 14 anos e as aulas estão abertas tanto para mulheres como para homens, embora o foco seja a autodefesa delas. Faixa roxa no jiu-jitsu, o instrutor Paulo explica que não esperava que o projeto fosse crescer tanto. "Eu comecei desacreditado, achei que não fosse durar tanto tempo, mas estou me surpreendendo. Aqui elas conseguem relaxar a mente, esquecer o mundo lá fora, fazer novas amizades e adquirir novos conhecimentos", finaliza Paulo.

Patrulha Maria da Penha

O trabalho de prevenção contra a violência doméstica é um dos pilares da Guarda Municipal de Aracaju. Está em fase de implantação a Patrulha Maria da Penha, instituída pela lei 4.880 aprovada em 8 de maio de 2017 pela Câmara Municipal de Aracaju. Prevista para estar nas ruas no primeiro semestre de 2018, serão capacitados, inicialmente, 60 guardas e duas viaturas ficarão à disposição da patrulha. 

O objetivo é atender mulheres vítimas de violência doméstica ou familiar que já possuem a medida protetiva, que já passaram pelo crivo do judiciário e das delegacias especializadas, mas mesmo assim ainda não se sentem seguras. As equipes farão visitas semanalmente ou quinzenalmente às residências das mulheres assistidas. 

"Vai ter uma escala de prioridade de atendimento emitida pelo Poder Judiciário. A viatura irá até a residência para saber se o agressor continua perseguindo, e daí será elaborado um relatório que será encaminhado para o Tribunal de Justiça para que tome as providências cabíveis, que vai de uma prisão preventiva à tornozeleira eletrônica", explica a GM Karla Galvão, uma das coordenadoras do projeto. 

As mulheres acompanhadas também poderão entrar em contato com a patrulha a qualquer momento pelo número 153. O intuito não é apenas o de prender o agressor em flagrante, mas também fazer com que a vítima da violência tenha acesso a toda a rede de assistência, como o CRAS, o Creas e o atendimento psicossocial da Prefeitura.

The Street Store

Outra ação realizada pela GMA foi voltada para pessoas que vivem em situação de rua no Centro da cidade. Em pleno inverno e sob muita chuva, a Guarda Municipal promoveu a The Street Storie (A Loja de Rua, em tradução literal). Se inspirando em edições que acontecem em todo o mundo, a GM realizou uma campanha em suas redes sociais pedindo doações. "A principio seriam apenas cobertores, só que as pessoas estavam trazendo tudo. Trouxeram chinelos, sapato, roupas. Saiu do cobertor e foi pra todo vestuário. Separamos e dobramos tudo que tinha condições de ser usado e então decidimos montar a loja", explica Sabrina Smith, que também foi uma das organizadoras da ação, juntamente com a Assessoria de Comunicação.

Foram 1.000 peças de roupas, agasalhos e sapatos doados e cerca de 200 pessoas em situação de rua foram beneficiadas com a ação. As doações continuam chegando e quando houver uma boa quantidade de peças a serem doadas, acontecerá a segunda edição do The Street Store.

Incentivo à doação de medula óssea

Em apenas sete horas, mais de 80 pessoas cadastradas para serem doadores de medula óssea. Esse foi o resultado alcançado pro uma campanha realizada pela Assessoria de Comunicação da Guarda Municipal a partir da solidariedade da corporação com um ex-companheiro. Ex-guarda municipal e atualmente cabo da Polícia Militar de Sergipe, Rômulo Santos Oliveira foi diagnosticado com leucemia linfóide e precisou da doação de plaquetas. "Em vez de deixar apenas como uma campanha interna, decidimos levar este incentivo para toda a população e a adesão foi um sucesso.  Mesmo que ninguém seja compatível com ele, como fica um cadastro de reserva, qualquer pessoa no Brasil pode ser beneficiada", explica Sabrina Smith.

Os projetos

Todos os projetos desenvolvidos pela Guarda Municipal são feitos de forma voluntária pelos guardiões e nenhum deles recebe a mais por isso. As ideias nascem na sala de projetos, que fica na sede da instituição, no Parque da Sementeira, e os coordenadores de cada ação são escolhidos de acordo com afinidades. "Nós vamos encaminhando, pensando numa coisa e vendo quem poderia ajudar naquilo. E geralmente essas pessoas desenvolvem a ideia melhor do que a gente imaginava. Nós aproveitamos os talentos que temos na corporação", conta a GM Sabrina Smith.

O trabalho social desenvolvido contribui para a aproximação entre a corporação e a população, que passa a enxergar os guardiões com outros olhos. "Não só cuidamos dos bens públicos, mas também da vida. As pessoas conseguem enxergar que o GM é um amigo da população. Isso acontece  justamente por esses  projetos que a gente desenvolve", afirma Sabrina.

A GM Karla Galvão também acredita que os projetos desenvolvidos pela Guarda Municipal contribuem para um novo olhar da sociedade sobre a instituição. "A Guarda hoje é conhecida na sociedade por esse trabalho social, pelo trabalho de prevenção, por estar acompanhando de perto as necessidades da sociedade, implantando projetos que trabalham diretamente com a comunidade. Claro, temos o trabalho ostensivo por que somos uma instituição fardada e armada, mas temos como prioridade esse trabalho cidadão", garante.