YoutubeFacebookTwitterInstagram
OPINIÃO
Por Opinião | 23 de Out de 2017, 13h51
A luz que leva ao sonho, à persistência e à transformação
[*] Maise Rocha
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
40d490e98de7337c

Maise Rocha: "Talvez essa tropa de artilheira não tenha se dado conta do resultado dessa coragem"

Em um país com quase 13 milhões de analfabetos, qualquer um que ouse ascender à luz para ofuscar esse número merece, no mínimo, respeito e reconhecimento.  

Mas sabemos, desde as aulas de física, que no espaço entre a escuridão e a lucidez há uma jornada muito distante e sombria.
 
Percurso que três empresários sergipanos não tiveram medo de percorrer e, muito menos, de se perder no caminho. 

A confiança entusiástica de Honorino Júnior, Carlos Eloy e Jamysson Machado talvez tenha sido motivada por um único objetivo: chegar ao botão capaz de encurtar caminhos, de transformar vidas, de levar ao saber, à imaginação, ao desconhecido, ao brilho capaz de converter contrastes sociais. Ao livro.
 
Neste final de semana, o grupo realizou, mais uma vez, a Bienal do Livro de Itabaiana, que trouxe consigo um pouco de esperança para uma população nacional onde o índice de leitura beira 45%, segundo pesquisa do Instituto Pró-Livro, realizada no ano passado.
 
Talvez essa tropa de artilheira não tenha se dado conta do resultado dessa coragem. Dos olhinhos curiosos para cada capa. Do arrebatamento do autor ao ver o fruto ganhar caminho. 

Talvez parte da população presente no Shopping Peixoto, durante a abertura da IV Bienal, também não tenha percebido, por estar atenta à tela do celular, a façanha desses meninos. 

Não tenha dado conta da emoção de Amorosa. Das palavras de Uchôa. Do pedido de um aventureiro destemido: “Não deixem a Bienal morrer”.
 
Com a Bienal, os “meninos de Itabaiana” mostraram – parafraseando o jornalista Marcelo Canellas – que nenhuma dificuldade é suficientemente grande, nenhuma estrada é ameaçadora, nenhum sonho é impossível, nenhuma luz é tão distante quando se quer agir. Parabéns, vocês merecem.  
 
[*] É jornalista e cobriu os eventos da IV Bienal do Livro, realizada entre os dias 20 e 22 deste mês, em Itabaiana.