YoutubeFacebookTwitterInstagram
NA BRONCA
Por FAN FM | 12 de Jan de 2018, 12h17
"É inoperante e incompetente”, diz Amorim sobre Governo de Jackson
Senador não abre mão de espaços majoritários nas eleições deste ano
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
8ae327c99a42dde9

Eduardo: Governo de Jackson é do apadrinhamento

O senador Eduardo Amorim (PSDB-SE) disse em entrevista a Narcizo Machado, Fan FM Aracaju, que o momento é de conversas e que o prazo para definir acordos e alianças políticas para as eleições deste ano é quando terminarem os diálogos.

Esta semana, disse o senador durante entrevista veiculada no Jornal da Fan 1ª Edição na manhã desta sexta-feira, 12, “estivemos conversando com Valadares Filho (deputado federal pelo PSB-SE) e com o senador Valadares (PSB-SE), André Moura (deputado federal e líder do governo federal na Congresso) e diversos outros”.

O senador destacou que não abre mão de espaços majoritários e que tem como primeira opção uma candidatura ao Governo do Estado. Por outro lado, Amorim disse que não irá entrar em confrontos com André Moura (PSC), a quem teceu vários elogios no decorrer da entrevista. “Eu não serei concorrente direto de André. Somos aliados de longas datas e, se ele quiser ir para o Senado, eu sigo para a disputa do governo, disse Amorim.

O tucano disse que é possível que o diálogo, “se houver consenso”, ressaltou, termine antes do dia 31 deste mês de janeiro e revelou que é bom que isso aconteça logo. “Não há porque postergar esse anúncio. Quanto mais cedo melhor”, falou.

Má gestão – O senador aproveitou o espaço no Jornal da Fan para atacar a administração do governador Jackson Barreto (MDB-SE). “Esse é o governo que não fez o dever de casa. É o governo do apadrinhamento. É inoperante e incompetente”, disse no decorrer da entrevista.

Sobre o “apadrinhamento”, o senador falou que no governo Jackson Barreto, cada secretaria tem um dono. Ao ser questionado pelo repórter Narcizo Machado e por Magna Santana, que está na condução do programa, sobre quais secretarias seriam essas e quem seriam seus respectivos donos, o senador desconversou e não respondeu.

Com relação à incompetência do governo, Amorim citou o hospital do câncer, anunciado há sete anos e que ainda  não saiu do papel, atrasos no pagamento do servidor e pedidos de empréstimos à União. “O sergipano vai pagar caro por esses empréstimos”, estimou.

A entrevista com o senador Amorim foi ao vivo e transmitida direta da sede do PSDB, na rua Frei Paulo, no bairro Suissa, em Aracaju(SE).