YoutubeFacebookTwitterInstagram
Política & Negócios
Por Ascom | 15 de Jun de 2019, 10h43
Entidades empresariais se reúnem com SPU para definir parcerias
Entre os assuntos debatidos está a Feira de Sergipe
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
Ecae1ce11e5981df

Representantes empresariais busca ações conjuntas com a SPU

A convite da Superintendência Estadual do Patrimônio da União em Sergipe - SPU/SE -, o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Sergipe - Acese - e do Conselho Deliberativo do Sebrae, Marco Aurélio Pinheiro,  reuniu-se com a superintendente Estadual do Patrimônio da União, Jovanka Carvalho, na  quinta-feira, 13. Também presentes ao encontro Maurício Vasconcelos, vice-presidente da Acese, Brenno Barreto, presidente da CDL-Aracaju, e Paulo do Eirado, superintendente do Sebrae-SE.

Segundo o presidente da Acese, Marco Pinheiro, a reunião foi um primeiro passo para uma parceria duradoura. “O diálogo entre as entidades do setor produtivo e o poder público é a forma mais eficaz de se estabelecer uma política pública que tenha um retorno para a sociedade. Ficamos muito felizes com a receptividade na SPU e já com alguns encaminhamentos para os próximos encontros”, afirmou Pinheiro.

Para Maurício Vasconcelos, a aproximação entre a SPU e as entidades do setor produtivo é extremamente importante. “Nós tivemos a oportunidade de entender o quanto esse órgão pode impactar na economia do nosso Estado, além de poder discutir idéias que poderão dar resultados positivos para nossa economia”, explicou.

Entre os assuntos debatidos na reunião está a possibilidade de uma parceria para a realização da Feira de Sergipe. Segundo o superintendente do Sebrae em Sergipe, Paulo do Eirado, a reunião pode definir uma parceria com a SPU. “Foi uma reunião extremamente positiva pois houve um diálogo muito convergente entre a SPU e as entidades empresariais a fim de chegarmos a uma solução para a sessão do espaço da Orla de Aracaju”, explicou Eirado, explicando a importância da feira para os pequenos artesãos - a feira é, atualmente, subsidiada pela autarquia.

“Nós queremos a SPU como parceiro realizador da Feira de Sergipe, juntamente com Sebrae, apresentando o serviço prestado pelo órgão”, complementou Eirado.

Para Pinheiro, o  Estado é o maior beneficiado com esse diálogo. “A Feira de Sergipe é boa para o microempresário, para a economia do Estado, para o turismo, para a cultura. Todos ganham com esse diálogo”, comemorou.