YoutubeFacebookTwitterInstagram
APOSTA
Por Ascom | 01 de Nov de 2017, 12h04
Fábio Reis garante que Sergipe não perderá empréstimo da Caixa
“Não acredito que André fará qualquer tipo de ingerência", diz
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
Bf36f5c9d7fc9e2d

Deputado Fábio Reis

Mesmo com especulações que estão sendo veiculadas na imprensa sobre uma possível intervenção da oposição para que o Governo de Sergipe não consiga o empréstimo da Caixa no valor de R$ 580 milhões, aprovado pela Assembleia Legislativa, o deputado federal Fábio Reis (PMDB) afirmou que não acredita nessa possibilidade. Há, inclusive, quem diga que por trás dessa articulação estaria o líder do Governo no Congresso Nacional, deputado federal André Moura (PSC). 

“Não acredito que André fará qualquer tipo de ingerência. Mesmo que algo ocorra nesse sentido, levarei pessoalmente o governador Jackson Barreto até o presidente Michel Temer. Serei o avalista político desse empréstimo e vou assegurar ao presidente todas as garantias para que não haja nenhum obstáculo à liberação dos recursos, avisou Fábio Reis. 

O parlamentar também não acredita na hipótese de uma intervenção política, porque o banco trata esse tipo de negócio de forma técnica. “A Caixa não lida politicamente com questões administrativas”, assegura. Além disso, na avaliação de Fábio Reis, o Estado tem capacidade de endividamento e o direito de adquirir o financiamento, com a aprovação do poder Legislativo. 

Ele aponta outro fator para que o empréstimo não seja barrado, a importância dos investimentos para a infraestrutura rodoviária de Sergipe. “Há anos nossas rodovias estão deterioradas e chegaram a um estado de estrangulamento.  Precisamos de uma nova malha viária para o melhor escoamento da nossa produção agrícola e de diversos outros produtos que compõem a economia de Sergipe. Esses recursos são mais que essenciais”, frisa Fábio Reis. 

Espero que não seja preciso ir até o presidente Temer. “Já conversei com o líder do partido na Câmara, deputado Baleia Rossi, com o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy e com o presidente da Caixa Gilberto Occhi, que negaram qualquer tipo de intervenção”, relatou o deputado peemedebista.