YoutubeFacebookTwitterInstagram
Opinião
Por | 22 de Nov de 2019, 16h04
Fanatismo, fé, paixão?
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
Eae304939a5e9eff

[*] Bertulino Menezes

Aqui pelo Nordeste, nos acostumamos a torcer para os times do Rio. Em Aracaju, não é diferente, cada um de nós, é lógico, tem sua camisa preferida. Mas não adianta,  paixão mesmo é só uma, e nossas mulheres vão entender, sejam elas mães, namoradas, esposas ou complicações... Elas também têm uma só paixão, que atende pelo nome de Flamengo!! 

Hoje, acordei com a sensação de alegria!!  Quis dividir meu sentimento e liguei pra um amigo. Não queria agredi-lo, sei que ele ainda sofre com sua teimosia e torce para alguma outra agremiação.  Ele ficou mau humorado quando pedi que vestisse a camisa rubro-negra. Afinal, amanhã, seremos campeões da Libertadores.

Ele disse um monte de impropérios - tipo recalcado, invejoso, depressivo, mal resolvido, frustrado – e desligou. Acho que estava fazendo autoanálise. Deixa pra lá. 

Sei que o País vai parar nesse sábado. Seremos 200 milhões vivendo um momento de glória, alegria, prazer. O Flamengo, amanhã, será Brasil... Não haverá discussão política ou violência, e o mau humor está proibido desde hoje. O comércio está feliz, as praias com o sorriso largo, e ai pergunto: há alguém que não esteja orgulhoso? Que não vá ao delírio? Com todo respeito às demais torcidas. 

Lembrei-me de Nelson Rodrigues. Certa vez, ele escreveu algo parecido com o que vou reproduzir, e eu leio quase toda manhã quando termino minhas orações:   “Poucas instituições serão tão abrangentemente nacionais quanto o Flamengo - a Igreja Católica, sem dúvida, é uma delas, e, talvez o jogo do bicho. E olha que o Flamengo não promete a vida eterna e nem o enriquecimento fácil. Ao contrário, às vezes mata de enfarte e, quase sempre, só dá despesa. Mas uma coisa ele tem em comum com a religião e o bicho: a Fé!

Por onde vai, o Rubro-Negro arrasta multidões fanatizadas. Há quem morra com o seu nome gravado no coração, a ponta de canivete. O Flamengo tornou-se uma força da natureza e, repito, no Flamengo venta, chove, troveja, relampeja. Cada brasileiro, vivo ou morto já foi Flamengo por um instante ou por um dia”. Seja um, a partir de agora!

[*] É jornalista, empresário e já foi vereador de Aracaju.