YoutubeFacebookTwitterInstagram
ESTÂNCIA
Por SES-SE | 17 de Nov de 2017, 19h11
Governo busca alternativas para o Hospital Amparo de Maria
Reunião foi coordenada por Belivaldo Chagas
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
902d4bac6c376ceb

Reunião em busca de soluções

No final da tarde desta terça-feira, 14, na sala de reuniões da Casa Civil, no Palácio dos Despachos, uma reunião coordenada pelo vice-governador do Estado de Sergipe e secretário chefe da Casa Civil, Belivaldo Chagas, tratou da situação do Hospital Amparo de Maria (Hram), localizado no município de Estância, mantido sob intervenção judicial. Na reunião, o secretário de Estado da Saúde, Almeida Lima, bem como o superintendente do hospital, José Magno, o prefeito de Estância, Gilson Andrade, e outros participantes discutiram e avaliaram as responsabilidades de cada ator envolvido, especialmente, no que diz respeito aos repasses financeiros destinados à unidade.

Segundo o vice-governador, foi estabelecido que, de forma unificada, serão almejadas soluções para os problemas relacionados ao Hram. “Não podemos conviver com a intervenção do hospital sem mantermos uma relação estreita, com diálogos realizados unicamente com objetivo de atender melhor a população da região. Vamos continuar conversando em busca de soluções para esse problema, considerando o agravante de termos o hospital paralisado, sem dar continuidade às cirurgias ou ao funcionamento da maternidade. A idéia é também voltar a discutir com o juiz do município esse impasse, visto que foi a justiça que decretou a tal intervenção e esta perdura com agravamento de problemas”, declarou.

Na ocasião, o vice-governador reforçou a declaração do secretário Almeida Lima, de que por parte do Estado não há atrasos nos repasses financeiros destinados ao Hram. Há, portanto, um problema relacionado ao ano de 2011 já em busca de resolução e, conforme parecer da Procuradoria Geral do Estado, será decidido se o pagamento será realizado via indenização ou se a orientação será no sentido de que seja judicializado ou não. “A unidade hospitalar entende que o pagamento pelos serviços prestados deve ser feito no início do mês. Já a Secretaria de Estado da Saúde [SES] entende que o recurso financeiro deve ser enviado a partir do momento em que é concluído o período, com devida prestação de serviços”, acrescentou Belivaldo Chagas.

Almeida Lima destaca que o Estado se manterá presente diante dos problemas enfrentados pelo hospital e maternidade, buscando equalizar a situação junto à direção da unidade, esta que cumpre o papel de interventoria. Os diálogos, por sua vez, continuarão sendo mantidos com a participação do prefeito de Estância, Gilson Andrade, e do seu secretário municipal da Saúde, Josevaldo Ramos. “Temos como objetivo devolver a população, sobretudo, os serviços da maternidade Amparo de Maria. O Governo de Sergipe está empenhado nessa tarefa e vai apresentar através da SES, junto ao juízo de direito daquela comarca, uma alternativa de solução definitiva para o Hram”, assegurou o secretário de Estado da Saúde.

O superintendente do Hram, José Magno, agradeceu a presença e disponibilidade de todos para tentar encontrar uma saída com máxima brevidade possível para a retomada dos trabalhos na maternidade. “Até o momento foi solicitado pelo município um realinhamento do que é retido pela própria gestão municipal, a fim de que possamos ter novamente recursos disponíveis para reabrir a maternidade. Espero que esse realinhamento, que são questões burocráticas, fiquem abaixo das necessidades das parturientes”, declarou o gestor.

Como funcionário do Hram, o prefeito de Estância, o médico obstetra Gilson Andrade, ressalta ter grande interesse no funcionamento da unidade de saúde. “Por isso estamos buscando entendimento para que juntos, usando de bom senso, possamos encontrar uma saída para o Hram em curto espaço de tempo, a fim de que a população volte a ser assistida na maternidade”, assegurou.