YoutubeFacebookTwitterInstagram
educação
Por Ascom | 14 de Mai de 2019, 07h32
Maria do Carmo apoia PEC que garante melhor qualidade do ensino público
Senadora subscreve PEC que torna Fundeb permanente
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
686f64229ec65177

Maria do Carmo defende uma equidade no piso nacional dos professores  

 A senadora Maria do Carmo Alves, DEM, subscreveu a PEC 65/2019 que altera item da Constituição Federal, para tornar permanente o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - Fundeb. A proposta, já promulgada pelo Congresso Nacional, visa garantir uma melhor qualidade do ensino público, bem como uma equidade no piso nacional dos professores.  

"Subscrevi essa proposta, que tem o senador Randolfe Rodrigues como primeiro signatário, em apoio à importante contribuição que essas alterações trarão para o ensino no Brasil, ao estabelecer um padrão nacional de qualidade. Outro aspecto muito importante é a melhoria do piso salarial nacional para os profissionais da educação básica pública”, explicou Maria, para quem os professores são parte fundamental desse processo de melhoramento da educação.

Maria essalta que a PEC obriga a União a complementar os salários, nos casos em que estados e municípios não tenham disponibilidade, mantendo uma equidade salarial em todo o território nacional. Pela proposta, estados, o Distrito Federal e os municípios destinarão parte dos recursos à manutenção e desenvolvimento da educação básica e à remuneração condigna dos trabalhadores da educação, observando-se a distribuição dos recursos é de responsabilidades dos entes federados, assegurada mediante a criação, no âmbito de cada Estado e do Distrito Federal, de um Fundeb de natureza contábil.

Na justificativa, os autores ressaltaram que desde a sua criação, o Fundeb se tomou uma garantia de financiamento para a ampliação do acesso escolar na educação básica, com destaque para e expansão na educação infantil, etapa que não era contemplada no Fundef, além do ensino médio.

Os senadores que assinaram a PEC ressaltaram, ainda, que, como o período de vigência do Fundeb se encerra em 2020, faz-se necessário assegurar a perenidade do fundo, inserindo-o como política de Estado no texto permanente da Constituição Federal; e promover o seu aperfeiçoamento, em sintonia com as metas inscritas no Plano Nacional de Educação - PNE.

Dentre essas metas estão a implementação do Custo Aluno-Qualidade Inicial - CAQi, a oferta de educação em tempo integral em no mínimo 50% das escolas públicas, a política de valorização dos profissionais da educação básica pública e a destinação de 10% do Produto Interno Bruto para a educação pública.

Para eles, a propositura “dialoga não apenas com os anseios de estudantes e profissionais da educação, mas também com as preocupações de gestores, prefeitos e governadores, e com as estratégias do Plano Nacional de Educação.