YoutubeFacebookTwitterInstagram
OPINIÃO
Por Opinião | 04 de Dez de 2017, 13h09
Quem pensou no futuro?
*ANTONIO SAMARONE
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
975dd5b908ad11ef

Samarone: "Governo Jackson Barreto deixará essa bomba poluente como herança"

O governo do Piauí instalou o maior empreendimento de energia fotovoltaica da América latina”, energia limpa e sustentável. Em Sergipe, o Governo autorizou a GE Power Services instalar a maior termoelétrica da América Latina, a usina vai produzir 1,5 mil megawatts e será capaz de atender a 15% da energia consumida no Nordeste. São posições opostas de gerar energia, desenvolvimento e emprego: uma sustentável, outra poluidora; uma visando o futuro, outra afundada no passado. Sergipe seguiu o caminho do passado, resolveu implantar o modelo Cubatão de desenvolvimento.

As termoelétricas a gás, o caso de Sergipe, lançam no meio ambiente o CO² (gás carbônico) – efeito estufa; SO² (dióxido de enxofre), gotículas de ácido sulfúrico (chuva ácida); o NOx (óxidos de nitrogênio), responsáveis pelo smog; encontra-se entre as atividades mais poluidoras do mundo. A termoelétrica de Sergipe, sozinha, produzirá dez vezes mais CO² que toda a frota de veículos do estado. Sabe-se que essa é apenas a primeira usina, o projeto prevê mais duas.
Além do agravamento do efeito estufa, as termoelétricas são responsáveis pelo aquecimento da água, onde o despejo for lançado, com consequências para a vida marinha; e pela temida chuva ácida, pondo em risco a agricultura e as matas restantes. A chuva ácida atinge vários km de distância das termoelétricas.

Sei que os defensores desse modelo de desenvolvimento, que ignoram os impactos ambientais, vão dizer que houve “estudos” e que os agravos serão mínimos. Não é o que apontam os estudos científicos publicados sobre as termoelétricas. No momento, a cidade de Peruíbe, interior de São Paulo, está em pé de guerra contra a implantação de uma termoelétrica. Já aprovaram uma lei municipal proibindo. A crescente resistência a instalação de atividades destruidoras do meio ambiente, tem levado as empresas procurarem regiões onde a consciência ambiental seja reduzida. 

O Governo Jackson Barreto deixará essa bomba poluente como herança. 

É médico, professor da UFS e ex-vereador por Aracaju