YoutubeFacebookTwitterInstagram
Atuação parlamentar
Por Ascom | 09 de Jul de 2020, 15h38
Zezinho Sobral: "Safra e calendário agrícola não esperam"
Parlamentar solicita revogação de portaria de licenciamento ambiental para agricultura
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
D8df797d20d8e574

Zezinho Sobral: "Precisamos ser céleres”

Em 6 de junho, a Adema publicou a Portaria nº 38/2020, que trata do licenciamento ambiental para atividades agrosilvopastoris em Sergipe. O deputado estadual Zezinho Sobral, Pode, não é favorável à publicação e explica que o texto pode prejudicar o homem do campo durante a atual safra do milho, especialmente na realização de operações de crédito rural.

“A portaria da Adema, neste momento, afeta a liberação de 3500 financiamentos. Atendendo a um pedido da Federação da Agricultura e Pecuária de Sergipe - Faese -, através do presidente Ivan Sobral, dialoguei com o governador Belivaldo Chagas para que o presidente da Adema, Gilvan Dias, revogue a portaria e elabore uma minuta de Projeto de Lei que corrija novamente a Lei de Licenciamento Ambiental de 2018 para que seja enviada à Assembleia Legislativa”, explicou Zezinho Sobral.

O deputado também conversou com o presidente da Adema defendendo a revogação da portaria e reforçou que o Projeto de Lei é essencial para o produtor rural. “As providências estão sendo tomadas por determinação do governador, que compreendeu o pleito. A revogação dará segurança jurídica ao produtor. É essencial que a correção da Lei ambiental de 2018 seja feita nos mesmos moldes da Lei de 2019 para a carcinicultura, agora aplicada para as demais áreas da agricultura e pecuária”, complementou.

Ainda de acordo com Zezinho Sobral, em conversa com a gerência de negócios agrícolas do Banco do Brasil sobre o assunto, a preocupação é de todos. "Se não tivermos uma solução rápida, teremos dificuldade no financiamento agrícola este ano. Estamos em um momento de pandemia, de desaceleração econômica. A agricultura brasileira e a sergipana são responsáveis por geração de emprego, renda e divisas. E se tiver qualquer problema, por causa de deliberação de uma legislação ambiental para a contratação desses financiamentos, a agricultura terá grande prejuízo. Safra e calendário agrícola não esperam. Precisamos ser céleres.”