YoutubeFacebookTwitterInstagram
NOVO PRAZO
Por Portal Infonet | 10 de Jul de 2018, 14h15
Sukita: recurso tem julgamento adiado no TRE
O juiz José Dantas, relator do processo, concedeu mais um prazo e o processo acabou sendo retirado de pauta
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
0ddfe5f017dfb6e4

TRE aguarda manifestação da defesa de ex-prefeito (Foto: Portal Infonet)

Mais uma vez foi adiado o julgamento do recurso criminal interposto no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) pelo ex-prefeito Manoel Messias Sukita, de Capela, para reverter a sentença que o condena a mais de 13 anos de prisão por corrupção eleitoral, crime de responsabilidade, desvio de recursos públicos e despesas não previstas em lei. O recurso criminal foi incluído na pauta do TRE para ser julgado nesta segunda-feira, 9, mas o ex-prefeito mudou de advogado e pediu mais uma vez o adiamento do julgamento para que a defesa tivesse acesso aos autos e se preparasse para fazer a sustentação oral.

O juiz José Dantas, relator do processo, concedeu mais um prazo e o processo acabou sendo retirado de pauta. O desembargador Ricardo Múcio de Abreu Lima, presidente do TRE, classificou como manobra e alertou que não aceitará novo adiamento sob qualquer pretexto, deixando claro que a Defensoria Pública da União seria convocada para substituir a defesa de Sukita em qualquer situação em que o advogado não compareça à próxima sessão de julgamento que acontecerá ainda neste mês.

A procuradora regional eleitoral Eunice Dantas também não ficou satisfeita com o adiamento. Na sessão, Eunice Dantas informou que este recurso já deveria ter sido julgado desde o mês de dezembro do ano passado e deixou claro que não se omitirá caso haja novo adiamento, com a possibilidade de representar o próprio juiz José Dantas no Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O juiz José Dantas garante que não há atropelos no processo. Ele informou que, em dezembro, o recurso foi incluído na pauta de forma equivocada pelo próprio Tribunal Regional Eleitoral. Naquele mês, conforme frisou, ele ainda não tinha concluído a análise do processo e não estava ainda pronto para apresentar voto para o pleno do TRE. Refere-se a suposta compra de votos, com distribuição de R$ 40 para cada eleitor na própria sede da Prefeitura de Capela, com o objetivo, conforme a sentença da Justiça Eleitoral de primeira instância, para beneficiar os candidatos aliados nas eleições municipais realizadas no ano de 2012 em Capela.

O Portal Infonet tentou ouvir o ex-prefeito e não conseguiu, assim como também não conseguiu localizar o advogado habilitado recentemente no processo, que está em tramitação desde o ano de 2015. O Portal Infonet permanece à disposição. Informações podem ser enviadas para o e-mail jornalismo@infonet.com.br ou pelo telefone (79) 2106 – 8000.