YoutubeFacebookTwitterInstagram
FACEBOOK É LÍDER
Por PODER360 | 29 de Ago de 2017, 08h46
Redes sociais receberam R$ 67 milhões em publicidade federal em 2016
Total estagnou em relação a 2015. Valor supera jornais, portais e revistas
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
154853ccb539050d

Depois de 1 crescimento vertiginoso nos últimos 3 anos, o valor de publicidade estatal investido nas redes sociais estacionou em 2016


04.jul.2017 (terça-feira) – 6h00
atualizado: 05.jul.2017 (quarta-feira) – 2h36

Depois de 1 crescimento vertiginoso nos últimos 3 anos, o valor de publicidade estatal investido nas redes sociais estacionou em 2016. Os gastos do governo federal foram os mesmos R$ 67 milhões pagos em 2015 para os principais serviços.

O Facebook, que havia incrementado sua verba de R$ 5,7 milhões em 2012 para R$ 49 milhões em 2015, teve leve queda e recebeu R$ 47,9 milhões em 2016. O site de Mark Zuckerberg responde por 71% do volume de publicidade estatal federal recebido pelas redes sociais.

Os dados são inéditos. Foram obtidos pelo Poder360 por meio da Lei de Acesso à Informação. Os dados sobre propaganda da União eram coletados e organizados pelo IAP (Instituto de Acompanhamento da Publicidade). O órgão paraestatal teve seu financiamento interrompido em março de 2016.

O resultado interrompe uma expansão vertiginosa nos últimos anos. Mesmo em anos de cortes na verba de publicidade estatal, os repasses ao segmento cresceram rapidamente. Em 2011, o governo federal gastou R$ 1,7 milhão com propaganda nas redes. Em 2015, foram R$ 67,2 milhões –quase 40 vezes mais.

Entre 2013 e 2015, o valor total da publicidade federal caiu 28,7%. No mesmo período, o gasto com as redes sociais subiu 286%.

Os dados estão na tabela abaixo (clique na imagem para ampliar ou aqui para ler em PDF)

FACEBOOK SOZINHO TEM MAIS DO QUE TODAS AS REVISTAS

Mesmo com a estagnação, as redes sociais continuam aumentando em relevância na distribuição dos gastos de publicidade. Como todos os meios receberam menos dinheiro em 2016 do que em 2015, inclusive a “internet” como um todo, a tendência de inclinação do mercado publicitário na direção dessas plataformas foi mantida.

Só o Facebook recebe mais verbas de publicidade federal (R$ 47,9 milhões) do que todo o meio “revista” (R$ 46,9 milhões) ou a soma dos 7 maiores portais da internet brasileira (R$ 42,4 milhões). Os 4 maiores jornais do país juntos receberam R$ 30,7 milhões em 2016.

O Twitter, que teve valor 7,7% maior em 2016, recebeu mais que qualquer jornal, portal ou revista da mídia tradicional individualmente. Foram R$ 14,4 milhões em 2016.

OUTRAS REDES

Os sites com o maior número de usuários, Google e Youtube, recebem a cada ano menos publicidade estatal federal. Em 2016, foram R$ 537 mil para o buscador e o site de vídeos. Desde 2013, quando receberam R$ 3,9 milhões, tiveram uma redução de 86% na verba federal.

O Linkedin teve em 2016 sua 1ª queda desde 2013, ano em que entrou na conta da publicidade da União. Foram R$ 2,4 milhões, valor 30,7% menor que em 2015.

As novidades de 2016 foram a expansão do Spotify, serviço de música por streaming, e o ingresso do Snapchat, aplicativo de compartilhamento de fotos e vídeos, nas contas federais.

O Spotify recebeu dinheiro para veicular propaganda do governo pela 1ª vez em 2014. Foram R$ 282 mil. De 2015 a 2016, quase quadruplicou sua verba. Passou de R$ 373 mil a R$ 1,4 milhão.

Já o Snapchat recebeu R$ 675 mil em seu 1º ano com publicidade estatal.