YoutubeFacebookTwitterInstagram
Política & Negócios
Por Agência Brasil | 22 de Ago de 2019, 06h37
Sem trabalho aos domingos, Senado aprova MP da Liberdade Econômica
Texto segue para sanção presidencial
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
4c930323dae7eb3e

Senadores retiraram do texto três artigos que envolviam alterações nas regras sobre o trabalho aos domingos

O Senado aprovou, na noite de quarta-feira, 21, a Medida Provisória - MP - da Liberdade Econômica. Os senadores, no entanto, retiraram do texto três artigos que envolviam alterações nas regras sobre o trabalho aos domingos. Com essas alterações, a MP vira lei e segue para sanção presidencial. 

A expectativa do Governo é a de que 3,7 milhões de empregos sejam gerados em 10 anos como consequência da nova lei. O entendimento é que a facilitação para a abertura e fechamento de empresas e a dispensa de alvará para estabelecimentos de baixo risco oxigenará a economia e gerará empregos mais rapidamente, em comparação ao modelo atual.

As discussões em plenário levaram mais de duas horas. O principal motivo foi a queixa de vários senadores, principalmente de oposição, da inclusão de emendas estranhas à MP original quando ela passou pela Câmara, os chamados “jabutis”.

Os jabutis que travaram a votação diziam respeito a alterações que flexibilizavam as regras trabalhistas. Após acordo com o líder do governo, Fernando Bezerra, MDB-PE, o senador Fabiano Contarato, REDE-ES, apresentou um requerimento de impugnação de matéria estranha. O requerimento sugeriu a retirada do texto dos três artigos que flexibilizavam o trabalho aos domingos.

Assim, foram excluídas do texto a possibilidade de folga semanal de 24 horas em outros dias da semana, que não seja o domingo, e a dispensa do pagamento em dobro por trabalho nos domingos e feriados.

DEBATES

A relatora do Projeto de Conversão no Senado, Soraya Thronicke, PSL-MS, disse que a aprovação da matéria trará “alforria” aos empreendedores brasileiros. Para ela, haverá melhor distribuição de renda e emprego. “O projeto busca afastar o anacronismo gerado pela máquina estatal, trazendo o governo para o século 21, prestigiando o empreendedorismo e a melhor distribuição de renda”.

Randolfe Rodrigues, Rede-AP, comparou os dispositivos que flexibilizavam o trabalho aos domingos, como se fosse um dia normal de semana para fins trabalhistas, de “revogação da Lei Áurea”, referindo-se à lei que aboliu a escravidão no Brasil. O acordo que retirou esses trechos da lei garantiu a aprovação da MP.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil