YoutubeFacebookTwitterInstagram
RECATADA DO LAR
Por FOLHA DE S.PAULO ONLINE | 28 de Ago de 2017, 17h00
Temer pede 'disciplina' e Marcela erra discurso em evento no Dia do Voluntariado
"Foi uma coisa bonita e emocionante. Aliás, bonita e emocionante não só pela voz, mas pela disciplina", disse o presidente.
CompartilharWhatsapp internalFacebook internalTwitter internal
6335b3fca90de14c

Primeira-dama Marcela, Temer e ministro Padilha durante lançamento do 'Viva Voluntário'

Michel Temer ficou emocionado "não só pela voz, mas pela disciplina" de um grupo de crianças que interpretou o Hino Nacional em uma cerimônia nesta segunda-feira (28) no segundo andar do Palácio do Planalto.

"Foi uma coisa bonita e emocionante. Aliás, bonita e emocionante não só pela voz, mas pela disciplina", disse o presidente.

Temer ficou especialmente impressionado –ou emocionado– com o grupo obedecendo ao primeiro e ao segundo comando do maestro. "Eles agem coletivamente e de maneira muito regular", afirmou o peemedebista, para, em seguida, completar: "uma coisa que nós precisamos muito no Brasil é disciplina. As crianças deram a todos nós um exemplo de organização e disciplina".

Essa foi a introdução do discurso de menos de dez minutos do presidente em um evento que marcou o lançamento do Programa Nacional de Voluntariado, o "Viva Voluntário", coordenado pela Casa Civil.

Ao lado da mulher, Marcela, Temer disse que nunca havia visto o salão do Planalto "tão festivo" já que, por costume, na Presidência da República as "solenidades são solenes".

MARCELA

Alardeada como uma das principais apoiadoras do projeto, a primeira-dama estava nervosa. Leu em folhas impressas seu discurso de pouco mais de três minutos e errou quando tentou mostrar naturalidade.

Sorrindo, Marcela levantou a cabeça para terminar a frase "devemos nos orgulhar dos cidadãos que, em situação de adversidade, se unem para auxiliar ao próximo, seja em um momento de calamidade, em alguma região do Brasil, ou fora do país..."

Quando voltou os olhos para o papel, se perdeu e repetiu "seja num momento de calamidade e... até mesmo... é... seja combatendo a discriminação social, ética, religiosa ou de gênero".

O deslize foi logo corrigido por ela, mas Marcela seguiu apreensiva em sua leitura. Ao final da fala recebeu apenas um aperto de mão distante do marido, o presidente da República.

Em seu discurso, Temer fez referências rápidas à fala de Marcela. O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, chamou atenção para o apoio "da carismática primeira-dama Marcela" ao projeto.

O Dia Nacional do Voluntariado foi instituído por lei em 28 de agosto de 1985 pelo então presidente, José Sarney (PMDB-AP), e, agora, 32 anos depois, o governo Temer faz referência ao peemedebista ao lançar o programa.

A imagem de Marcela, que gravou um vídeo para as redes sociais para divulgar o projeto, vem sendo explorada por auxiliares do presidente para tentar dar um ar mais leve ao governo mergulhado em uma grave crise política desde 17 de maio, com a divulgação da delação da JBS, que implica diretamente Temer.