Aparte
Jozailto Lima

É jornalista há 37 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

Alexandre Sobral vê Paulo Hagenbeck com gestão ruim para Laranjeiras e quer sucedê-lo
Compartilhar

Alexandre Sobral: “Vejo que preciso dar minha parcela de contribuição ao município”

Aos 47 anos, filiado ao Progressistas, filho de pai e mãe ex-prefeitos e irmão do deputado estadual Zezinho Sobral, Podemos, o administrador e produtor rural Alexandre Sobral acha que é chegada a hora e a vez de ele fazer algo mais profundamente por sua cidade, Laranjeiras, e se coloca como pré-candidato a prefeito dela nas eleições deste ano, que acredita que ainda ocorrerão.

“Mantenho meu projeto no processo de construção de uma candidatura, mas só vou trabalhar depois de dissipada a situação dessa pandemia. Precisa estabilizar um pouco esta situação. Estou mantendo contato com as pessoas, com os amigos, mas com muita precaução, porque a situação é complicada e a prioridade é a saúde e a vida das pessoas”, disse Alexandre Sobral nessa quinta-feira, 21, em conversa exclusiva com a Coluna Aparte.

Alexandre Sobral apesenta duas preocupações clássicas para estabelecer o projeto de disputar a Prefeitura Municipal de Laranjeiras: o empobrecimento da cidade e das pessoas dela e a falta de governo convincente da parte do prefeito Paulo Hagenbeck. “Eu não tenho nada contra o prefeito Paulo Hagenbeck enquanto pessoa física, mas administrativamente acho que ele deixa muito a desejar”, avisa.

“Creio que ele deveria tomar mais conta da cidade. Deveria gerir melhor o dinheiro público. Falta mais atenção na área da saúde, por exemplo. O hospital não atende da forma necessária. A ação social da gestão dele não contempla bem os mais pobres. Eles estão sofrendo, passando fome no nosso município. Isso está ocorrendo para além do coronavírus, que só veio agravar a situação das pessoas do município”, diz Alexandre.

“Acho que chegou num ponto que seria muito cômodo eu ficar trabalhando onde estou, vivendo a minha vida privada, mas estou vendo Laranjeiras chegar numa situação que precisa de um gestor. A que temos aí é uma administração que não diz para o que veio. A população mais carente sofre muito. Está faltando assistência social e vejo um desemprego muito grande também no município”, afirma Alexandre Sobral.

“Este é um momento de valorizar, inclusive, a indústria em Laranjeiras. Acho que é um instante de valorizar principalmente as pessoas que empregam a mão de obra local. Creio que falta uma gestão que prestigie. Falta gestão capaz de chamar para a mesa o empresariado e atrair novos investimentos. Acho que Laranjeiras falha em relação a isso”, compromete-se.

“Eu quero trabalhar encima disso. Pegar essa juventude, qualificar essa turma e buscar empregos. A base nossa vai ser essa. Amenizar o sofrimento das famílias mais carentes é uma prioridade. E que com essa situação de saúde mundial, piorou ainda. Acho que é muito cômodo quando a gente está numa situação boa de trabalho, de família e ficar quieto. Mas vejo que preciso dar a minha parcela de contribuição ao município”, diz o pré-candidato.

José Sobral, já falecido, e Ione Sobral, pai e mãe de Alexandre, foram prefeitos de Laranjeiras. Ambos fizeram - e ela ainda o faz - um trabalho político de reconhecimento na cidade. Alexandre acha que isso ainda hoje o ajuda - ao ponto de em 2018 Zezinho Sobral, o irmão, ter sido o candidato a deputado estadual mais votado na cidade – mesmo contra o prefeito Hagenbeck.

“Nós trabalhamos com pessoas que nos acompanham sempre e então temos esse respaldo. Os Sobral têm um histórico familiar e são, sim, uma força muito grande em Laranjeiras. As pessoas confiam na gente. Elas acreditam no nosso projeto”, diz Alexandre, para quem o espólio eleitoral da mãe ainda gira hoje em torno de 20% na cidade.

“O mandato de Zezinho me ajuda, com certeza, por ser uma pessoa muito preparada. Tanto no relacionamento com o Executivo quanto no Legislativo, onde ele vem se mostrando um bom parlamentar, fazendo um bom trabalho. Ele tem muito a contribuir com a gente. Zezinho tem uma visão ampla, conhece muito do serviço público e consegue me dar uma força muito grande”, aposta Alexandre. “De modo que quero ser prefeito porque tenho um projeto para Laranjeiras. Estou aguardando apenas as decisões do TSE do que vai acontecer - se vão manter a data ou não. Eu acho que ainda teremos eleição este ano, mas não sei se em outubro”, diz Alexandre.

Em 2016, Alexandre foi candidato a vice-prefeito numa chapa encabeçada por Juca de Bala, que buscava a reeleição e perdeu para Paulo Hagenbeck. Ele foi candidato uma vez a deputado estadual. Hoje Juca de Bala é também um pré-candidato a prefeito. “Geralmente, quando tem muito candidato, quem sai beneficiado é quem está no poder”, reconhece Alexandre. E Paulo Hagenbeck está na moita do poder.