Aparte
Afinal, o pacote anticorrupção do Congresso é ou não prioridade?

Henri Clay Andrade: OAB não foi convidada, mas ajuda

Será que dentro deste turbilhão todo, que mostra um Brasil de mãos dadas com o roubo ao Estado, a pilhagem pública por grandes corporações em triangulação com a classe política, combater a corrupção é mesmo alguma prioridade?

É deste tema que a Reportagem Especial do JLPolítica vai tratar neste domingo. A jornalista Tanuza Oliveira vai revelar que uma das inciativas de maior expectativa nesse sentido, o pacote anticorrupção das Dez Medidas, segue sem previsão de ser votada no Congresso.

Aliás, o pacotaço sequer é uma unanimidade. Ele sofre críticas, por exemplo, do presidente da OAB de Sergipe, Henri Clay Andrade. “A elaboração das 10 medidas é obra exclusiva do MPF, da qual a OAB não teve a oportunidade de participar. Entretanto, a OAB tem contribuído para aprimorá-la”, diz Henri Clay.

Votação? “Previsão não há. Nós estamos com uma agenda apertada e tentando construir um entendimento para votar a reforma política, que não é uma matéria fácil e tem de ser votada agora na Câmara e no Senado para cumprir a Lei da Anualidade”, diz André Moura. Leia a partir das 20h deste domingo aqui no JLPolítica.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.