Aparte
Valmir de Francisquinho e André Moura fazem pacto político-administrativo

Valmir de Francisquinho: tentando compreender André

O prefeito de Itabaiana, Valmir de Francisquinho, disse a esta coluna Aparte que há possibilidade de ele votar em André Moura para governador ou senador este ano. De dois beiçudos que não se beijavam, Valmir e André passaram a aliado políticos na última semana. A chancela do entendimento passou pela promessa de liberação de R$ 20 milhões para Itabaiana.

Mas o voto do prefeito de Itabaiana num André Moura candidato majoritário - sobretudo a governador - tem um condicionante. “Nós vamos votar nele para governador ou senador. Se Eduardo Amorim for candidato a governador, eu não voto em André para governador. O primeiro voto será para Eduardo Amorim”, diz Valmir.

“Se Eduardo Amorim for para senador e André Moura para governador, a gente vota nos dois. Em um e outro. Provavelmente André deve ir para senador. Mas se for para federal a gente também vota nele”, diz Valmir.

 

Neste caso - assim como nas duas possibilidades majoritárias - Valmir estará encastoando (amarrando) a pré-candidatura do seu filho Talysson de Valmir de Francisquinho a deputado estadual ao projeto de André Moura. É, no mínimo, algo razoável. 

O itabaianense acha que vive hoje, politicamente, um momento “bom e excelente”, com André Moura. “Fizemos um entendimento político agora”, admite. Franco na observação, Valmir diz não ter segurança de qual será a opção eleitoral de André este ano.

“Na verdade, não dá para medir com qual dos três mandatos ele se identifica mais. Eu diria que ele está navegando. Mas eu acho, pelo meu sentimento e percepção, que ele vai para o Senado. E eu creio que ele tenha chance de uma das duas vagas. Ele tem hoje quase 50 municípios que fecham com ele. Embora eu creia que uma coisa é hoje e outra será quando começar a campanha, mas a polarização de 300 anos não vai deixar de existir este ano”, diz.

No plano mais administrativo e financeiro, André andou arrastando asas - como sempre - de liberador de grana federal para três municípios. Falou-se, semana passada, em R$ 25 milhões liberados por ele. “Esses R$ 25 milhões de que ele fala são para três municípios – Itabaiana, Lagarto e Estância”, clareia Valmir.

“Não são verbas impositivas. São verbas que ele conseguiu agora, e para Itabaiana nós já empenhamos R$ 10 milhões de um total de R$ 20 milhões. Esses recursos serão para pavimentação asfáltica, para construção de duas escolas com 12 salas de aula cada uma, e para a saúde, com aquisição de três ambulâncias, gabinete de assistência odontológica”, diz Valmir.

O prefeito Valmir de Francisquinho nega, mas a relação entre ele e o André “líder” nunca foi das melhores. Não se beijavam. Amigos de Valmir chegavam a suspeitar de que eram patrocinadas por André Moura algumas ações negativas contra o município de Itabaiana. 

“Nunca houve restrição minha a André Moura. Isto não procede e nem é verdade. Na verdade, ele não me boicotava. Eu diria que André estava buscando o espaço dele de deputado federal, porque até então a força dele seria limitada para deputado federal. Como ele tentou mais campo, vislumbrando disputar um cargo majoritário, está buscando novos entendimentos. Se eu estivesse no lugar dele, também faria a mesma coisa. Eu estaria procurando ocupar o mesmo espaço”, diz prefeito.