Aparte
Jozailto Lima

É jornalista há 38 anos, poeta e fundador do Portal JLPolítica. Colaboração Tanuza Oliveira.

Ângelo Antoniolli se junta a ex-pastores da IURD e emplaca Valter Joviniano na Reitoria da UFS
Compartilhar

Valter Joviniano: reitor da UFS a ser confirmado nesta quinta

Durante toda esta quarta-feira, 17, circulou nos bastidores da política e da educação de nível superior do Estado de Sergipe a informação de que, finalmente, a novela da eleição de reitor da Universidade Federal de Sergipe - UFS - foi resolvida.

Numa aliança pra lá de heterodoxa, o ex-reitor Ângelo Antoniolli teria se juntado aos ex-deputados federais e ex-pastores da Igreja Universal do Reino de Deus - IURD - Jony Marcos e Heleno Silva e conseguiu a nomeação do primeiro da lista tríplice de uma eleição que foi feita no ano passado e está sendo contestada e subjudice.

O ungido nesta aliança entre o grupo de Angelo e os bolsonaristas sergipanos ligados à Igreja Universal do Reino de Deus é o professor Valter Joviniano de Santana Filho, um baiano.

Valter Joviniano foi gestor do campus da UFS de Lagarto, era vice-reitor meio tampão no segundo mandato de Angelo Antoniolli e está, inclusive, com problema sério de saúde. Ângelo Antploniolli o tem como excelente gestor. 

A nomeação de Valter Joviniano deve ser sacramentada pelo presidente Jair Bolsonaro ainda nesta quinta, 18.

A única maneira de a nomeação não acontecer dependeria de uma decisão do juiz federal Ronivon Aragão, que analisa o processo que pede nulidade da eleição do ano passado. Só se esse juiz cancelasse o processo eleitoral.

Fora essa hipótese, o comando da UFS voltará para os braços daqueles que a administram há mais de duas décadas. Por uma coincidência, a dupla Jony Marcos e Heleno  Silva, dois políticos na planície, esteve em audiência com o ministro da Educação do Brasil, o pastor presbiteriano Milton Ribeiro, na semana passada. Saíram de lá dizendo que foram pedir pelo IFS de Poço Redondo.

Nesta quarta, a queixa dos bolsonaristas sergipanos ligados à educação e à UFS era a de que Jair Bolsonaro sacrificou os aliados locais do campo  educacional. Como ele estaria loteando tudo com o Centrão, entregou a UFS a Jony e a Heleno. Obviamente os dois, que não dão ponto sem nó, devem ganhar espaço na universidade, sobretudo no campus do Sertão, universo com o qual Heleno conta para se eleger deputado federal ano que vem - o que seria a terceira vez que ele chegaria lá. 

A UFS vem sendo comandada pela silenciosa professora-interventora Liliádia da Silva Oliveira Barreto desde o dia 23 de novembro do ano passado. Confirmado Valter Joviniano, ela deixa a Reitoria e voltará ao limbo.

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.

Edson Santana Costaeds
O Presidente e os governadores o povo merece. A constituição federal é legítima. Os demais poderes executivos são farsa replicana.
Sandra Beiju
Sou egressa da UFS em um tempo histórico de ares mais voltados para a ciência, conhecimento e participação democrática. Votei, na condição de estudante no processo eleitoral da chapa: Luiz Hermínio/ Paulino Silva - dois grandes professores educadores. Fui aluna do vice reitor. Como aceitar ver a universidade pública dede federal de Sergipe entregue a quem combate a ciência, o conhecimento e as liberdades democráticas? Entraremos num tempo de " trevas"?? Estaremos em marcha rumo modos de pensar " medievais" ? Inaceitavel, tudo isso. Lugar de pastores é no seus templos.