Aparte
Crise política não derruba a “libido dos motéis”

Gilberto Passos: sob desemprego alto, a turma não deixa cair a “vontade daquilo”

Se fosse o Zé Simão escrevendo, diria que a crise gerada pela turma do PT e de Temer no país não abole a libido.  Ou seja, os desarranjos políticos não desarranjam a “vontade daquilo” na turma.

Essa conclusão pode ser tirada a partir da informação do empresário Gilberto Passos, dono de dois motéis dos 30 de Aracaju.

“No Amoremio, temos mais de 10% de alta na frequência, graças ao acolhimento que sempre tivemos de nossos clientes”, diz Passos.

Se a política do desemprego mexe na “energia e no emocional” de 14 milhões de brasileiros, os donos de motéis tentam enfrentar isso com variação na atividade.

“No Amoremio são 72 apartamentos divididos em nove tipos, que vão do Especial ao Swingão. E eu creio que a alta que verificamos aqui deve ser a média dos demais estabelecimentos em Aracaju”, diz Gilberto.

Aliás, tipos e preços. “Nesses tempos de crise, criamos mais categorias para agregar todas as classes sociais. Assim, temos apartamentos para todos os gostos e promoções todos os dias a partir de R$ 29, agradando a todos os públicos”, afirma. Em tempo de brigas e desarmonias políticas, os moteleiros não têm uma associação.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.