Aparte
Estatísticas da SSP divergem da segurança real de Sergipe

Katarina Feitoza: “Encontramos um norte para a segurança”

Aliada ao pagamento dos aposentados e pensionistas, a segurança pública tem sido um dos calcanhares de Aquiles do Governo de Jackson Barreto. Por isso, a Secretaria de Segurança Pública tem feito um esforço surreal para reverter os dados. Com os números coletados em 2017, parece que vem conseguindo.

De acordo com as estatísticas da SSP, o número de homicídios no Estado caiu 6,1% na comparação com 2015, e 14% na comparação com 2016. Já na Capital, a redução foi de 7% na comparação com 2015 e 22,3% com 2016.

Segundo os gestores da Secretaria - a delegada-geral Katarina Feitoza e Sidney Teles, diretor do Ceacrim, foram os entrevistados –, os números refletem a implementação de uma política de Estado - e não de Governo – voltada para a segurança.

“Não é blá-blá-blá e nem estamos maquiando nada. São dados limpos, claros e que estão disponíveis para qualquer pessoa”, afirma Katarina. Mesmo assim, há quem duvide dos dados, já que até pouco tempo Sergipe estava no topo da criminalidade e ostentava o estigma de Estado mais violento do Brasil.

“Confio nos números do Fórum Nacional de Segurança, porque tive acesso a eles. E sei que são reflexo da falta de uma política de segurança, de fronteiras desprotegidas e da falta de atenção do Governo com o tema”, afirma o senador Eduardo Amorim, PSDB. Confira a Reportagem Especial na íntegra no domingo, 28, a partir das 20h.