Aparte
João Fontes e Mendonça mantém projeto: “No andar da carruagem, as abóboras se ajeitam”

Mendonça e João: firmes no projeto

O ex-deputado federal João Fontes, PPS, disse a esta coluna nesta quinta-feira que a saída de Mendonça Prado desse partido para o DEM não muda o projeto, a parceria e nem os planos dos dois de disputarem o Senado e o Governo de Sergipe, conforme haviam pactuado com ambos ainda no PPS.

“Sou pré-candidato ao Senado pelo PPS e o tempo vai se encarregar de aparar as arestas criadas com a saída de Mendonça Prado do nosso partido para o DEM. No andar da carruagem, as abóboras se ajeitam”, diz Fontes.

Para João Fontes, o DEM veio ao agrupamento que ele pertence como uma maneira de evitar que caísse em outras mãos. “A saída de Mendonça para o DEM deu-se para evitar que o partido fosse entregue a um deputado federal aliado do governador Jackson Barreto e por um apelo pessoal da senadora Maria do Carmo ao nosso pré-candidato ao Governo”, disse ele. A referência é a Laércio Oliveira, do SD, que estava em conversas para assumir o DEM.

“Fui lançado pré-candidato ao Senado pelo PPS e Mendonça Prado pré-candidato ao Governo do Estado. Nossa agremiação partidária procurava ampliar o apoio das nossas candidaturas com outros partidos políticos, inclusive o DEM. Tenho a visão clara de que ninguém ganha uma eleição majoritária sem uma coligação consistente e sem um bom espaço de televisão, visão também compartilhada pelo presidente nacional do PPS, Roberto Freire, que entendeu perfeitamente a saída de Mendonça para o DEM”, analisa Fontes.

Para além dessa visão da necessidade de alianças fortes, João Fontes aponta um parentesco no DNA dos dois partidos. “Historicamente, o DEM sempre foi aliado ao PPS em Sergipe. Nilson Lima, filiado ao PPS, foi candidato a vice-governador de João Alves. Clovis Silveira, que preside o PPS, é um antigo aliado do DEM de João Alves. E, além disso, Mendonça fez sua história política com os Democratas”, afirma.