Aparte
Jozailto Lima

É jornalista há 38 anos, poeta e fundador do Portal JLPolítica. Colaboração Tanuza Oliveira.

Valdevan Noventa avisa: não aceita ter “pernas quebradas” e é “pré-candidatíssimo ao Senado”
Compartilhar

Valdevan Noventa: “Sou um político que é um cidadão comum, que vai na casa do povo”

“Tem muito político aqui em Sergipe que acha que é o dono do Estado, que é o cacique, que você não pode ser candidato e quem aparece muito tem de ter as pernas quebradas. É assim que se discute. Mas eu sou pré-candidatíssimo ao Senado pelo Estado de Sergipe”.

O parágrafo acima diz bem do estado de espírito político e da disposição eleitoral do deputado federal Valdevan Noventa, PL, para os embates do ano que vem. “Meu projeto de disputar o Senado pelo Estado de Sergipe em 2022 está muito bom, graças a Deus. A gente iniciou esse trabalho desde o ano passado, 2020. Tenho discutido com algumas lideranças, com prefeitos, e a aderência é muito grande, graças a Deus”, reforça ele.

Ainda com pendências de ordem jurídica-eleitorais - ele foi preso em 2018 antes da posse, acusado de fraude nas contas de campanha -, Valdevan Noventa é tucudo -insistente -, diz que seus problemas são mais políticos do que jurídicos e aposta que quando chegar a nova hora eleitoral vai estar com o nome limpo, sem embargos na esfera eleitoral.

“Acredito na Justiça. Quem está por trás desse processo, querendo tomar o nosso mandato, não é a justiça. São os políticos que até hoje não aceitaram a minha vitória”, diz ele. E aqui reacende a birra que nutre com o presidente do seu partido, o ex-deputado federal André Moura.

“Não tenha dúvida de que a conspiração contra mim é mais política do que jurídica. Mas não é só André Moura. Tem um pessoal a mais juntamente com dele. Os caras discutiram cassação do mandato meu e a prisão minha no dia 18 de novembro de 2018, quando eu sequer havia sido diplomado”, denuncia Valdevan.

“Você já pensou a pessoa ser presidente de um partido, montar uma chapa, conseguir eleger um deputado federal por esse partido e depois de elegê-lo sequer dar um telefonema para parabenizá-lo? Eu nunca recebi isso do presidente do meu partido”, salienta.

Valdevan Noventa nutre quase uma obsessão por lideranças perseguidoras da sua pessoa política. Ele nasceu em Estância, foi embora muito jovem para São Paulo, se fez liderança sindical na esfera de transportes de massa por lá, chegou a ser vereador em Taboão da Serra e achou que deveria ir a Brasília via Sergipe. Para ele, as elites locais não digeriram isso muito bem.

“Na verdade, eu não conhecia o mundo político de Sergipe. Eu vinha a Sergipe constantemente, às vezes duas ou três vezes ao mês. Por vezes passava um mês inteiro. Eu conhecia as pessoas do povo e a humildade delas. Eu conhecia o meu lidar com essas pessoas”, diz ele.

“Mas hoje estou conhecendo o meio político e aí tem três, quatro, cinco, seis, sete ou oito caciques que se acham o dono de Sergipe e que não vão aceitar um cara que supostamente veio de fora - porque eles diziam que eu era forasteiro, que não era nem de Sergipe -, chegar e desbancar dois deputados federais, deputados estaduais e vereadores todos de mandatos, e Valdevan desbancou”, teoriza.

“Mas ninguém procura saber como é que foi a história de Valdevan Noventa. Ninguém me perguntou: “Como é que você construiu isso, Valdevan? Como é que você chegou até aqui?”. Será que é por que eu sou bonito? Será que foi gastando uma dinheirama? Não foi por nada disso. Isso é fruto de um trabalho social que tenho de mais de 25 anos. Neste sábado estarei distribuindo no mínimo 200 cestas básicas às pessoas que têm fome e necessidade. Quem é que está em Brasília e se preocupa assim com o próximo em Sergipe? Quem é o político que faz isso?”, questiona.

Há na esfera política local uma tese de que raramente alguém chega ao Senado por Sergipe sem passar por um agrupamento político forte - embora a eleição de Alessandro Vieira em 2018 negue plenamente isso. Apesar de falar mal dos caciques, ou de ver neles empecilhos ao seu projeto político-eleitoral, Valdevan se contradiz.

“Essa questão de agrupamento estamos discutindo.  Estamos conversando com muita gente grande e eu tenho certeza de que todos os agrupamentos que se formarem em Sergipe vão querer a aderência do Valdevan Noventa. Quem é a principal liderança da zona sul e do centro-sul de Sergipe, que inclui aí de nove a 10 cidades?”, gaba-se.

“Podem fazer a pesquisa que o povo vai apontar, porque Valdevan Noventa é o homem do povo, o que vai na casa dele, na casa do pobre comer um pedaço de galinha juntamente com ele. A nossa maneira de lidar ou de fazer política é diferente. Nós não chegamos às pessoas somente de quatro em quatro anos. Nós chegamos antes, ou o tempo todo. O que é que os prefeitos de Sergipe me falam? “Valdevan, você faz política todos os dias”. Desde quando saí candidato a deputado em 2018 até hoje eu não parei”, diz.

“Minha vida é trabalhar e servir ao próximo - isso é o que eu mais faço. Incluindo aí o povo, porque eu, na verdade, sou um político diferente dos demais. O povo tem o meu contato, o povo fala comigo todos os dias. Me liga, manda mensagem, porque é isso que o povo quer ver - o político próximo a ele, trazendo suas demandas, suas necessidades. As pessoas apresentam projetos para mim. Discutem comigo. Eu marco para ver o cara. Vou na casa dele, ele vem na minha. Eu sou um político que é um cidadão comum, que vai na casa do povo”, diz Valdevan Noventa.

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.

Vereador Silvinho Matos
Gostei da matéria sobre política.
Patrícia Fontes Farias
Valdevan 90. Muito pelo contrário seu trabalho social em ajudar o povo como muito antes de vc ser candidato a deputado graças a Deus as coisas melhoraram dando a vc mais condições para ajudar o povo. Estou ao seu lado nessa nova caminhada e tenho certeza absoluta de que vamos vencer.