Aparte
Jozailto Lima

É jornalista há 37 anos, tem formação pela Unit e é fundador do Portal JLPolítica. É poeta.

“Aracaju está preparada pra tratar novos pacientes de Covid-19 mesmo sem HCamp”
Compartilhar

Waneska Barboza: sem susto diante do futuro da pandemia

Esta garantia é dada pela secretária municipal de Saúde de Aracaju, a médica Waneska Barboza, em entrevista exclusiva concedida à Coluna Aparte.

“A capital está preparada para tratar os novos pacientes infectados pela Covid-19, mesmo com o fechamento do HCamp. Para isso, continuamos a disponibilizar 60 leitos de enfermaria: 19 no Fernando Franco, cinco no Hospital Universitário, 11 no Nestor Piva, 15 no Hospital Santa Isabel e 10 no Hospital São José”, informa Waneska Barboza.

“De acordo com nossos levantamentos, esse quantitativo é suficiente. Além da rede de assistência que já temos, caso haja aumento significativo de número de internamentos por desrespeito às medidas sanitárias, a Secretaria Municipal de Saúde já está se preparando para ampliar o número de leitos, credenciando leitos da rede privada”, reforça ela. Leia a seguir o que mais dissera Waneska Barboza à Coluna.

Aparte - O que credibiliza Aracaju a participar de evento internacional apresentando ações de combate à pandemia do coronavírus e como o que a senhora participou esta semana?

Waneska Barboza - Aracaju tomou medidas de contingenciamento e enfrentamento à pandemia bem antes do registro do nosso primeiro caso, o que credibilizou nossa capital a participar desse evento internacional.

Aparte - Que medidas foram essas?

Waneska Barboza - Já tínhamos pronto um plano completo, com a preparação das oito unidades exclusivas para o atendimento das síndromes gripais e dos dois Hospitais Municipais - Fernando Franco e Nestor Piva. Além disso, outras ações ajudaram a dar destaque ao nosso município, como a construção do Hospital de Campanha Cleovansóstenes Pereira Aguiar - o HCamp -, responsável por 458 atendimentos; a implementação da Central Regulação de Leitos, que englobou a construção de Protocolos de Encaminhamento de pacientes para os leitos de retaguarda e a articulação com Estado para regulação de leitos de UTI; a criação do MonitorAju, que atendeu mais de 170 mil ligações para acompanhamento e orientação de pacientes; a recepção de 51.977 passageiros no aeroporto de Aracaju; o atendimento de cerca de 1.500 pessoas pelo projeto Aracaju pela Vida e os mais de 16 mil testes realizados pelo TestAju; a criação do Apoio Psicológico remoto, que recebeu cerca de 4.800 ligações; a criação dos ramais para agendamento de procedimentos, que agendaram 565 consultas de pré-natal; 3.223 para diabéticos e hipertensos, 3.734 odontológicas e 390 vacinas agendadas; a publicação diária de boletins informativos; as fiscalizações pela Vigilância Sanitária aos estabelecimentos comerciais; as entregas de 1.250 toneladas de alimentos às famílias dos alunos matriculados nas escolas públicas municipais e a desinfecção de espaços públicos. Tudo isso resultou na queda da taxa de letalidade, que em outubro chegou a 2,1, e da taxa de contágio, para 0,9.

Aparte - Os boletins diários de Aracaju e do Governo do Estado mostram que o número de casos está crescendo. A rede municipal está preparada para uma segunda onda? De que forma?

Waneska Barboza - A capital está preparada para tratar os novos pacientes infectados pela Covid-19, mesmo com o fechamento do HCamp. Para isso, continuamos a disponibilizar 60 leitos de enfermaria: 19 no Fernando Franco - seis de observação, seis pediátricos e sete para adultos -, cinco no Hospital Universitário, 11 no Nestor Piva, 15 no Hospital Santa Isabel e 10 no Hospital São José. De acordo com nossos levantamentos, esse quantitativo é suficiente. Além da rede de assistência que já temos, caso haja aumento significativo de número de internamentos por desrespeito às medidas sanitárias, a Secretaria Municipal de Saúde já está se preparando para ampliar o número de leitos, credenciando leitos da rede privada.

Aparte - Quanto a Secretaria Municipal já investiu no combate à pandemia? Quanto de recursos próprios e quanto do governo federal?

Waneska Barboza - É importante destacar que todos os gastos com ações de combate à pandemia estão disponíveis no Portal da Transparência Covid-19 no Portal da Prefeitura, seguindo e respeitando o preceito da transparência e da responsabilidade com o bem público.

Aparte – Mas quanto foi até agora?

Waneska Barboza – Já recebemos do Governo Federal o total de R$ 64.328.337,71 até a presente data. Desse montante, já empenhamos R$ 42.759.564,61, o que corresponde a 66%. Além dos recursos específicos para a Covid-19, utilizamos outras fontes de receita, empenhando mais R$ 22.562.876,87, totalizando R$ 65.322.441,48 em despesas empenhadas, incluindo as de pessoal, serviços administrativos, insumos, infraestrutura, exames, equipamentos. 

Aparte - A SMS tem feito testagem da população? Quais ações foram pensadas a partir dessa testagem?

Waneska Barboza - Até nosso último levantamento, registramos 16.321 mil testes realizados pelo TestAju. Esses testes são divididos em dois tipos - o rápido - 7.013 já realizados -, no qual nossas equipes visitam pontos estratégicos da cidade, sempre de forma aleatória e sem aviso prévio, e o RT-PCR - 9.308 já realizados -, no qual 20 profissionais, divididos em quatro equipes, percorrem a cidade realizando nas UBS de cada bairro testes na população.

Aparte – De que maneira escolhe-se a pessoa para o RT-PCR?

Waneska Barboza - A seleção das pessoas para esse segundo tipo acontece de forma aleatória, por meio do Agente de Combate às Endemias. A metodologia de escolha dos imóveis segue os critérios sanitários já utilizados pelos agentes na realização do LIRAa e, no caso do TestAju, é escolhida uma pessoa por residência para realização do exame.

Aparte – É importante que as pessoas se abram a essa experiência?

Waneska Barboza - A adesão da população é fundamental para o sucesso do TestAju, pois nos casos detectáveis da doença, as pessoas são orientadas a permanecer em isolamento domiciliar e todos os demais residentes do mesmo imóvel também são testados. Com esse acompanhamento de perto, não apenas conseguimos entender melhor o comportamento da doença, como podemos evitar um agravamento com evolução a óbito, já que todos os casos positivos passam a ser monitorados pelo MonitorAju.

Aparte - Estamos no mês do Outubro Rosa. Como está a rede municipal na oferta de tratamento para o câncer de mama?

Waneska Barboza - Ao município cabe ofertar exames que possibilitam a detecção do câncer, a exemplo da mamografia, além de fazer toda orientação e acompanhamento das mulheres, que são as mais afetadas pela doença. Conforme relatório gerado em 2020 pelo Núcleo de Controle, Avaliação e Regulação da SMS, somente no ano passado foram processados 15.757 exames de mamografia bilateral para rastreamento. Em Sergipe, o tratamento de câncer, não só o de mama, mas todos os tipos, é disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde, por meio da gestão Estadual.

Aparte - Quais os principais avanços da saúde pública de Aracaju na atual gestão?

Waneska Barboza - Nos últimos quatro anos, Aracaju melhorou muito na pasta da Saúde, mas a primeira grande mudança começou a acontecer em julho de 2018, com a implantação do Sistema de Gestão da Informação em Saúde de Aracaju, conhecido como Prontuário Eletrônico, para integrar todas redes de atendimento municipal, como a Rede de Atenção Primária – Reap -, a Rede de Urgência e Emergência – Reue - e a Rede de Atenção Psicossocial - Reaps - e também com os Centro de Especialidades Médicas - Cemar).

Aparte – O que esse aparato tecnológico possibilitou?

Waneska Barboza - Com isso, foi possível evitar a duplicidade de cadastros, economizar e sanar a perda de informações do paciente devido ao uso do papel e melhorar a produtividade. Foi possível controlar o estoque da farmácia e dar mais segurança nas informações que auxiliam a gestão do SUS na Capital. De forma prática, o sistema permitiu que o médico acesse o histórico de atendimentos do cidadão em qualquer unidade de saúde. Isso permite que se administre melhor o tratamento, além de melhorar o fluxo de pessoas e agilizar as consultas. Outra grande conquista ocorreu ainda no início da gestão.

Aparte – Qual foi?

Waneska Barboza - A SMS começou um verdadeiro trabalho de assepsia nos processos envolvendo as marcações dos exames. Analisando caso a caso, o Núcleo de Controle, Avaliação, Auditoria e Regulação – Nucaar - foi retirando da fila de espera milhares de processos que já tinham perdido a validade, sem confirmações efetivadas, e que congestionavam todo fluxo de quem precisava requisitar novos exames.

Aparte - Quantos procedimentos foram retiradas?

Waneska Barboza - Apenas no primeiro ano de gestão, cerca de 130 mil procedimentos inativos foram retirados da fila, o que deu mais celeridade a todo sistema. Aracaju passou a autorizar mais de 15 mil exames por mês, com o tempo médio de espera em 90 dias, entre requisição e autorização.

Aparte - Que atitude foi adotada para recompor as equipes médicas?

Waneska Barboza - Em 2019, também fizemos exatamente a recomposição da equipe médica de toda a rede em mais de 90% através do credenciamento médico como Pessoa Jurídica – PJ - iniciado em fevereiro do ano passado. Foi feita a revitalização do Hospital Fernando Franco, iniciada em janeiro, a recomposição de equipamentos médico-hospitalares e climatizamos os ambientes do hospital Fernando Franco. Essa recomposição de materiais médico-hospitalares renovou aproximadamente 70% do parque tecnológico da Rede de Urgência e Emergência da Capital. As iniciativas da Prefeitura de Aracaju, por meio do trabalho intersetorial das entidades que compõem o Projeto Vida no Trânsito – PVT -, de combate às mortes no trânsito do município resultaram em uma marca importante: a capital sergipana figurou em 2019 entre outras seis do país que atingiram antecipadamente a meta estipulada pela Organização das Nações Unidas de redução de fatalidades em 50% até 2020.

Aparte – Qual o significado da UBS do 17 de Março?

Waneska Barboza - Essa unidade beneficia atualmente cerca de 20 mil usuários e a gestão dela é compartilhada com a Universidade Tiradentes. Em março de 2019, foi entregue essa que é primeira Unidade Básica de Saúde do 17 de Março. Com um investimento superior a R$ 1 milhão, a UBS Roberto Paixão é fruto de um convênio entre a Prefeitura e o Governo Federal. Também conseguimos fazer com que o abastecimento de medicamentos atingisse a maior porcentagem em 2020, com 93%. Em 2017, essa porcentagem era de 45% do estoque de remédios e insumos.

Aparte - Quantos Polos de academia Aracaju tem hoje?

Waneska Barboza – Em janeiro deste ano, a SMS abriu mais um Polo da Academia da Cidade, no Clube da Caixa. Com isso, Aracaju passou a ter 27 polos do Programa. Este ano, o PAC completou 16 anos de existência. Em junho deste ano, a Prefeitura e a Avosos firmaram parceria e passaram a disponibilizar o Ambulatório Pediátrico de Triagem para detecção precoce de câncer. Porém uma das nossas maiores realizações foi o lançamento do Portal Mais Saúde e do aplicativo “Mais Cidadão Saúde”, com objetivo de aproximar ainda mais o aracajuano dos serviços ofertados pela Saúde Municipal e ser mais uma porta de acesso para estes serviços. O portal funcionará em conjunto com o aplicativo, que está disponível para Android e IOS. Através dessas novas plataformas os usuários poderão fazer agendamento de consulta, carteira de vacinação, acompanhamento de lista de espera (consultas e exames); visualização de agendamento de exames; acompanhamento de lista pública de espera de pacientes (consultas, exames e procedimentos); avaliação de atendimentos, resultados de exames laboratoriais e controle de medicamentos.

 

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.