Aparte
Marcos Aurélio chama ao debate preocupação com sanidade mental e financeira das pessoas

Marcos Aurélio: preocupação com a vida e no pós-pandemia

O aumento da depressão, a violência doméstica e uso de substâncias afetarão as taxas de suicídio. Este alerta é da Organização Pan-Americana da Saúde – OPAS – e isso foi tema de discussão entre o comunicólogo, administrador de Empresas e candidato a vereador pela capital sergipana, Marcos Aurélio Costa, PDT, e a psicóloga Kátia Lima. 

Com potencial de alcançar índices alarmantes, o assunto depressão, doença já prevista como mal deste século, segundo revela a profissional da saúde, deve sim ser conversado. “É importante falar sobre saúde mental e suicídio, e desenvolver a inteligência emocional, pois é através dela que a gente é capaz de lidar com os percalços da vida de maneira inteligente e segura”, afirma Kátia Lima.

Para se ter noção da gravidade desse tema, o Brasil é o 8º país em números absolutos de suicídio no mundo. Durante a Live com Marcos Aurélio, dados do Ministério da Saúde foram revelados, reforçando um cenário preocupante.

“A cada 45 minutos um brasileiro morre vítima de suicídio por razões diferentes. Cerca de 17% dos brasileiros já pensaram, em algum momento, dar fim à própria vida. Desses, 4,8% chegaram a elaborar um plano para tal finalidade”, disse a profissional de saúde.

Mas para a psicóloga Kátia Lima, é possível evitar que esse pensamento suicida vire realidade. “A rede familiar é super importante nesta situação. Ela é capaz de perceber e prevenir. Além da escola, que tem papel fundamental neste apoio”, disse a profissional da saúde.

E em se tratando da necessidade de inserir a escola neste contexto, Marcos Aurélio pontuou na live ocorrida na noite da quinta-feira, 17, que um dos pilares do “Projeto Aracaju” “é criar núcleos com profissionais da área da psicologia, terapia, assistência social, direito, coach, enfim, com profissionais que estão lidando com o desenvolvimento humano, para que realizem orientações nas escolas da rede municipal, ensinando aos jovens educação financeira, empreendedorismo e inteligência emocional”.

A psicóloga subscreve essas ideias. “As escolas precisam chamar as famílias, desenvolver inteligência emocional tanto dos jovens quanto dos seus pais. É preciso envolver os pais, sim, porque, muitas vezes, os pais estão passando por momentos difíceis como desemprego, ou simplesmente não foram ensinados quanto a inteligência emocional”, diz ela.

Outro pilar do “Projeto Aracaju” de autoria do pré-candidato Marcos Aurélio é a criação de linha de crédito orientada. “Fiz uma live com o presidente do Grupo Lide Sergipe e a previsão apontada é de muito desemprego e fechamentos de empresas até final deste ano de 2020. Estamos construindo o Projeto Aracaju que tem como ideia uma linha de crédito entre R$ 2 mil a R$ 5 mil para que o jovem ou o adulto, diante das portas fechadas, possa desenvolver uma atividade que ele saiba, que possa vir aprender e, com isso, ter um retorno financeiro, uma renda familiar”, Marcos.

E para quem precisa ou venha a precisar de auxílio médico e/ou psicológico, Kátia Lima reforça que a Prefeitura de Aracaju dispõe de serviço especializado para orientações a respeito da Covid-19 e orientações psicológicas (0800 729-3534).

“Ainda há o Centro de Valorização da Vida, com o número 188. Qualquer pessoa que esteja numa emergência e que precise falar com alguém, pode ligar, de forma gratuita, e será atendida por um voluntário preparado para esse tipo de situação”, informa a psicóloga.

Em matéria veiculada pela ONU, o chefe de saúde mental e abuso de substâncias da OPAS, Renato Oliveira e Souza, fez um alerta significativo. “É muito importante que as pessoas estejam conectadas umas às outras, atentas aos sinais de alerta de como reagir para prevenir o suicídio. Mesmo nestes momentos onde houve maior distanciamento físico, as pessoas podem manter vínculos sociais e cuidar da saúde mental”, disse Oliveira e Souza.

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.