Aparte
Jozailto Lima

É jornalista há 38 anos, poeta e fundador do Portal JLPolítica. Colaboração Tanuza Oliveira.

Belivaldo Chagas está vendo o senador Valadares como seu cabo eleitoral
Compartilhar

Belivaldo Chagas: embate com os Valadares e a política com o fígado

O pré-candidato ao Governo de Sergipe pelo PMDB, vice-governador de Belivaldo Chagas, está visualizando o senador Antonio Carlos Valadares, PSB, seu antigo aliado político, como um “bom cabo eleitoral” do seu projeto de chegar ao Governo em 2018.

“As coisas estão indo muito bem. Vavazão está mais meu cabo eleitoral do que todo mundo. Quando ele dá uma tuitada daquela, para dizer que a nossa reunião no Instituto Histórico de Sergipe foi um fracasso, ele está só me ajudando. Porque quem não viu, foi procurar pra ver, e aí melhorou mais ainda”, diz Belivaldo.

A tuitada a que se refere Belivaldo foi uma manifestação do senador Valadares no sábado contra o encontro do PMDB de Sergipe assim que circularam as primeiras fotos impactantes do auditório do IHS apinhado de peemedebistas até o teto.

“No encontro do PMDB, só discurso político de que o governo Jackson Barreto e o seu candidato são imbatíveis. Nenhum projeto para o resgate da credibilidade do Estado em matéria de saúde, segurança e educação. Foi a exaltação do fracasso”, escreveu Valadares, a quem Belivaldo trata carinhosa, ou ironicamente, de Vavazão em contraposição a Vavazinho, o filho deputado federa Valadares Filho.

“A tuitada de Valadares foi muito boa para mim. Veja: ele foi a única pessoa que se pronunciou contra. Mas sabe por que? Porque o senador Vavazão está agindo com o fígado. Virou uma coisa de ordem pessoal. Veja que ele sequer cita meu nome: Ele me chama simplesmente de “o candidato do Governo”. Por ele, eu perdi o nome e a identidade”, constata Belivaldo.

“Repare como a coisa caiu no ranço pessoal. As pessoas estão vendo isso. E o Vavazinho é igual a ele. Na semana passada, o Vavazinho dava uma entrevista de rádio lá na nossa Simão Dias e dizia a mesma coisa: “porque o candidato do Governo e o candidato do Governo”. Não quis falar meu nome logo em Simão Dias. Os dois se uniram para me chamar de o candidato do Governo”, reforça Belivaldo

“Eu acho que eles pensam que se falarem o meu nome, polariza, e então falam do candidato do Governo. Eles acham que o Governo está desgastado e então o “candidato do Governo” também não servirá. Veja: não é Belivaldo Chagas que não servirá. É o candidato do Governo”, diz Belivaldo.

Para Belivaldo Chagas, a sagacidade política dos Valadares, no que diz respeito a esta particularização, está bastante embotada. “Eles não conseguem ver que nem tudo que atinge o Governo atinge a Jackson Barreto, quanto mais a Belivaldo”, ressalta.

“Aliás, esta é que é a grande verdade que eles não querem ler. Jackson Barreto tem uma proteção natural e meio mundo de gente sabe separá-lo das dificuldades momentâneas do Governo. Eu vi isso na procissão de São Judas Tadeu, com o carinho do povo ali para tirar retratos com ele. Aquela senhorada gritando “Jackson, meu gostoso””, analisa o pré-candidato.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.