Aparte
O empréstimo de R$ 560 milhões e as dúvidas sobre ele

Jackson Barreto: ele aplica como governador ou candidato ao Senado?

O político Jackson Barreto é um personagem enigmático da política sergipana e a cada lance que ele perpetra no tablado confunde mais e mais.

Vamos a este empréstimo que ele acabou de aprovar nesta terça, via Alese, de R$ 560 milhões junto à Caixa, com o propósito de recuperar as decadentes estradas sergipanas.

Aqui paira uma dúvida: quem vai ser o executor da aplicação deste recursos no ano que vem? Ele? Ora, JB está na iminência de passar ou não o Governo de Sergipe para o seu vice, Belivaldo Chagas?

Há uma outra grande dúvida sobre a suposta pretensão de JB em deixar o Governo para disputar o mandato de senador em 2018. Numa crise dessas, disponibilizar de R$ 560 milhões num Estado cujo orçamento não chega aos R$ 8 bilhões é algo altamente significativo. Ele sai de baixo e não o aplica?

Dá para fazer com estes recursos coisas que o diabo duvida. A dificuldade agora é saber separar os interesses políticos eleitorais - eleições de 2018 - dos reais interesses republicanos em favor do Estado.

Questão 1: JB fará dessa montanha de dinheiro objeto de potencialização da candidatura de Belivaldo Chagas?

Questão 2: JB fará disso um potencializador de uma eventual candidatura sua ao Senado, se candidatura houver?

O problema é tão delicado que parece ficar em último plano se a prioridade desses R$ 560 milhões será mesmo a da recuperação da malha viária de Sergipe que está toda decadente.

O recado cru que fica desse empréstimo é o de que em Sergipe quem está com o poder administrativo na mão manda nas decisões e tem potencial poder eleitoral.

E nessas circunstâncias, nem se leva em conta que, em menos de 10 anos, a dívida do Estado subiu de R$ 830 milhões para quase R$ 8 bilhões.

Ou seja, quase um orçamento inteiro anual de Sergipe. Que em 2018 não seja tarde para se chorar leite de mais um empréstimo derramado.