Aparte
Jozailto Lima

É jornalista há 38 anos, poeta e fundador do Portal JLPolítica. Colaboração Tanuza Oliveira.

Danielle Garcia: “Uma decisão minha hoje é a seguinte: estou dentríssimo de 2022”
Compartilhar

Danielle Garcia: aberta a qualquer candidatura em 2022

Senhora de 109.864 votos no segundo turno da eleição municipal de Aracaju no ano passado pelo Cidadania, Danielle Garcia, que vem a ser uma delegada da Polícia Judiciária do Estado de Sergipe, está segura da parte que lhe cabe no latifúndio da próxima sucessão estadual que se aproxima.

“Uma decisão minha hoje é a seguinte: eu estou dentríssimo de 2022”, disse Danielle Garcia nesta quarta-feira, 9, à Coluna Aparte, com profundo bom humor e despojamento. E você, leitor, acolha dentríssimo como um superlativo de estar mais que dentro. De algo no âmago da coisa. No miolo.

Mas estar no âmago da coisa não quer dizer que Danielle Garcia já saiba, de antemão e desde este dia 9 de junho, a que mandato, ou a que cargo, ela concorrerá em 2020. “Vou à eleição, sim. Mas com que roupa eu vou? Não sei. Eu tenho dito que a gente não decidiu ainda. Digo a gente, porque tem uma série de circunstâncias e de pessoas envolvidas”, avisa a moça.

Danielle Garcia fala assim, com esse relativismo todo - não é mais superlativismo agora - por entender que as definições no seu universo político e partidário não o foram ainda tomadas - como também o não foram em bloco nenhum dos que militam na política estadual de Sergipe. Todos evocam o cedo. Mas também todos já terraplanam terreno.

Para Danielle, do seu lado nem mesmo a candidatura de governador estaria demarcada como sendo obrigatoriamente a do senador Alessandro Vieira, seu colga de militância e que neste dia 9 bateu em retirada do Cidadania.

“Eu posso me imaginar numa candidatura a deputada federal, ou a senadora. Eu posso estar nesse páreo, seja como candidata a governadora, a deputada estadual. O que eu falo direto é que quero disputar onde eu possa ser mais útil e contribuir. Tudo vai depender de como vai se jogar esse jogo. Eu acho que está tudo em aberto”, reforça Danielle.

“Veja: as pessoas me colocam muito como uma pré-candidata ao Senado. Ok. Mas se seu sair candidata a deputada estadual, que ninguém ache que isso me diminui. Se eu entender que as chances são para a Alese, vou a deputada estadual. Ah, mas tem um convite para disputar o Governo do Estado! Se eu entender que vai ser uma disputa legal, posso ir também à do Governo”, reforça a delegada.

Sim, do alto dos seus 109.864 votos do segundo turno da eleição de Aracaju do ano passado, o que Danielle Garcia não quer é deixar essa imensidão de pessoas órfãs de sua ação e participação política - no que está certíssima, você achando ela politicamente bonitinha ou feinha. Aliás, feinha é impossível.

“Eu acho que devo ter responsabilidade com essas 110 mil pessoas que depositaram confiança em mim e por isso estarei presente no próximo pleito. Mas vamos ter o voto distrital? Mas vai se manter a reforma política? Vai mudar? Tudo isso interfere na minha definição”, diz Danielle Garcia.

Ok: o tempo é complexo e não interfere somente na definição política de Danielle Garcia. Que atire a primeira pedra quem não esteja politicamente confuso ou confusa  nesta hora.

 

Ω Quer receber gratuitamente as principais notícias do JLPolítica no seu WhatsApp? Clique aqui.

Deixe seu Comentário

*Campos obrigatórios.

Jorge Andrade
Sergipe precisa da sua contribuição e necessita urgentemente mudar esse cenário político vitalício. Senado ou governo🤝
José Gomes
Infelizmente os nossos gestores e diversos parlamentares não têm um pingo de responsabilidade com as necessidades sociais e em especial com respeito a legislação. Convém salientar portanto, q o bolso deles é prioridade número 1, mesmo c tantas mortes ocorrendo dia a dia no país.